Um novo Papa, Harry no trono e guerra com a China: 2024 de acordo com o profeta francês Nostradamus

2024 de acordo com Nostradamus: Um novo Papa, Harry no trono e guerra com a China
2024 de acordo com Nostradamus: Um novo Papa, Harry no trono e guerra com a China Direitos de autor AP Photo - Nick Didlick / Alessandra Tarantino / Andy Wong / Jorge Saenz - Ville de Salon-de-Provence
De  David Mouriquand
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Conheça as previsões de Nostradamus, profeta francês do século XVI, para o próximo ano. Prepare-se...

PUBLICIDADE

Foram reveladas as previsões para o próximo ano do famoso profeta do juízo final francês do século XVI, Nostradamus. E está tudo bem, está tudo ótimo. Preparem-se para mais arco-íris.

Oh, espera, enganámo-nos! 

É o contrário.

Peço desculpa a todos. Falsas esperanças - ponham os cintos de segurança, continuamos a dirigir-nos para a turbulência.

De acordo com o texto de Nostradamus de 1555, "Les Prophéties" ("As Profecias"), 2024 vai trazer conflitos globais contínuos, tumultos reais e desastres humanitários.

Embora os seus escritos sejam vagos, não se esqueça de que lhe foi atribuída a previsão da ascensão de Adolf Hitler, dos atentados de 11 de setembro e da COVID, para citar alguns.

Antes de lhe darmos as informações sobre 2024, vale a pena ter em conta que a interpretação das previsões de Nostradamus é controversa e, definitivamente, mais conjetural do que literal. Ele já se enganou antes (o mundo deveria ter acabado em 1999) e previu a vinda do anticristo em 2023.

É verdade que ainda nos falta pouco mais de meio mês para o fim do ano, e estragar a festa durante as férias parece algo que só o Príncipe das Trevas faria. Ainda assim, o ano já foi suficientemente desafiante... Deixemo-nos de esperas.

Aqui está o resumo de 2024 em quatro profecias principais:

Guerra com a China

Nostradamus previu "combates e batalhas navais" e disse que um "adversário vermelho empalidecerá de medo / Pondo o grande Oceano em pavor".

Alguns pensam que o "adversário vermelho" poderia estar a referir-se à China.

Parece deprimente e cheio de ação. Obrigado, Michel de Nostredame!

O Príncipe Harry torna-se Rei

Uma das passagens de "As Profecias" diz que um "Rei das Ilhas" será "expulso pela força".

Alguns acreditam que Nostradamus estava a referir-se ao Rei Carlos III, e se acreditarmos na sua palavra, o relativamente novo monarca já está a ser cortado.

Além disso, Nostradamus disse que este governante seria usurpado por "alguém que não terá a marca de um rei".

Considerando que o Príncipe William é o atual herdeiro, isso significa que o Príncipe Harry será o futuro rei do Reino Unido. Preparem-se, ele está a chegar.

Mais um desastre climático

"A terra seca tornar-se-á mais ressequida / E haverá grandes inundações quando se vir", escreveu Nostradamus.

Também previu fenómenos climáticos extremos e a fome no mundo: "Fome muito grande devido a uma onda pestilenta", para ser mais preciso.

PUBLICIDADE

Alegre.

Um novo Papa

O Papa Francisco poderá ser substituído em breve, de acordo com as previsões do astrólogo.

"Com a morte de um Pontífice muito velho / Será eleito um romano de boa idade / Dele se dirá que enfraquece a sua sé / Mas por muito tempo ficará sentado e em atividade mordaz", escreveu.

O Papa Francisco, que completa 87 anos no domingo, tem tido problemas de saúde e recentemente teve de faltar à conferência da ONU sobre o clima devido a uma inflamação pulmonar e problemas respiratórios.

Oh, meu Deus.

PUBLICIDADE

Bem, esperamos que isto o tenha animado, e fazemos figas para que o profeta do juízo final nunca tenha recebido abraços suficientes quando era pequeno, e que 2024 possa pelo menos poupar-nos à guerra com a China.

Quanto a vós, não sabemos, mas os outros parecem deprimentemente plausíveis.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Arranca a época natalícia em Lisboa, a capital portuguesa

Celebrações de Ano Novo na Coreia do Norte

Martin Scorsese recebeu Urso de Ouro honorário na Berlinale