This content is not available in your region

Cidade italiana de Gorica e cidade eslovena de Nova Gorizia passam a estar ligadas por ciclovia

De  Aurora Velez
Cidade italiana de Gorica e cidade eslovena de Nova Gorizia passam a estar ligadas por ciclovia
Direitos de autor  euronews

A cidade italiana de Gorica e as cidades eslovenas de Nova Gorizia e de Šempeter-Vrtojba passaram a estar ligadas por uma ciclovia e uma via pedestre.

A iniciativa faz parte de um projeto europeu que integra construção de um parque urbano transfronteiriço. O projeto visa proteger os espaços naturais em torno do rio Isonzo-Soča e promover a mobilidade sustentável, numa cidade que, em 2004, foi um dos símbolos do alargamento da União Europeia, após décadas de divisão.

"Quando fecharam a fronteira em 1945 e até 1947, não era possível passar de um país para outro e depois havia a cortina de ferro. Este projeto tem a vantagem de ligar todos os pequenos troços de ciclovias que já existem numa única rede, que integra várias ciclovias que vão para a Eslovénia e Itália. Ou seja, não há fronteira, porque podemos estar num lado ou no outro. Ser capaz de o fazer facilmente é obviamente muito mais confortável", contou à euronews, Peter Szabo, um cidadão esloveno que passa na ciclovia várias vezes por dia.

O apoio da Política de Coesão da UE

O projeto de parque urbano transfronteiriço tem um orçamento total de 5 milhões de euros. 85% do montante provém da política de coesão europeia. Os restantes 15% são cofinanciados pela Itália e pela Eslovénia.

Um dos elementos-chave do projeto é a ponte pedonal, inaugurada em Outubro de 2022. Por outro lado, trata-se de aproximar as pessoas do rio. Um rio que tem dois nomes, Isonzo em italiano, Soca em esloveno."O rio Isonzo-Soča é o principal protagonista. Não divide dois países, nem três comunidades. A beleza da iniciativa está nas pessoas. E temos esta ponte que simboliza uma nova orientação europeia, a mobilidade activa", sublinhou Tomaz Konrad, vice-diretor do projeto e coordenador do parque transfronteiriço Isonzo-Soča.

Os produtores de vinho, dos dois lados do rio, estão envolvidos num projeto paralelo, que visa preservar e dar a conhecer o património natural e cultural do território transfronteiriço.

“Além do projeto de ciclovia, nós, produtores, criámos um percurso de caminhadas para visitar os vários miradouros", disse à euronews Martin Fielg, produtor de vinho.

Nova Gorizia, Gorizia e Chemnitz, na Alemanha, terão o estatuto de capitais europeias da cultura em 2025.