EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Bares e cafés de Bruxelas boicotam Mundial do Catar

Organização do Mundial do Catar tem estado envolta em polémica desde o início
Organização do Mundial do Catar tem estado envolta em polémica desde o início Direitos de autor AP Photo
Direitos de autor AP Photo
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Vários estabelecimentos recusam transmitir jogos por causa, por exemplo, da situação dos direitos humanos no país

PUBLICIDADE

Na contagem decrescente para o arranque do Mundial do Catar multiplicam-se os boicotes de cidades, de cafés, bares, de políticos, personalidades ou de empresas.

É assim também em Bruxelas, com os proprietários de vários cafés a dizerem que não vão instalar ecrãs gigantes como de costume.

Alegam razões éticas, sociais e ambientais polémicas, que ensombram o evento.

"É realmente uma soma de vários fatores, desde a forma como o contrato foi atribuído, a escândalos de corrupção, a escândalos relacionados com a construção dos estádios, à escolha do país. A juntar a isso está o absurdo da atual crise energética, com todas as pessoas a questionar-se como vão pagar as contas, enquanto há um campeonato a decorrer em estádios com ar condicionado no meio do deserto", sublinhou Emmanuel Simonis, proprietário do icónico café Caberdouche, em Bruxelas, em entrevista à Euronews.

Simonis diz que os empregados e os clientes alinharam e que está pronto para sentir o impacto financeiro da perda.

Não é caso único. Em cidades como Paris ou Lille, por exemplo, não haverá as tradicionais fanzones.

A Amnistia Internacional fala em mais de 1,5 milhões de migrantes a trabalhar no Catar, grande parte em condições abusivas e desumanas.

Alguns perderam a vida. Motivos que levaram o Parlamento Europeu a aprovar quatro resoluções de alerta sobre a situação no país.

"Tudo o que envolve o Mundial do Catar é uma confusão. O Catar nunca deveria organizar o evento devido à situação do país em matéria de direitos humanos. Não é uma democracia, é altamente problemático. Temos visto algumas melhorias com os direitos dos trabalhadores migrantes, mas isso não devolve a vida de nenhum daqueles que morreu na construção dos estádios durante os primeiros anos. Não sinto vontade de ver o Mundial, apesar de gostar realmente de futebol", referiu Hannah Neumann, eurodeputada alemã do grupo dos Verdes/Aliança Livre Europeia.

O chefe da diplomacia europeia é uma das personalidades que não estará presente.

Josep Borrell tentou pressionar as autoridades do Catar com vários diálogos sobre direitos humanos, mas os problemas parecem persistir.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Falta apenas um mês para o início do Mundial

Sánchez sobre reconhecimento da Palestina: "Não é uma decisão que adotamos contra alguém"

UE admite rever Acordo de Associação com Israel devido à situação em Rafah