EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Ano de super-eleições: O que é que os candidatos no Reino Unido, nos EUA e na Austrália estão a planear para o clima?

Com o slogan "Unidade - Contra a extrema-direita - Pela liberdade, para que a Europa continue democrática", um cartaz eleitoral do Partido Verde para as eleições europeias.
Com o slogan "Unidade - Contra a extrema-direita - Pela liberdade, para que a Europa continue democrática", um cartaz eleitoral do Partido Verde para as eleições europeias. Direitos de autor AP Photo/Markus Schreiber
Direitos de autor AP Photo/Markus Schreiber
De  Rosie Frost
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Num ano de eleições importantes, as abordagens às políticas climáticas em todo o mundo variam entre retrocessos, incerteza e falta de concentração nas questões fundamentais.

PUBLICIDADE

Nos últimos anos, a União Europeia lançou uma das estratégias climáticas mais ambiciosas do mundo, o Pacto Ecológico.

No entanto, nas mais últimas eleições para o parlamento europeu, os partidos Verdes perderam lugares, passando do quarto maior grupo para o sexto, tendo obtido 53 lugares.

Os principais partidos que apoiaram o Pacto Ecológico mantêm a sua maioria no novo parlamento, mas o progresso eleitoral dos partidos radicais pode implicar um recuo nas ambições climáticas do bloco.

As novas medidas destinadas a reduzir drasticamente as emissões até 2040 podem suscitar divergências. É provável que seja um dos principais testes do novo parlamento.

A UE não é a única região do mundo que enfrenta uma reação contra as políticas de combate às alterações climáticas.

Num ano de eleições importantes, as abordagens às políticas climáticas em todo o mundo vão desde o retrocesso absoluto até à incerteza e à falta de concentração nas questões fundamentais.

Críticas ao clima e confusão antes das eleições no Reino Unido

No Reino Unido, as abordagens às políticas climáticas do primeiro-ministro Rishi Sunak e do seu adversário, o líder trabalhista Keir Starmer, foram alvo de críticas.

Sunak utilizou o primeiro debate televisivo antes das eleições gerais de 4 de julho para alimentar os receios quanto ao custo da transição para um sistema de emissões zero.

Atacou as iniciativas destinadas a promover as bombas de calor e os automóveis elétricos, bem como as que visam aumentar a quota-parte do Reino Unido nas energias renováveis. O Primeiro-Ministro do Reino Unido afirmou que essas medidas custariam a cada agregado familiar "milhares de libras".

Muitos dos planos de Starmer giram em torno dos planos energéticos, com um aumento inicial de 8 mil milhões de libras (9,5 mil milhões de euros) para a Great British Energy Company.

Os trabalhistas recuaram na promessa de gastar 28 mil milhões de libras (33,2 mil milhões de euros) com o clima no início deste ano e as sondagens mostraram que metade dos eleitores não tem a certeza da posição exata do líder trabalhista em relação às alterações climáticas.

Os resultados de uma sondagem encomendada pelo Greenpeace revelaram que metade dos eleitores não tem a certeza dos planos do Partido Trabalhista em matéria de clima e menos de um terço das pessoas afirma saber o que o partido faria se ganhasse as eleições.

A Greenpeace apelou ao líder trabalhista Keir Starmer para ser mais claro em relação às suas propostas, afirmando que o Partido Trabalhista tem a oportunidade de conquistar os eleitores que querem ação em matéria de alterações climáticas.

Apesar de as alterações climáticas serem consistentemente apontadas como uma das principais preocupações dos eleitores, não parecem estar no topo da agenda dos dois principais rivais nas eleições gerais do Reino Unido.

Promessas climáticas na Austrália

Na Austrália, os eleitores vão às urnas este ano. O primeiro-ministro Anthony Albanese afirmou que o Partido Liberal, na oposição, irá reverter o objetivo do país de reduzir as emissões de gases com efeito de estufa até 2030, caso vença.

PUBLICIDADE

Numa entrevista a um jornal, o líder da oposição, Peter Dutton, rejeitou os planos - que estão consagrados na lei - de reduzir as emissões para 43% abaixo dos níveis de 2005 até ao final da década. Não faz sentido fixar objetivos que não temos qualquer perspetiva de alcançar", afirmou ao The Weekend Australian.

A Autoridade para as Alterações Climáticas da Austrália previu, em novembro passado, que seria possível atingir uma redução de 37 a 42% das emissões.

Anthony Albanese afirmou que a meta podia ser alcançada, alegando que Dutton estava "a afastar-se da ação climática" e que abandonar o objetivo de 2030 significaria "afastar-se do Acordo de Paris".

O Partido Liberal contestou esta afirmação, dizendo que está "absolutamente" comprometido com o Acordo de Paris e que tem um plano para atingir zero emissões líquidas até 2050. O Partido Liberal afirma que estava a chamar a atenção do governo para as promessas que não podia cumprir.

PUBLICIDADE

Tanto o Partido Trabalhista como o Partido Liberal querem mais energia renovável, mas os seus caminhos para o conseguir são diferentes.

Os trabalhistas querem mais energias renováveis, como a solar e a eólica, enquanto o Partido Liberal está a tentar introduzir a energia nuclear na Austrália.

Uma eleição presidencial polarizada nos EUA

As eleições presidenciais nos EUA, no final deste ano, deverão ser palco de abordagens muito mais polarizadas em relação à ação climática.

O Presidente Joe Biden investiu um montante histórico de 300 mil milhões de dólares (280 mil milhões de euros) em iniciativas no domínio das energias limpas e do clima através da Lei de Redução da Inflação. Ao mesmo tempo, tem sido criticado por ações que favoreceram a produção de petróleo e gás.

PUBLICIDADE

Os objetivos de Trump em matéria de política climática não são necessariamente claros, mas durante o seu último mandato, os EUA retiraram-se do Acordo de Paris. Biden tentou reintegrá-lo poucas horas depois de tomar posse como presidente em 2021.

Uma análise da Carbon Brief concluiu que uma vitória de Trump nas eleições presidenciais de novembro poderia levar a mais 4 mil milhões de toneladas de emissões dos EUA até 2030. É o equivalente às emissões da UE e do Japão combinadas ou às dos 140 países com menos emissões do mundo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Precisamos de tecnologia que se inspire na ecologia"

Banco Central Europeu apoia investimentos na ecologia

Christine Lagarde põe ecologia na agenda do BCE