EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Evento de calor perigoso classificado em Sevilha pela segunda vez

A man cools himself at a fountain in Seville, Spain, April 27, 2023.
A man cools himself at a fountain in Seville, Spain, April 27, 2023. Direitos de autor AP Photo
Direitos de autor AP Photo
De  Nichola DauntonLottie Limb com Reuters
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

A iniciativa pioneira indica que a vaga de calor Yago poderá ser mais intensa do que a vaga de calor Zoe, classificado no verão passado.

PUBLICIDADE

A cidade de Sevilha, no sul de Espanha, classificou um evento de calor extremo pela segunda vez. A onda de calor Yago atingiu o nível máximo 3 do sistema de alerta esta semana, com temperaturas superiores a 40°C no dia 26 de junho. Prevê-se que seja mais intensa do que a Onda de Calor Zoe, a primeira onda de calor classificada no mundo, em julho do ano passado.

Esta vaga de calor constitui uma séria ameaça para a saúde dos sevilhanos, alertam o proMETEO e a Câmara Municipal de Sevilha.

Porque é que Sevilha dá nome às ondas de calor?

Sevilha tornou-se a primeira cidade do mundo a nomear e classificar as ondas de calor com a Onda de Calor Zoe. O sistema pioneiro foi revelado em 21 de junho de 2022, numa altura em que Espanha sofria a primeira vaga de calor a chegar tão cedo dos últimos 40 anos.

Situada no vale do rio Guadalquivir, na Andaluzia, a cidade é um dos locais mais quentes de Espanha e um destino turístico muito popular.

"Somos a primeira cidade do mundo a dar um passo que nos ajudará a planear e a tomar medidas quando este tipo de fenómeno meteorológico ocorrer", afirmou o Presidente da Câmara, Juan Espadas.

O projeto-piloto foi desenvolvido pelo Centro de Resiliência da Fundação Adrienne Arsht-Rockefeller em colaboração com a Universidade de Sevilha e a Câmara Municipal de Sevilha. O projeto tem três categorias e alertará a população até cinco dias antes de um evento de calor.

As ondas de calor designadas como eventos de categoria 2 ou 3 serão designadas por ordem alfabética inversa. As primeiras cinco chamar-se-ão Zoe, Yago, Xenia, Wenceslao e Vega.

Qual é a vantagem de nomear as ondas de calor e as tempestades?

Um dos principais objetivos do proMETEO Sevilla é ligar as previsões meteorológicas aos avisos de saúde.

"Este novo método destina-se a aumentar a sensibilização para este impacto mortal das alterações climáticas e, em última análise, a salvar vidas", afirma Kathy Baughman McLeod, diretora do Arsht-Rock, um grupo de reflexão que desenvolve soluções para os riscos climáticos.

CRISTINA QUICLER/AFP or licensors
Um termómetro de rua regista 47 graus durante uma onda de calor em SevilhaCRISTINA QUICLER/AFP or licensors

Cada uma das três categorias (sendo a primeira a menos grave) desencadeará um conjunto distinto de medidas e políticas de segurança, como a abertura de piscinas e parques aquáticos municipais, ou a ativação de agentes comunitários de saúde que irão controlar os idosos e outras pessoas em risco.

Dar um nome às ondas de calor também revela uma realidade importante: estes já não são fenómenos meteorológicos "anormais".

Há séculos, que as tempestades, tornados e furacões  têm nome, mas o Centro Nacional de Furacões dos EUA só começou a dar nomes oficiais aos ciclones tropicais na década de 1950.

A prática é particularmente útil quando duas tempestades estão a ocorrer ao mesmo tempo, e pensa-se que aumenta a consciencialização e ajuda a preparar os sistemas meteorológicos que se aproximam.

No entanto, faltam dados científicos sobre se a atribuição de nomes às tempestades ajuda a salvar vidas.

"O Serviço Nacional de Meteorologia não tem conhecimento de qualquer investigação ou prova que sugira que a atribuição de nomes às ondas de calor possa aumentar a sensibilização para os riscos relacionados com o calor", disse Kimberley McMahon, gestora do programa de serviços meteorológicos públicos do National Weather Service dos EUA , ao The Guardian. No entanto, a especialista admite que os avisos precoces podem ajudar as pessoas a prepararem-se para condições meteorológicas extremas.

Outros locais onde se pensa em dar nomes às ondas de calor

O estado norte-americano da Califórnia também está a introduzir novas leis para designar as ondas de calor, depois de a sua seca recorde ter entrado no terceiro ano em 2022. O estado ocidental registou o verão mais quente de que há registo em 2021, seguido do início de ano mais seco de que há registo.

De acordo com o Serviço Nacional de Meteorologia, as mortes relacionadas com o calor são agora o maior assassino climático nos EUA. São responsáveis por mais mortes todos os anos do que qualquer outro padrão climático extremo - incluindo inundações, furacões e tornados.

Canva
IncêndioCanva

Todos os anos morrem, em média, 138 cidadãos americanos devido ao calor extremo. Os investigadores esperam que a atribuição de um nome às ondas de calor sensibilize o público para os seus perigos e causas ambientais.

PUBLICIDADE

Para além da atribuição de nomes, o estado norte-americano está também a tentar classificar as suas ondas de calor para que as pessoas estejam conscientes da gravidade dos sistemas meteorológicos que se aproximam. Este é o primeiro estado do país a implementar um sistema deste género.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Porque está tanto calor na Europa?

Onda de calor marinha atinge as ilhas britânicas

Onda de calor no México: Centenas de aves "mortas à fome" pelo El Niño