EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Cidades afundadas e cenas de naufrágio podem ser vistas em 3D sem precisar de mergulhar

Em parceria com The European Commission
Cidades afundadas e cenas de naufrágio podem ser vistas em 3D sem precisar de mergulhar
Direitos de autor Illustration: Euronews
Direitos de autor Illustration: Euronews
De  Denis Loctier
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Tecnologia permite ver pormenores como os organismos biológicos que colonizaram os artefactos quando estes estavam no fundo do mar

Todos os anos cerca de cem mil turistas visitam as ilhas italianas Tremiti, poucas dezenas de quilómetros a sudeste da "bota". Mas muitos perdem uma das atrações mais interessantes: os sítios arqueológicos subaquáticos.

Uma equipa de investigadores, dirigida por Fabio Bruno, professor adjunto na Universidade de Calábria, tem como missão desvendar estes tesouros escondidos, que não estão acessíveis a todos. É necessário fazer mergulho para contemplar o património cultural subaquático.

Bruno salienta, então, que "é fundamental utilizar tecnologias multimédia que permitam ao público em geral conhecer estes locais e compreender a sua importância".

"CREAMARE" é o nome do projeto europeu que o professor lidera. A equipa inclui arqueólogos, historiadores e especialistas em tecnologia informática.

O seu objetivo é, através de um modelo 3D altamente detalhado, tornar acessíveis sítios arqueológicos subaquáticos, como os destroços do navio "Lombardo".

Euronews
A equipa do projeto europeu "CREAMARE" explora os destroços do barco "Lombardo".Euronews

O barco a vapor do século XIX foi muito importante no movimento italiano do Ressurgimento. Afundou-se e perdeu-se há mais de 160 anos. Os destroços só foram descobertos no início dos anos 2000.

Os investigadores utilizam o método da fotogrametria: tiram uma série de fotografias com uma câmara protegida por uma caixa, que são depois usadas para gerar o modelo 3D.

Assim, a tecnologia ajuda a aproximar o público destes pedaços de história e cultura escondidos no fundo do mar.

Ver artefactos ao pormenor sem lhes tocar

Os museus estão a utilizar cada vez mais as novas tecnologias para melhorar as exposições. É o caso da Superintendência Nacional do Património Cultural Subaquático, em Taranto, cidade na costa sul de Itália. 

A repartição, liderada pela arqueóloga Barbara Davidde, tem uma nova coleção de cerâmica coríntia, do século VII a.C., que foi descoberta a 780 metros de profundidade no Mar Adriático.

Um grande ecrã interativo permite aos visitantes examinar modelos fotogramétricos destes artefactos.

Os visitantes podem ampliar a forma 3D do objeto e ver os detalhes da técnica de execução ou dos organismos biológicos que colonizaram os achados quando estes estavam no fundo do mar.
Barbara Davidde
Superintendente Nacional do Património Cultural Subaquático (Itália)

É ainda possível visitar um sítio arqueológico na exposição graças à realidade virtual, o que Davidde acredita ser muito valioso. "Quando experienciamos a exploração subaquática, mesmo virtual, tiramos mais prazer da visita e recordamos melhor o que vimos e o que aprendemos", sublinha.

Turismo como solução, e não problema

As experiências tecnológicas imersivas podem ajudar a promover um turismo mais ecológico.

Em Malta, por exemplo, os turistas enchem os grandes hotéis, os cruzeiros e a vibrante vida noturna, muitas vezes perdendo as maravilhas naturais do país.

Um dos monumentos históricos a não deixar passar são os templos megalíticos de Ħaġar Qim, que remontam há 5 mil anos. Aqui pode ver em ação o projeto europeu "CORALLO", liderado por Alan Deidun, embaixador de Malta para os Oceanos.

Robôs androides, óculos de realidade virtual e outras ferramentas interativas no museu despertam o interesse dos turistas pela biodiversidade marinha e pelo ecoturismo.

O projeto trabalha ainda com grupos locais que organizam atividades marinhas amigas do ambiente, em locais naturais protegidos. A "Get Out and Kayak" está entre esses parceiros.

Arthur Quintano, cofundador da associação, acredita no ecoturismo. "Queremos que as pessoas naveguem no mar, com pouca ou nenhuma pegada de carbono. Para nós, é importante ensinar a respeitar o mar", esclarece.

Efetivamente, os turistas podem ser parte da solução, e não do problema.

“Acredito muito na ligação com a natureza, em ajudá-la, fazendo coisas simples como recolher lixo do mar", conta uma turista a bordo de um caiaque da organização.

Outras fontes • Verónica Romano (voz e tradução)

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas

Defesa dos mares. O que protegem os países debaixo de água?

O mar e a saúde humana: Riscos e benefícios