Conheça as esposas tradicionais: as influenciadoras anti-feministas que defendem os valores tradicionais

O movimento das esposas tradicionais surgiu nos EUA
O movimento das esposas tradicionais surgiu nos EUA Direitos de autor Canva
De  Estelle Nilsson-Julien
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Já ouviste falar das "trad wives"? Os conteúdos publicados por mulheres com vestidos floridos em cozinhas campestres luxuosas podem parecer bastante inocentes, mas por detrás disso estão, de facto, a apelar a um regresso às normas de género do estilo dos anos 50.

PUBLICIDADE

Falem de moda, estilo de vida ou desporto, existem influenciadores para todos os passatempos e gostos.

Talvez esteja habituado a deparar-se com contas de mulheres americanas de aspeto bonito em casas de campo impressionantes. No entanto, se aprofundar um pouco mais, poderá descobrir que encontrou uma "trad wife": uma mulher que defende o regresso às normas de género do estilo dos anos 50.

"O movimento trad wife é um movimento internacional de mulheres que defendem o regresso às normas tradicionais de género, através da submissão aos maridos e da promoção da domesticidade", explica Cécile Simmons, investigadora do Instituto para o Diálogo Estratégico, à Euronews Culture.

As origens do movimento

O movimento surgiu nas redes sociais há cerca de seis anos, ganhando popularidade no Reddit, nomeadamente através de um tópico anti-feminista chamado 'Red Pill'. As "trad wives" surgiram depois noutras plataformas de redes sociais mainstream, como o Instagram.

The trad wife movement encourages women to be submissive to their husbands
The trad wife movement encourages women to be submissive to their husbandsCanva

"As pesquisas explodiram durante a pandemia. Tal como noutras formas de 'radicalização', floresceram devido ao sentimento de isolamento das pessoas", explica Simmons.

Oriundo dos EUA, o movimento "trad wife" atravessou o Atlântico e rapidamente floresceu no Reino Unido. Atualmente, continua a ser mais popular no mundo anglo-saxónico do que na Europa continental.

Um espetro ideológico

Existe um espetro ideológico no seio deste movimento, "as trad wives tendem a ser conservadoras e anti-feministas, mas isso não significa que pertençam todas à extrema-direita. O movimento pode atuar como ponto de entrada para a ideologia nacionalista e supremacista branca", afirma Simmons.

As esposas tradicionais apelam à "submissão" aos seus maridos, o que, segundo Simmons, é motivo de preocupação: "O perigo é também que isto possa normalizar as relações abusivas".

Quem são algumas destas esposas tradicionais?

Uma das figuras de proa das mulheres tradicionais é Estee Williams, uma mulher tradicional de 26 anos que vive com o marido na Virgínia. No seu feed de fotografias e rolos, pode ser vista a usar uma série de vestidos em linha A com um cabelo loiro imaculadamente penteado. Embora tenha muitos fãs entre os seus 100 mil seguidores, a sua secção de posts também atrai críticas: "tantas mulheres que lutaram pela igualdade e é isto que conseguem? Que pena", comenta um utilizador.

Do outro lado do Atlântico, encontra-se Alena Kate Pettitt, uma mulher de comércio britânica que gere o sítio Web "Darling Academy". Na biografia do seu blogue, ela descreve como as suas "aventuras exaustivas" a trabalhar em Londres nos seus vinte anos a levaram a tornar-se uma dona de casa tradicional.

"As minhas escolhas, supostamente "modernas e com poder", tinham destruído a minha autoestima", acrescenta. Apesar de Pettitt ter acumulado 40 mil seguidores no Instagram, apagou a sua conta, citando "as mensagens vis, o ódio", bem como "a atenção indesejada dos homens".

E depois há as "trad wives" mais extremas, como Ayla Stewart. Descrevendo-se como "uma antiga liberal universitária que viu a luz", Stewart é mórmon. Pode ter muito menos seguidores do que Estee Williams, mas provocou um frenesim mediático há alguns anos, com o "desafio do bebé branco". Num vídeo agora apagado na sequência de uma forte reação negativa, Stewart encorajou os seus seguidores a terem o maior número possível de bebés brancos.

Podem utilizar linguagem codificada

"No YouTube, tenho visto mais vídeos políticos e discursos politizados. No Telegram, as pessoas também são mais ousadas nas suas afirmações, uma vez que há menos moderação de conteúdos", explica Simmons.

As "trad wives" podem ter o maior alcance no Instagram, mas também estão ativas noutras plataformas de redes sociais.

Algumas mulheres tradicionais são boas a utilizar linguagem codificada e hashtags específicas, o que cria o perigo de uma ideologia nacionalista branca ser utilizada sob o disfarce de uma estética mainstream", acrescenta Simmons.

O negócio por detrás de ser uma esposa tradicional

Há um aspeto racial no movimento das "trad wife", uma vez que são, na sua maioria, mulheres brancas, bem como um aspeto económico. Para viver como uma dona de casa dos anos 50, uma família deve ser capaz de se sustentar com um único salário - uma tarefa difícil para muitas pessoas, dada a crise global do custo de vida.

The trad wife movement advocates a return to traditional gender norms
The trad wife movement advocates a return to traditional gender normsCanva

As esposas tradicionais podem promover um regresso aos valores tradicionais como esposas que ficam em casa - mas o facto é que também podem ganhar dinheiro e gerir negócios a partir das suas contas nas redes sociais.

"Interagi com estas esposas tradicionais e disseram-me que me podiam ensinar a ganhar dinheiro a partir de casa. Há um elemento de recrutamento de outras pessoas para este estilo de vida, dizendo que é uma opção económica viável", explica Simmons.

PUBLICIDADE

As "trad wives" europeias

O movimento das tradwives é ainda muito marginal na Europa continental.

"É um movimento incipiente, está a começar a desenvolver-se em França, mas as contas não têm o mesmo alcance que as americanas ou britânicas. Têm algumas centenas de seguidores, por exemplo. Mas desconfio que podemos assistir ao aparecimento de algumas contas maiores", explica Simmons.

Em França, uma "trad wife" pouco convencional tem atraído as atenções: Thais d'Escufon, de 24 anos. Ela é um antigo membro do grupo de extrema-direita Identité Génération, que foi proibido.

Thais d'Escufon
Thais d'EscufonTikTok

D'Escufon reinventou-se como uma figura das redes sociais que promove uma mensagem anti-feminista. No entanto, a incoerência reside no facto de não ter marido - nem filhos.

Embora d'Escufon ainda seja jovem, Simmons explica que as mulheres que não se conformam com as ideias que eles defendem podem ser isoladas, "para se encaixar no movimento da dona de casa tradicional, você precisa se envolver, se não você será punido".

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Último quadro de Caravaggio vai ser exposto pela primeira vez em 20 anos

Prémio LUX do Público entregue ao filme "A sala dos professores"

150 anos de Impressionismo: como celebrar o aniversário do movimento artístico na Europa