EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

A fonte da juventude: viver perto de um espaço verde pode reduzir a sua idade biológica em 2,5 anos

Um novo estudo descobriu que viver perto de espaços verdes pode torná-lo biologicamente mais jovem.
Um novo estudo descobriu que viver perto de espaços verdes pode torná-lo biologicamente mais jovem. Direitos de autor Canva
Direitos de autor Canva
De  Charlotte Elton
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Viver perto de um parque pode torná-lo "mais jovem" do que a sua idade real?

PUBLICIDADE

Está à procura de uma fonte de juventude?

Se é o caso, então pare de desperdiçar dinheiro em cosméticos caros e passe mais tempo nos parques.

Um novo estudo revelou que ter acesso a parques e jardins comunitários no seu bairro pode retardar o envelhecimento biológico.

Uma equipa de investigação conjunta espanhola e americana concluiu que as pessoas que vivem perto de espaços verdes são, em média, 2,5 anos mais jovens do ponto de vista biológico do que as que não vivem perto de espaços verdes.

"Viver perto de mais espaços verdes pode ajudá-lo a ser mais jovem do que a sua idade real", afirmou Kyeezu Kim, o principal autor do estudo e bolseiro de pós-doutoramento na Feinberg School of Medicine da Northwestern University.

"Acreditamos que as nossas descobertas têm implicações significativas para o planeamento urbano em termos de expansão da infraestrutura verde para promover a saúde pública e reduzir as disparidades de saúde.”

Como é que os cientistas medem a idade biológica?

O novo estudo investigou o impacto dos parques na idade biológica.

A equipa analisou um tipo de modificação química do ADN conhecida como "metilação". A "metilação" é um processo químico que ocorre no nosso ADN.

Certos padrões de metilação do ADN tendem a mudar à medida que envelhecemos, e estas alterações podem ser utilizadas para estimar a idade biológica de uma pessoa a nível molecular - algo conhecido como "relógio epigenético".

Ao verificar este relógio, os cientistas conseguem prever as possibilidades de uma pessoa poder vir a sofrer um ataque cardíaco, de cancro ou declínio cognitivo.

Como é que visitar um parque atrasa o relógio epigenético?

Kyeezu Kim e a sua equipa analisaram as moradas de 924 pessoas em quatro cidades dos EUA ao longo de 20 anos - de 1986 a 2006 - para determinar a proximidade das suas casas em relação à vegetação e aos parques.

Emparelharam estes dados com amostras de sangue colhidas durante o mesmo período de tempo, controlando outras variáveis como a educação, o rendimento e fatores de risco como o tabagismo.

Os resultados são claros. Um grupo de inquiridos vivia em endereços rodeados por 20% de vegetação num raio de 5 quilómetros. Eram cerca de 2,5 anos biologicamente mais velhos do que aqueles cujas casas estavam rodeadas por 30% de vegetação.

canva
Green spaces can reduce your biological age, a new study has found.canva

Um maior número de interações sociais e o aumento do exercício físico são parcialmente responsáveis por esta disparidade na idade biológica, afirmaram.

De acordo com os autores do estudo, a ligação entre o envelhecimento epigenético e os espaços verdes foi ainda mais forte nas pessoas de bairros desfavorecidos.

Que outros benefícios para a saúde têm os espaços verdes?

Os benefícios para a saúde de visitar a natureza urbana estão bem documentados.

De acordo com um estudo finlandês publicado em janeiro deste ano, visitar espaços verdes reduz em um terço e um quarto, respetivamente, as probabilidades de um residente da cidade ter de tomar medicação para a asma ou para a tensão arterial elevada.

PUBLICIDADE

Frequentar o parque também pode reduzir drasticamente a utilização de medicamentos para a saúde mental, fazendo-a cair 33%.

"Este estudo fornece informações valiosas que os planeadores urbanos e os decisores devem ter em conta, especialmente nos debates em curso sobre estratégias de habitação", afirmou Mirjam Schindler, professora de Geografia Humana na Universidade Victoria de Wellington.

"A proximidade de espaços verdes é fundamental para desbloquear os seus efeitos na saúde, incluindo o potencial para retardar o envelhecimento epigenético."

Os espaços verdes são ótimos para o planeta

Os espaços verdes são cada vez mais importantes à medida que o planeta aquece.

As zonas urbanas funcionam como "ilhas de calor" durante o verão, porque o betão e o asfalto absorvem os raios solares. Durante as vagas de calor, a temperatura em Paris pode subir até 10 graus Celsius mais do que nas zonas rurais circundantes.

PUBLICIDADE

O número de pessoas que vivem nas cidades também é cada vez maior. Mais de metade da população mundial vive atualmente em zonas urbanas e prevê-se que esta percentagem aumente para 68% até 2050.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

'Liberdade individual' vs 'bem comum': Zonas de baixas emissões mostram o impacto da UE na nossa vida quotidiana

Apenas sete países respiram ar considerado limpo. Três deles situam-se na Europa

Das inundações aos incêndios: Como verificar se uma casa é resistente ao clima