Invernos acima dos -8°C ameaçam abastecimento de água na Europa

O rio Vístula, na Polónia, no inverno.
O rio Vístula, na Polónia, no inverno. Direitos de autor Canva
De  Seth Borenstein and Brittany Peterson com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A camada de neve na Europa está a desaparecer à medida que os invernos aquecem.

PUBLICIDADE

Segundo um novo estudo, as bacias hidrográficas de todo o mundo que outrora eram regularmente cobertas de neve estão cada vez mais a ver a sua massa de neve diminuir e a culpa é das alterações climáticas.

"Muitas das bacias mais populosas do mundo estão a pairar no precipício de um rápido declínio da neve", concluiu o estudo sobre as quantidades de neve desde 1981, publicado na quarta-feira na revista Nature.

O estudo encontrou um limiar fundamental para o futuro dos montes de neve no hemisfério norte: -8°C. Nos locais onde a temperatura média do inverno é mais fria do que isso, o manto de neve sobrevive muitas vezes por ser suficientemente frio. Mas as zonas com temperaturas médias de inverno superiores a -8ºC tendem a ver as suas maravilhas de inverno derreter. E isso está a acontecer rapidamente.

"Estamos potencialmente num regime de perdas muito rápidas e aceleradas com o aquecimento", afirma o autor principal Alexander Gottlieb, um cientista de sistemas terrestres do Dartmouth College, nos Estados Unidos.

O que é o manto de neve e porque é importante?

A maioria dos estudos anteriores debruçou-se sobre a cobertura de neve, que é uma medida simples do facto de o solo ter ou não neve. Esta última investigação analisou a camada de neve, uma medida mais abrangente que inclui a profundidade e a quantidade, no seu pico geral em março.

O manto de neve da primavera é essencial para o fornecimento regular de água potável e de irrigação a milhares de milhões de pessoas, sendo que derretimentos maiores e mais precoces causam problemas.

Elizabeth Burakowski, cientista de sistemas terrestres da Universidade de New Hampshire, que não participou na investigação, afirma que o estudo mostra "sem margem para dúvidas que os seres humanos são responsáveis pelo declínio da camada de neve em dezenas de bacias hidrográficas do Hemisfério Norte" e que o degelo da neve "aumentará com cada grau".

"O estudo demonstra que o futuro da nossa neve depende do caminho que tomarmos para agir sobre o clima", escreve Burakowski num e-mail.

O que está a provocar o desaparecimento da neve?

Gottlieb e Justin Mankin, cientista climático de Dartmouth, examinaram 169 bacias hidrográficas do hemisfério norte, encontrando uma tendência significativa de 40 anos de descida em 70 das bacias hidrográficas, uma tendência de aumento numa dúzia e nenhuma tendência nas outras.

Em 23 desses blocos de neve em declínio, Mankin e Gottlieb, utilizando variações de técnicas científicas padrão, conseguiram demonstrar que as alterações climáticas contribuíram claramente para o degelo. Em oito bacias hidrográficas, todas na fria Sibéria oriental, descobriram que as alterações climáticas contribuíram para a acumulação de neve, uma vez que a precipitação aumentou mas as temperaturas mantiveram-se suficientemente baixas para a preservar.

A Europa e a América do Norte estão a sofrer algumas das maiores perdas de neve na primavera, incluindo as bacias dos rios Neva e Don na Rússia; o Dnieper na Rússia, Bielorrússia e Ucrânia; o Vístula na Polónia; e o Danúbio, que atravessa ou faz fronteira com a Alemanha, Áustria, Eslováquia, Hungria, Croácia, Sérvia, Roménia, Bulgária, Moldávia e Ucrânia.

Inverno no rio Danúbio.
Inverno no rio Danúbio.Canva

Nos EUA, as bacias hidrográficas mais afetadas são a do Grande Lago Salgado, no Utah, a do Merrimack, em New Hampshire e Massachusetts, a do Connecticut, a do Susquehanna, em Nova Iorque e Maryland, a do Hudson, em Nova Iorque, e a do Delaware.

