EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Mina do Barroso ilustra paradoxos do Pacto Ecológico Europeu

Mina do Barroso ilustra paradoxos do Pacto Ecológico Europeu
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Elza Gonçalves
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Das colinas portuguesas que servem de pasto às ovelhas, poderão em breve sair minerais para fabricar baterias e servir a estratégia de descarbonização da economia europeia.

A região do Barroso, no norte de Portugal, ilustra os paradoxos do Pacto ecológico Europeu.

Das colinas que servem de pasto às ovelhas, poderão em breve sair minerais para fabricar baterias e servir a estratégia de descarbonização da economia europeia. Na aldeia de Covas do Barroso, a euronews falou com Paulo Pires. O pastor português teme que a exploração mineira prejudique o seu sustento.

"Eu sou contra a mina. Acho que não vai trazer nada de bom. É por isso que sou contra. Vai contra tudo o que fiz em toda a minha vida e continuo a fazer, que é pastorícia e andar com o gado", disse à euronews Paulo Pires.

O papel do lítio na transição energética

A União Europeia vê o lítio como uma solução para atingir a neutralidade carbónica. Presente em várias zonas de Portugal, o metal raro permite fabricar baterias para carros elétricos e armazenar energia renovável.

Covas do Barroso poderá ser em breve o epicentro da maior mina de lítio da Europa Ocidental. Mas, a maioria da população é contra a exploração mineira. A Associação Unidos em Defesa de Covas do Barroso foi criada para lutar contra o projeto multimilionário.

Aida Fernandes e Nelson Gomes, criadores de gado, temem que a mina a céu aberto deixe um rasto de destruição, poeira, ruído e poluição.

euronews
euronewseuronews

Estudo de impacte ambiental gera polémica

Graças a petições, campanhas de informação e protestos, o movimento contra a exploração mineira conseguiu o apoio de milhares de pessoas em todo o país.

"Acho que temos todo o direito de impedir que isto vá para a frente e estamos dispostos a tudo. Já demonstrámos que não estamos nesta luta por estar. Queremos preservar e queremos manter este tipo de vida", afirmou Nelson Gomes.

O projeto acaba de receber luz verde da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e aguarda a aprovação final do governo. Mas Aida Fernandes e Nelson Gomes recusam-se a baixar os braços e querem demonstrar que os furos de prospecção no local da mina poderão ter um impacto negativo nas águas subterrâneas.

"É mais uma das nossas preocupações: o que vai acontecer com toda essa água? Porque quando se começa a misturar água com pedra, com terra, é mais uma destruição", lamentou Aida Fernandes.

Para a população, o projeto não faz sentido, tanto mais que, há três anos, a região do Barroso foi classificada como Património Agrícola Mundial.

"Foi aqui que eu e os meus irmãos crescemos a guardar as vacas, é por isso é que para mim ainda tem um significado ainda maior porque conheço essa zona desde muito pequena. E neste momento, saber que vai ser destruída só porque sim, porque se lembraram, para mim, é muito triste. É um desconsolo saber que tudo à nossa volta vai desaparecer", disse Aida Fernandes.

Por outro lado, a população denuncia a falta de transparência do processo, nomeadamente, o atraso na divulgação do estudo de impacte ambiental.

euronews
Aida Fernandes e Nelson Gomes lutam contra a exploração mineira em Covas do Barrosoeuronews

Savannah Resources quer arrancar produção em 2023

A concessão da mina do Barroso foi atribuída à Savannah Resources, que é detida por uma empresa sedeada em Londres. A produção deverá arrancar em 2023 e gerar receitas de 1,3 mil milhões de euros.

"Concebemos um projeto que será sustentável, de acordo com as melhores práticas mundiais, e temos uma série de planos de gestão para lidar com todos os aspectos do desenvolvimento do projeto. Em torno da água, por exemplo, vamos procurar coletar água no local, reciclar a água. Em relação ao tráfego, vamos investir cerca de 6 milhões de euros para construir uma estrada de contorno. E, claro, vamos fornecer a Portugal uma série de oportunidades para desenvolver a jusante a cadeia de valor do lítio", afirmou à euronews David Archer, presidente da Savannah Resources.

euronews
David Archer, presidente da Savannah Resourceseuronews

Comissão Europeia quer diversificar abastecimento de lítio da Europa

O lítio ocupa um lugar central na estrátegia da Comissão Europeia. Bruxelas aposta na mobilidade elétrica e no desenvolvimento de tecnologias digitais. Ursula von der Leyen, Presidente da Comissão Europeia considera que, para ser sustentável, a Europa tem de "diversificar as cadeias de abastecimento do lítio".

Atualmente, a Austrália, a China e o Chile são os maiores produtores mundiais de lítio. A procura deverá aumentar nos próximos anos.

“A Europa precisará de quase sessenta vezes mais lítio, até 2050, só para os carros elétricos e para o armazenamento de energia", sublinhou Maros Sefčovič, vice-presidente da Comissão Europeia e coordenador da European Battery Alliance.

A União Europeia e as grandes indústrias do setor querem desenvolver toda a cadeia de valor do lítio, da extração dos minérios à produção de baterias. O mercado poderá valer 250 mil milhões de euros por ano até 2025. Uma oportunidade que o governo português quer aproveitar.

"Queremos usar o nosso potencial de lítio para nos posicionarmos na cadeia de valor de um elemento crucial na descarbonização", afirmou João Pedro Matos Fernandes, Ministro do Ambiente e Ação Climática de Portugal.

euronews
Estra´tegia de descarbonização da UE passa por armazenar energia de fontes renováveis em baterias de lítioeuronews

O preço da transição energética para o mundo rural

Mas, o discurso do ministro português do Ambiente não convence toda a gente. As organizações ambientais temem que o país se transforme numa vasta mina a céu aberto, já que foram identificadas várias regiões com potencial de extração.

"Nós somos, obviamente, a favor que se acabe com os combustíveis fósseis. Mas também temos que conhecer os verdadeiros impactos dessa nova transição energética. Uma delas é a mineração, a exploração do lítio. O lítio vai ser preciso, mas depois o que fazer com essas baterias e como vai ser a transformação desse lítio? Como ONG ambiental, também temos algumas dúvidas", afirmou Paula Nunes da Silva, Presidente da Quercus.

Depois da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) ter considerado conforme o estudo de impacte ambiental, a próxima fase é a consulta pública. Fernando Queiroga, presidente da câmara de Boticas, considera que o projeto é uma catástrofe para o concelho e diz que fará tudo para travar a exploração mineira.

"95% da população está contra a mina. Porque não temos tanta gente desempregada. Não temos. Virá gente de fora que vem de manhã em carrinhas e vai-se embora ao fim do dia, de outros concelhos. Por isso, isso não traz mais riqueza, vai sim destruir outros empregos que temos no turismo rural, na gastronomia e na agricultura", sublinhou Fernando Queiroga.

Acima de tudo, a população denuncia os paradoxos da transição energética europeia.

"Não sou contra o lítio, quero deixar isso claro, não sou contra o lítio. Mas não sou a favor de poluir a minha aldeia e outras aldeias como a minha, para despoluir as cidades", frisou Paulo Pires.

A Associação Unidos em Defesa de Covas do Barroso aguarda o início da consulta pública que deverá durar 30 dias para prosseguir a luta contra a exploração mineira na região.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Bloqueios de estradas e confrontos entre civis por causa da extração de lítio na Sérvia

Certificação do queijo halloumi suscita controvérsia entre UE, cipriotas gregos e turcos

Peritos alertam para projetos poluidores com rótulo verde