Uma mãe e arquiteta de origem iraniana é a nova Miss Alemanha

Apameh Schönauer, vencedora do Miss Alemanha 2024, é um sinal de uma mudança na cultura dos concursos de beleza em relação aos ideais estereotipados de beleza.
Apameh Schönauer, vencedora do Miss Alemanha 2024, é um sinal de uma mudança na cultura dos concursos de beleza em relação aos ideais estereotipados de beleza. Direitos de autor missgermany_official - api_schoenauer/Instagram
Direitos de autor missgermany_official - api_schoenauer/Instagram
De  Anca Ulea
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Em vez dos concursos de beleza superficiais do passado, a Miss Alemanha nomeia uma nova vencedora: a arquiteta iraniana Apameh Schönauer.

PUBLICIDADE

Quando Apameh Schönauer foi nomeada Miss Alemanha 2024, no sábado, a berlinense exibia no palco a sua faixa, com um sorriso gigante no rosto.

Mãe e arquiteta, Schönauer diz-se apaixonada pelos direitos das mulheres e por ajudar os imigrantes a adaptarem-se à vida na Alemanha. Também ela é uma migrante, nascida no Irão. 

Imigrou para a Alemanha com a família quando tinha seis anos. Schönauer conta que os primeiros anos de vida num país estrangeiro foram difíceis - teve dificuldade em integrar-se na escola e perdeu a noção de quem era enquanto pessoa.

No palco, Schönauer disse que quer defender jovens mulheres como ela, que estão a lidar com as dificuldades de serem migrantes na Alemanha.

A sua organização Shirzan (que significa "leoa") ajuda mulheres oprimidas, encorajando-as a "partilhar as suas histórias e experiências, a inspirarem-se e a apoiarem-se mutuamente para que possam realizar todo o seu potencial".

A vitória de Schönauer foi um passo significativo na direção mais inclusiva que o concurso de Miss Alemanha tem tomado desde 2019, afastando-se dos concursos de beleza física e de biquíni para uma definição mais complexa de beleza que se centra nas personalidades e acções das concorrentes.

As finalistas deste ano eram diferentes de todas as rainhas de beleza que o país já viu antes. Uma delas vive com um coração de dador há dois anos e meio. Outra tem uma doença autoimune rara e usa uma cadeira de rodas.

Este ano, o limite de idade para o concurso também foi levantado - a finalista mais velha tinha 42 anos. Segundo os organizadores, cerca de 15 000 mulheres candidataram-se para participar num processo de seleção que durou vários meses.

As redes sociais explodem com acusações de "wokismo"

Pouco tempo depois da sua vitória, Schönauer foi objeto de uma enxurrada de comentários negativos nas redes sociais e as acusações de "wokismo" abundaram.

Os seus detratores questionaram o facto de ela não se enquadrar nos padrões de beleza estereotipados. Chegaram também a sugerir que ela não é "suficientemente alemã".

Algumas das publicações nas redes sociais (as quais não vamos destacar devido ao seu carácter odioso) mostram Schönauer lado a lado com mulheres loiras ou outras rainhas da beleza, como a Miss Universo Alemanha 2023 Helena Bleicher.

Outros compararam-na a caricaturas como a bruxa da Branca de Neve.

A reação é semelhante à recebida por outros concursos de beleza que tentaram mudar a sua imagem nos últimos anos. Em dezembro, a vencedora do concurso Miss França foi inundada com mensagens de ódio sobre o seu corte de cabelo curto e a sua magreza.

A vencedora do Miss Universo de Portugal - a primeira vencedora trans do país - enfrentou uma onda semelhante de críticas e transfobia online após a sua vitória em outubro passado.

Apesar das críticas, o concurso Miss Alemanha está empenhado na sua nova missão de inclusão, trocando a coroa da vencedora por um "Prémio de Liderança Feminina", que inclui um cheque de 25 000 euros.

"Procuramos mulheres que assumam responsabilidades e atuem como modelos, moldando assim uma sociedade cosmopolita e moderna", segundo o sítio Web da Miss Alemanha.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Foto comovente de Gaza vence o World Press Photo

Lennon e McCartney estão de volta, mas não é o que está a pensar

Último quadro de Caravaggio vai ser exposto pela primeira vez em 20 anos