Discurso de Jonathan Glazer nos Óscares sobre guerra entre Israel e o Hamas gera polémica

Crescem as condenações ao discurso "moralmente indefensável" de Jonathan Glazer nos Óscares
Crescem as condenações ao discurso "moralmente indefensável" de Jonathan Glazer nos Óscares Direitos de autor Jordan Strauss/Invision/AP
De  David Mouriquand
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A Fundação dos Sobreviventes do Holocausto dos EUA classificou o discurso de Jonathan Glazer nos Óscares como "moralmente indefensável". O realizador do drama sobre o Holocausto "A Zona de Interesse", vencedor de um Óscar, afirmou que os mortos em Israel e em Gaza foram vítimas de "desumanização".

PUBLICIDADE

Os Óscares deste ano foram relativamente calmos, com muito poucas estrelas e cineastas a pronunciarem-se diretamente sobre o atual conflito no Médio Oriente naquele que é, irrefutavelmente, o maior palco de Hollywood.

Antes da cerimónia, várias celebridades expressaram as suas opiniões, mas com o receio de que falar pudesse ter um impacto negativo nas suas carreiras, a maioria optou pelo silêncio - algo que se torna ainda mais evidente se tivermos em conta que a noite de entrega dos prémios começou com manifestantes a exigirem um cessar-fogo e a bloquearem o trânsito no exterior do Dolby Theatre.

Na 96.ª edição dos Óscares, algumas celebridades, incluindo Mark Ruffalo e Billie Eilish, usaram pins a apelar ao cessar-fogo, mas apenas um discurso de aceitação se atreveu a abordar a guerra em Gaza.

Esse discurso foi proferido por Jonathan Glazer, o realizador do drama sobre o Holocausto " A Zona de Interesse ".

Glazer subiu ao palco ao lado do produtor James Wilson para aceitar o Óscar de Melhor Filme Internacional - a primeira vez que a Grã-Bretanha ganhou o prémio - pela sua adaptação em língua alemã e polaca do romance de Martin Amis. O filme, que se estreou no ano passado em Cannes e ganhou o Grande Prémio, centra-se na família do comandante mais antigo de Auschwitz, Rudolf Höss.

James Wilson, from left, Leonard Blavatnik, and Jonathan Glazer accept the award for "The Zone of Interest"
James Wilson, from left, Leonard Blavatnik, and Jonathan Glazer accept the award for "The Zone of Interest"Chris Pizzello/Invision/AP

O realizador, que é judeu, afirmou que os mortos em Israel e em Gaza foram vítimas de "desumanização".

"O nosso filme mostra a forma como a desumanização moldou todo o nosso passado e presente (...) Neste momento, estamos aqui, como homens que refutam o seu judaísmo e criticam o facto de o Holocausto ter sido desviado por uma ocupação (...) Quer se trate das vítimas do ataque de 7 de outubro em Israel ou do ataque em curso em Gaza, de todas as vítimas desta desumanização, como é que podemos resistir?".

O realizador terminou o discurso com uma homenagem a Alexandria Bystroń-Kołodziejczyk, uma mulher polaca que trabalhou para a resistência polaca quando tinha apenas 12 anos. Bystroń-Kołodziejczyk ia de bicicleta até ao campo de extermínio para deixar maçãs, um ato de resistência silencioso.

"Usámos a bicicleta dela e o ator usou o seu vestido. Infelizmente, ela morreu algumas semanas depois de termos falado", contou o realizador.

"Ela brilha no filme como brilhava na vida. Dedico-o à sua memória e à sua resistência", disse Glazer durante o seu discurso nos Óscares.

Scene from "The Zone of Interest"
Scene from "The Zone of Interest"A24

O discurso emocionante foi um dos pontos altos da noite, mas agora Glazer foi criticado pelas suas palavras, nomeadamente pela Holocaust Survivor's Foundation USA (HSF).

Numa carta aberta publicada no site da organização, o presidente da fundação, David Schaecter, escreveu:

"Assisti com angústia à noite de domingo quando o ouvi usar a tribuna da cerimónia dos Óscares para equiparar a brutalidade maníaca do Hamas contra israelitas inocentes à difícil mas necessária auto-defesa de Israel face à barbaridade contínua do Hamas. Os seus comentários são factualmente incorretos e moralmente indefensáveis".

E acrescentou: "Fez um filme sobre o Holocausto e ganhou um Óscar. E é judeu. Que bom para si. Mas é vergonhoso para si presumir falar pelos seis milhões de judeus, incluindo um milhão e meio de crianças, que foram assassinados apenas por causa da sua identidade judaica. Devia ter vergonha de usar Auschwitz para criticar Israel. Se a criação, existência e sobrevivência do Estado de Israel como Estado judeu equivale a 'ocupação' na sua mente, então obviamente não aprendeu nada com o seu filme".

Os comentários de Glazer foram também atacados pela Liga Anti-Difamação, que publicou uma mensagem nas redes sociais, dizendo que os comentários eram "repreensíveis".

"Israel não está a sequestrar o Judaísmo ou o Holocausto ao defender-se contra terroristas genocidas. Os comentários de Glazer nos Óscares são factualmente incorrectos e moralmente repreensíveis. Minimizam a Shoah e desculpam o terrorismo mais hediondo".

Numa declaração partilhada com o The Hollywood Reporter por Allison Josephs, fundadora e directora executiva da Jew in the City, Josephs fez os seguintes comentários:

"Glazer poderia ter falado sobre a forma como a desumanização dos judeus levou as pessoas a não acreditarem que a violência sexual foi usada contra mulheres israelitas ou que se tratava de "resistência justificada". Podia ter dito que a desumanização dos judeus levou as pessoas a celebrar e/ou a negar que o 7 de outubro tivesse acontecido. Podia ter referido que o dia 7 de outubro foi o dia mais mortífero para os judeus desde o Holocausto. Em vez disso, Glazer culpou os judeus pelo seu próprio massacre, dizendo que "a ocupação levou ao conflito para muitas pessoas".

PUBLICIDADE
Poster for The Zone of Interest
Poster for The Zone of InterestA24

Não houve apenas críticas

Mas o discurso de Glazer não mereceu apenas críticas. A organização de veteranos militares israelitas Breaking the Silence publicou uma declaração nas redes sociais: 

"(Glazer) tomou uma posição inequívoca contra a utilização cínica do judaísmo e do Holocausto em nome da justificação da ocupação..."

"Recusamo-nos a aceitar a facilidade com que o sangue e a vida de civis são usados como justificação para ideologias políticas ou como moeda de troca. A empatia não é um jogo de soma zero".

Outras fontes • Hollywood Reporter

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Óscares 2024: "Oppenheimer" de Christopher Nolan ganha o prémio de Melhor Filme e arrecada sete Óscares

Exemplar raro de banda desenhada com a estreia do Super-Homem vendido por valor recorde de 5,5 milhões de euros

Alec Baldwin "não tinha controlo" sobre as suas emoções no cenário de "Rust", dizem os procuradores