Um bom exemplo da redução da camada de neve é o curso superior da bacia do rio Colorado, no Colorado e em partes do Wyoming, diz Gottlieb. Ali, a temperatura média no inverno é de cerca de -5°C, aparentemente suficientemente fria para nevar porque está abaixo de zero, mas não é bem assim, diz ele.

"Este é um local onde começámos a ver estes tipos de perdas aceleradas começarem a surgir", diz Gottlieb. "Vemos esta imagem muito clara da perda antropogénica de neve nas florestas nos últimos 40 anos ou mais."

Gottlieb e Mankin documentaram as impressões digitais do aquecimento provocado pelo homem, utilizando o método padrão de atribuição climática que consiste em comparar o que aconteceu nos últimos 40 anos de um mundo em aquecimento real com milhares de modelos informáticos que mostram o que aconteceria a estas bacias hidrográficas num planeta fictício sem alterações climáticas.

Os locais mais frios do que -8ºC representam 81% da massa de neve do Hemisfério Norte, mas não albergam muitas pessoas, apenas 570 milhões, diz Mankin. Mais de 2 mil milhões de pessoas vivem em zonas onde o inverno tem uma média de temperaturas entre -8 e 0°C, diz ele.

A camada de neve deverá alterar-se a um ritmo cada vez mais rápido

O que é fundamental, especialmente para o abastecimento de água, é que "à medida que o aquecimento acelera, a mudança da camada de neve vai acelerar muito mais rapidamente do que tem acontecido", diz Daniel Scott, um cientista da Universidade de Waterloo que não esteve envolvido no estudo.

Isto porque o que está a acontecer não é gradual. Acima de uma determinada temperatura, o degelo move-se rapidamente. Abaixo dessa marca de -8ºC, está suficientemente frio para que a humidade extra no ar resultante das alterações climáticas possa resultar em mais neve e aumentar o volume de neve, algo que Gottlieb e Mankin dizem ter observado na Sibéria Oriental.

PUBLICIDADE

Esse limiar de -8ºC "diz-nos mais claramente qual o risco que existe e onde", diz o cientista do gelo da Universidade do Colorado, Waleed Abdalati, um antigo cientista chefe da NASA que não participou no estudo.

A indústria do esqui é um exemplo de como a economia será afetada

A indústria do esqui - com imagens, por vezes, muito duras de neve fabricada numa paisagem castanha para os foliões de inverno desfrutarem - há muito que é um exemplo fácil de compreender de uma economia que sofrerá com a falta de neve.

Muitas áreas de esqui esperam ansiosamente todos os anos que a Mãe Natureza traga neve suficiente para que os seus teleféricos comecem a funcionar. Outras fecharam completamente depois de as suas épocas terem ficado demasiado curtas.

As maiores montanhas geridas por empresas, como Aspen Snowmass, no Colorado, conseguem funcionar de forma consistente apesar da menor quantidade de neve e dos invernos mais curtos.

"Os dias de abertura e de encerramento permanecem constantes devido à produção de neve, o que demonstra a sua importância", afirma Auden Schendler, vice-presidente sénior de sustentabilidade da Aspen One, a empresa-mãe da Aspen Skiing Company.

PUBLICIDADE

Também investiram na construção de novas pistas de esqui em altitudes mais elevadas, onde a neve é mais fiável do que na base, isolando-as de perdas económicas substanciais - por enquanto.

"Isso não reduz de forma alguma a urgência da necessidade de atuar com força e em escala", afirma Schendler. Aspen Snowmass faz parte de um grupo cada vez maior de áreas de esqui que estão a adotar o ativismo climático como o novo padrão da indústria, reconhecendo a necessidade urgente de fazer pressão para a adoção de políticas favoráveis ao clima, se quiserem existir num futuro de aquecimento.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Segunda-feira Azul": Como combater a tristeza de inverno?

Neve causa o caos nas estradas francesas

Neve, gelo e chuvas fortes paralisam parte da Europa