Vladimir Chizhov: "Rússia não tem planos de invadir a Ucrânia"

Vladimir Chizhov: "Rússia não tem planos de invadir a Ucrânia"
Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Embaixador russo junto da União Europeia falou sobre a crise em entrevista à Euronews. Alertou os Europeus para a possibilidade de problemas com o gás e aquecimento

PUBLICIDADE

Para que não restem dúvidas, garantiu o embaixador russo junto da União Europeia, Moscovo não conta invadir a Ucrânia, apesar do reforço da presença militar junto à fronteira entre os dois países.

"A Rússia não tem planos de invadir a Ucrânia ou qualquer outro país. É um 'bluff' criado não pela Rússia, mas antes pelos países que agora estão a espalhar essa mensagem histérica, pela Europa e pelo mundo", sublinhou Vladimir Chizhov.

Em entrevista à Euronews, o embaixador disse que a NATO é mais culpada do que a Rússia, por não respeitar garantias de segurança acordadas verbalmente depois do colapso da União Soviética.

"Ficaria surpresa se visse o arsenal que a NATO deslocou para junto da fronteira russa, já para não falar de bases militares e por aí fora. Acrescentaria a esses fatos, como uma estatística pura, que o número de sobrevoos ao longo das fronteiras russas no Mar Negro, por exemplo, aumentou cerca de 60% no ano passado", acrescentou, durante a conversa com a jornalista Efi Koutsokosta.

A confirmar-se a ofensiva contra a Ucrânia, Moscovo arrisca-se a novas sanções como a suspensão do polémico projeto do gasoduto Nord Stream 2.

Mas o embaixador russo ressalvou que se podem encontrar outros mercados para exportar gás natural e deixou um aviso aos europeus: "Penso que os consumidores europeus devem ser os primeiros a preocupar-se porque eles vão viver sem gás russo relativamente barato e em abundância. Terão que encontrar outros meios de aquecer as suas casas. O inverno ainda não acabou".

Vladimir Chizhov assegura que a Rússia está a trabalhar para encontrar uma solução diplomática para a crise, mas lembra: todas as opções continuam em cima da mesa.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

EUA reforçam apoio à Ucrânia e ameaçam Rússia com gasoduto Nord Stream 2

Crise no Médio Oriente ofusca cimeira da UE dedicada à economia

Quase dois terços dos cidadãos da UE "provavelmente" vão votar nas eleições de junho, segundo uma nova sondagem