This content is not available in your region

UE-Reino Unido: Liz Truss tem sido dura na relação pós-Brexit

Access to the comments Comentários
De  Shona Murray  & Isabel Marques da Silva
euronews_icons_loading
Liz Truss na chegada à sede do Partido Conservador, em Westminster, depois de ganhar a liderança
Liz Truss na chegada à sede do Partido Conservador, em Westminster, depois de ganhar a liderança   -   Direitos de autor  Kirsty Wigglesworth/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved

Bruxelas está a preparar-se para lidar com Liz Truss como futura primeira-ministra do Reino Unido, sendo que era vista como a mais beligerante dos candidatos no que se refere à relação com a União Europeia (UE).

Enquanto chefe da diplomacia britânica, a governante publicou o projeto de lei sobre o Protocolo da Irlanda do Norte, legislação que contesta o acordo juridicamente vinculativo que o Reino Unido negociou com a UE para o Brexit.

"Sabemos que o Reino Unido está numa situação económica difícil. Logo, existe a forte tentação de tentar distrair o público britânico com outra polémica - uma manobra de diversão, digamos - e a União Europeia seria o suspeito habitual. Estou um pouco preocupado com o que se seguirá, mas, no final de contas, será diferente do que acontecia com Boris Johnson? Não tenho a certeza", disse à euronews Phillippe Lamberts, eurodeputado belga dos Verdes.

Guerra na Ucrânia... guerra comercial?

Se Liz Truss mantiver uma abordagem pouco dialogante quando for primeira-ministra, tal poderá levar a uma guerra comercial,porque a UE poderás uspender partes do acordo, como retaliação.

Um cenário nada desejável, já que a guerra na Ucrânia continuará a criar enormes desafios na Europa.

"Penso que há algo na política britânica que está disfuncional e alguns dos efeitos manifestam-se na relação entre o Reino Unido e a UE. Tal dinâmica deveria ser impensável numa altura em que as democracias liberais colaboram para apoiar a Ucrânia na sua luta contra a Rússia. A Rússia está, claramente, a visar toda a democracia liberal, e não apenas a Ucrânia. Parece-me surreal que o Reino Unido não esteja claramente ao lado dos seus aliados", considerou Fabian Zuleg, analista do Centro de Política Europeia.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, congratulou Liz Truss, dizendo que "espera uma relação construtiva no pleno respeito por todos os nossos acordos".