Um em cada cinco jovens em França não sabe identificar uma curgete, segundo novo estudo.

Abobrinhas para uns, courgettes para outros, mas não identificáveis para muitos jovens franceses.
Abobrinhas para uns, courgettes para outros, mas não identificáveis para muitos jovens franceses. Direitos de autor Liz Hafalia/San Francisco Chronicle
De  Sylvia Omorodion
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

De acordo com um novo estudo, um em cada cinco jovens (com idades compreendidas entre os 15 e os 24 anos) não consegue identificar uma curgete. O relatório sugere também que um número significativo de jovens tem dificuldade em manter uma alimentação saudável e equilibrada.

PUBLICIDADE

O governo francês está a analisar planos para aumentar a educação económica doméstica após um novo estudo que afirma que um em cada cinco jovens não consegue identificar os legumes do dia a dia.

Um estudo da Harris Interactive, intitulado "Os franceses e a alimentação quotidiana", revela as disparidades de comportamento alimentar entre os diferentes grupos etários da população francesa.

Os jovens entre os 15 e os 24 anos, que representam 20%, não sabem distinguir entre uma curgete e um pepino. Perante a imagem de uma curgete, 18% dos jovens pensaram tratar-se de um pepino, enquanto 2% pensaram ver uma beringela.

Entre as pessoas com mais de 24 anos, também entrevistadas com base nas mesmas imagens, os resultados também não foram prometedores: 11% não reconhecem as curgtes e 10% confundem-nas com pepinos.

Um comprador escolhe entre uma variedade de couve-flor
Um comprador escolhe entre uma variedade de couve-florPaul Chinn/San Francisco Chronicle

A fruta está nos olhos de quem vê

No que diz respeito a outros alimentos, a percentagem de pessoas incapazes de reconhecer uma fruta e um legume desce. A toranja é confundida com uma laranja sanguínea por 16% dos franceses. Desta vez, a proporção é menor entre os jovens com menos de 25 anos, 12% dos quais cometem o mesmo erro.

A couve-flor também foi submetida ao mesmo teste, em que apenas 4% dos inquiridos com idades compreendidas entre os 15 e os 24 anos não souberam responder, contra apenas 1% para o conjunto da população.

Na sequência destes resultados, a Ministra Delegada Olivia Grégoire declarou que o governo tem o desejo de promover uma educação alimentar mais sólida, afirmando que a educação alimentar é simultaneamente "uma questão importante de saúde pública" e "uma questão de poder de compra".

O Presidente francês Emmanuel Macron encontra-se com alunos durante uma visita à cantina de uma escola em Saint-Sozy, no sudoeste de França
O Presidente francês Emmanuel Macron encontra-se com alunos durante uma visita à cantina de uma escola em Saint-Sozy, no sudoeste de FrançaLudovic Marin/Copyright 2019 The AP. All rights reserved.

Para incentivar as gerações mais jovens a comer melhor, a cozinhar e a consumir produtos frescos, 83% dos jovens concordam que deveria haver uma melhor informação e educação sobre os produtos alimentares nas escolas.

"Diz-me o que comes e dir-te-ei quem és"

Embora a excelência da cozinha e dos restaurantes franceses represente, desde há muito, uma parte vital da identidade cultural do país, estes resultados surpreendentes provam que os jovens não estão a fazer ratatouille em casa.

O estudo mostra que o consumo de frutas e legumes frescos é menos frequente entre os jovens, que recorrem mais a pratos processados (44% contra 23%).

De facto, 89% dos jovens entre os 15 e os 24 anos preferem alimentos ricos em amido (massa, arroz, batatas) e 40% consomem produtos enlatados e em frascos.

A cheeseburger meal from a McDonald's restaurant
A cheeseburger meal from a McDonald's restaurantMarcio Jose Sanchez/AP2009

Mais de metade dos jovens entre os 15 e os 24 anos, 59%, come pelo menos uma vez por semana num restaurante de fast food, em comparação com 37% da população total.

Entretanto, apenas 46% das pessoas inquiridas dizem que cozinham produtos frescos, como abobrinhas e pepinos, todos os dias ou quase todos os dias.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Eis os países que mais gostam de queijo: europeus dominam o ranking

Restaurante parisiense que inspirou o filme Ratatouille perde 1,5 milhões de euros em vinho

Fraudes com azeite proliferam: Como detetar azeite falsificado?