EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Os conflitos e os "media"

Os conflitos e os "media"
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Franck, em Lyon
“A minha questão é sobre o processamento da informação: as notícias de hoje estão repletas com os conflitos na Líbia e todos os problemas que existem no mundo árabe no entanto, o que está a acontecer na Costa do Marfim, por exemplo, é completamente ofuscado… “

Gianni Rufini, Universidade de Iorque

“Esse problema é antigo. Os “media” sempre deram muito ênfase aos conflitos e às respostas internacionais às crises humanitárias.”

“Isso remonta à época da crise no Biafra, que determinou o grande sucesso internacional dos Médicos Sem Fronteiras, até à crise e fome na Etiópia, em 1984-85.”

“Há países que não interessam a ninguém e outros que despertam muito interesse, no Médio Oriente, por exemplo.”

“Qualquer coisa que aconteça no Médio Oriente tem um grande impacto na política internacional e, portanto, é difundido pelos “media”, de uma forma sistemática.”

“Infelizmente, um continente como a África não parece ser muito interessante para os órgãos de comunicação social.”

“A pior crise humanitária, neste momento, é a do Congo – da República Democrática do Congo. Isso é completamente esquecido pelos “media” internacionais. A mesma coisa se passa com a Somália, um país que foi abandonado, há 15 anos, pela comunicação social e pela política internacional. “

“A resposta humanitária depende do impacto humanitário da crise nos “media”. Isto é, obviamente, um grande problema e uma grande responsabilidade para os diretores de jornais e televisões, pois vão tomar a decisão de seguir ou não crise e isso pode decidir a magnitude da resposta humanitária. Em último caso isso pode determinar se há vidas que são salvas ou não “.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

As medidas de segurança aérea no pós-Germanwings

Os direitos dos trabalhadores destacados

A distinção entre MOOC, COOC e SPOC