EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Bruxelas quer regulamentar novas técnicas genómicas para alimentos

As sementes com organismos geneticamente modificados têm uso muito restrito na UE
As sementes com organismos geneticamente modificados têm uso muito restrito na UE Direitos de autor Matthias Schrader/AP2009
Direitos de autor Matthias Schrader/AP2009
De  Gregoire LoryIsabel Marques da Silva (Trad.)
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

NTG é o acrónimo da expressão novas técnicas genómicas e poderá despertar acesos debates ao nível dos impactos na agricultura e na saúde humana. Até agora falava-se de OGM, o acrónimo para organismos geneticamente modificados, sobre os quais Bruxelas sempre teve uma posição muito cautelosa.

PUBLICIDADE

A Comissão Europeia apresentou, quarta-feira, uma proposta para regulamentar as técnicas científicas mais inovadoras, denomindas Novas Técnicas Genómicas (NTG), para tornar os alimentos mais resistentes às alterações climáticas ou aos parasitas.

Trata-se de uma das medidas abrangidas num pacote para utilização mais sustentável dos solos e dos recursos naturais vegetais, que o executivo comunitário considera "poderem contribuir para aumentar a resiliência da agricultura e dos solos florestais e proteger as colheitas dos efeitos das alterações climáticas, da perda de biodiversidade e da degradação ambiental".

O setor das sementes está satisfeito com a nova postura do executivo comunitário, disse Garlich von Essen, secretário-geral da Euroseeds, em entrevista à euronews: "Poderemos ser muito mais rápidos, poderemos ser muito mais direcionados e, com isso, provavelmente também poderemos ter custos mais baixos".

"Assim, poderemos concentrar-nos na reprodução das sementes e nas característcias que realmente interessam aos agricultores e aos consumidores", acrescentou.

Marketing ou real inovação?

O princípio subjacente às Novas Técnicas Genómicas consiste em alterar os genomas intrínsecos de uma variedade vegetal, sem acrescentar genes de outras espécies. A Comissão Europeia sublinha que esta inovação poderia, por exemplo, reduzir para metade a utilização de pesticidas.

Há alguns anos, o mais alto tribunal da UE tomou uma decisão e disse muito claramente que as novas técnicas genómicas são organismos geneticamente modificadas. Do ponto de vista jurídico, político e científico, está tudo esclarecido.
Mute Schimpf
Ativista, Amigos da Terra-Europa

As organizações ambientalistas criticam o que consideram ser uma campanha de marketing para mudar a posição sobre estas técnicas.

"Há alguns anos, o mais alto tribunal da UE tomou uma decisão e disse muito claramente que as novas técnicas genómicas são organismos geneticamente modificadas. Do ponto de vista jurídico, político e científico, está tudo esclarecido", referiu Mute Schimpf, ativista da organização Amigos da Terra-Europa.

"Até à data, a investigação sobre o seu impacto na natureza e na saúde humana é muito limitada. Concretamente, no que se refere às borboletas, abelhas e outros insetos polinizadores, ainda não foi feita uma investigação exaustiva sobre o seu impacto. Pensamos que, antes de colocarmos NGT na natureza, devemos efetuar algumas verificações básicas de segurança", acrescentou.

Os ambientalistas insistem que devem manter-se a clara rotulagem e os controlos de segurança para que haja transparência total nas escolhas por parte dos produtores e consumidores.

Já a Comissão Europeia recorda que o setor europeu das sementes é o maior exportador no mercado mundial, com uma quota de 20%, onde operam sete mil empresas e que tem um valor estimado de sete a dez mil milhões de euros.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Sistema milenar de agricultura pode ser a chave da sustentabilidade

Portugal envia sementes de milho para a "Arca de Noé" norueguesa

OGM: Investigação alerta para impacto negativo sobre saúde de animais