Como é que os meteorologistas registam as ondas de calor?

A meteorologista Tamsin Green verifica uma estação meteorológica na Alemanha
A meteorologista Tamsin Green verifica uma estação meteorológica na Alemanha Direitos de autor Weather & Radar
De  Hannah Brown
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Falámos com a meteorologista da Weather & Radar, Tamsin Green, sobre a forma como são registados os recordes meteorológicos.

PUBLICIDADE

Este verão, as manchetes têm estado repletas de notícias sobre ondas de calor recorde.

Nos dias 4 e 5 de julho, o planeta registou os dias mais quentes de sempre**.** Mas já alguma vez se perguntou como é que registamos estas temperaturas e as verificamos como recordes?

Falámos com a meteorologista Tamsin Green para descobrir.

Como é que verificamos os recordes de calor?

Em todo o mundo, o tempo é registado de várias formas, monitorizando não só o calor, mas também a pressão, a humidade, a velocidade do vento e a precipitação.

Os dados são recolhidos a partir de equipamentos como estações meteorológicas, balões meteorológicos, bóias no oceano e satélites.

A Organização Meteorológica Mundial (OMM) estabelece normas rigorosas para estes instrumentos, a fim de garantir que os dados são medidos da mesma forma em todo o mundo.

"Os sensores de temperatura têm de estar dois metros acima do solo, num terreno plano, sem estarem perto de árvores ou edifícios. Têm de estar numa caixa branca, ventilada e protegida, para não serem afetados pela luz direta do sol ou algo do género, e são pintados de branco para refletirem o sol", explica Tamsin, meteorologista da Weather and Radar.

Canva
Uma estação meteorológica oficialCanva

O que pode ser mais surpreendente é o tempo que demora a verificar um recorde de temperatura.

A temperatura mais quente alguma vez registada em Itália ocorreu em agosto de 2021, mas só foi oficialmente verificada como recorde em 17 de julho de 2023. Mas porquê?

Cada país tem o seu próprio serviço meteorológico nacional, que é responsável pelas estações meteorológicas do seu território. A OMM tem cerca de 11 000 estações meteorológicas em todo o mundo.

Quando um serviço meteorológico pensa que pode ter um recorde, envia os seus dados em bruto para a OMM.

"A OMM tem peritos que examinam estes dados em bruto e têm de avaliar todos os aspetos, incluindo o tipo de instrumentos utilizados, o ambiente, os procedimentos de calibração e os erros."

"Também examinam os dados das proximidades para comparação, porque se uma estação meteorológica regista 45°C e outra a cinco quilómetros de distância regista 25°C, isso parece obviamente errado", diz Tamsin.

Como é que sabemos que os dias 4 e 5 de julho foram os mais quentes de sempre?

Os dias mais quentes do planeta registados a 4 e 5 de julho bateram um recorde ligeiramente diferente e, por isso, foram verificados de forma diferente do recorde de um único país.

"Os dados foram retirados do Centro Nacional de Previsão Ambiental dos EUA e, de acordo com esses dados oficiais, verificaram que esses dois dias são os mais quentes de que há registo, porque consideram a média global de todas as estações meteorológicas oficiais e verificam que, obviamente, essa média bateu os recordes", explica Tamsin.

Portanto, não se trata de uma estação meteorológica em particular, não se trata de dizer que esta estação meteorológica na Flórida atingiu os 40°C. É o mundo inteiro".

O que significa a minha previsão meteorológica?

Como meteorologista, Tamsin é uma especialista em tudo o que diz respeito ao tempo. Então, qual é o seu conselho sobre como compreender exatamente a previsão que pode ver na televisão ou no seu telemóvel?

Tamsin diz que quando se vê uma temperatura na previsão, essa é a temperatura do ar (medida 2 metros acima do solo), não a temperatura do solo, que é muitas vezes consideravelmente mais quente.

PUBLICIDADE

Por vezes, vemos a "sensação térmica" que, segundo Tamsin, é um termo menos meteorológico e serve apenas para nos ajudar a perceber o que estamos a enfrentar (e, muitas vezes, o que vamos vestir).

"Tem em consideração não só a temperatura do ar, mas também o frio do vento, o índice de calor, coisas desse género", diz Tamsin.

"Pode acontecer que, no inverno, se olhe para a previsão do tempo e se diga que estão 10°C lá fora, mas pode estar a soprar um vento norte muito forte e frio, que fará com que essa temperatura pareça muito mais fria do que realmente é."

Ao longo dos últimos anos, tem havido muita especulação sobre o significado real da informação sobre a percentagem de chuva.

Apesar de um vídeo popular (e incorreto) do TikTok que circulou, Tamsin confirma que a percentagem é a probabilidade de chover nessa área, e não a percentagem dessa área que irá receber chuva.

PUBLICIDADE

"No caso dos aguaceiros, é incrivelmente difícil determinar com exatidão o seu momento e a sua localização."

"Se houver uma banda frontal de chuva a aproximar-se, é possível identificar mais claramente a altura em que ela chegará, porque é mais dinâmica. Os aguaceiros surgem, formam-se e dissipam-se em períodos de tempo muito curtos, a maior parte das vezes em áreas muito localizadas."

O maior conselho de Tamsin quando se olha para a previsão do tempo é não deixar que um ícone no seu smartphone dite o dia inteiro.

"Esse ícone não conta a história toda. É muito fácil ver um ícone de chuva e pensar que todo o meu dia é um dia de chuva. E não é necessariamente esse o caso."

"Pode acontecer que tenhamos algumas horas de chuva durante a manhã, que depois se dissipem e que, no resto do dia, tenhamos céu soalheiro, temperaturas a subir e uma melhoria. Por isso, é muito difícil captar a essência do que está realmente a acontecer através de um único ícone e de um único valor de temperatura".

PUBLICIDADE

Veja o vídeo acima para saber mais sobre a forma como são monitorizadas as ondas de calor.

Editor de vídeo • Hannah Brown

Outras fontes • Additional b-roll from AP & AFP

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Recorde de temperaturas máximas pela Europa

Inundações na região central da Grécia provocadas por chuvas torrenciais

Quer trabalhar sempre em casa? O clima pode ser a sua melhor desculpa