EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Cimeira UE-América Latina: Lula da Silva empenhado no acordo com Mercosul

O presidente brasileiro teve uma reunião bilateral com a presidente da Comissão Europeia, também na sua atual condição de presidente do Mercosul
O presidente brasileiro teve uma reunião bilateral com a presidente da Comissão Europeia, também na sua atual condição de presidente do Mercosul Direitos de autor Petros Karadjias/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Petros Karadjias/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Isabel Marques da Silva com Lusa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Ao fim de oito anos, realiza-se mais uma cimeira da União Europeia (UE) com os países da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC). A causar maior fricção está a referência ao acordo da UE com o Mercosul, comunidade formada por Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai.

PUBLICIDADE

A UE vai investir mais de 45 mil milhões de euros na América Latina e nas Caraíbas, região com a qual realiza uma cimeira, segunda-feira, em Bruxelas. 

O anúncio foi feito pouco antes de uma mesa redonda de negócios (onde participam líderes de inúmeras empresas dos dois lados do Atlântico), prelúdio do encontro de alto nível, até terça-feira, entre os líderes de 27 países europeus e 33 latino-americanos.

As verbas vão para setores-chave tais como a biotecnologia, as telecomunicações e a energia, nas quais a China é um concorrente de peso da UE e país que já tem muita influência naquela região.

É também nalguns destes países que se encontram grandes reservas de lítio, entre outras matérias-primas essenciais, que a UE quer comprar para poder ter maior autonomia industrial.

"O que queremos discutir hoje é a forma de conectar ainda mais as pessoas e as empresas, de reduzir os riscos, de reforçar e diversificar as nossas cadeias de abastecimento e de modernizar as nossas economias de uma forma que reduza as desigualdades e beneficie todos", referiu Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia, em conferência de imprensa.

"Tudo isto está ao nosso alcance se conseguirmos concluir o acordo UE-Mercosul, e estamos empenhados em resolver quaisquer diferenças que subsistam o mais rapidamente possível", acrescentou von der Leyen, tendo a seu lado o Presidente do Brasil, Lula da Silva, com o qual teve uma reunião bilateral.

Lula promete travar deflorestação  na Amazónia

Lula da Silva (que preside à comunidade do Mercosul neste momento) mostrou também empenhamento em trabalhar na ratificação do acordo comercial UE-Mercosul, que demorou 20 anos a negociar. 

Toda a gente sabe que o Brasil vai fazer a sua parte na questão climática. Temos o compromisso de travar totalmente o desmatamento na Amazónia até 2030.
Lula da Silva
Presidente do Brasil

Mas não deixou de reagir às exigências europeias sobre travar a desflorestação na Amazónia, veiculadas num documento adicional sobre compromissos ambientais, que foi mal recebido em Brasília.

"Toda a gente sabe que o Brasil vai fazer a sua parte na questão climática. Temos o compromisso de travar totalmente o desmatamento na Amazónia até 2030", disse.

"Durante este debate queremos fazer com que a Comissão Europeia entenda que há 50 milhões de habitantes na Amazónia sul-americana que precisam de condições de sobrevivência decentes e dignas", acrescentou o chefe de Estado brasileiro.

O acordo entre UE e os quatro países  também está a ser contestado na Europa pelas suas implicações no setor agrícola, sobretudo pela Áustria e pela a França.

A presidência espanhola do Conselho da UE espera que a cimeira possa levar à ratificação doa cordo até ao final do ano, sendo que este abrange 25% da economia global e 780 milhões de pessoas (quase 10% da população mundial).

Portugal está representado pelo primeiro-ministro, António Costa, que tem encontros bilaterais com os presidentes da Argentina, Brasil, Costa Rica, Chile e Colômbia e com o primeiro-ministro de São Vicente e Granadinas, Ralph Gonsalves, que lidera atualmente a CELAC.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Scholz e Lula confiantes em acordo UE-Mercosul

Von der Leyen tenta concluir acordo UE-Mercosul até final do ano

Começa o julgamento do plano de golpe de extrema-direita na Alemanha