EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Josep Borrell confirma que o cidadão sueco detido no Irão é um diplomata da UE

Josep Borrell, chefe da política externa da União Europeia, confirmou na manhã de terça-feira a identidade do cidadão sueco detido no Irão.
Josep Borrell, chefe da política externa da União Europeia, confirmou na manhã de terça-feira a identidade do cidadão sueco detido no Irão. Direitos de autor European Union, 2023.
Direitos de autor European Union, 2023.
De  Jorge Liboreiro
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

"Não vamos parar" enquanto Johan Floderus não for libertado, afirmou Josep Borell na terça-feira, confirmando a identidade do cidadão sueco detido no Irão.

PUBLICIDADE

Johan Floderus foi detido em abril de 2022 pelas autoridades iranianas e está preso há mais de 500 dias na prisão de Evin, em Teerão.

O cidadão sueco, de 33 anos, é funcionário das instituições da União Europeia, disse o chefe da política externa do bloco.

Os detalhes do caso foram revelados pela primeira vez na segunda-feira pelo New York Times, que informou que Floderus era membro do Serviço Europeu para a Ação Externa (SEAE), o serviço diplomático da UE.

Na sua reação inicial, a Comissão Europeia recusou-se a identificar a pessoa, limitando-se a indicar que se tratava de um cidadão sueco que estava a ser utilizado como "peão por razões políticas" pelo governo iraniano.

Mas, na terça-feira, Josep Borrell, responsável pelo SEAE, confirmou as informações publicadas pelo jornal, afirmando que Floderus tinha sido "detido ilegalmente".

"Quero sublinhar que eu, pessoalmente, toda a minha equipa, a todos os níveis, as instituições europeias, em estreita coordenação com as autoridades suecas, que têm a primeira responsabilidade de proteção consular, e com a sua família, temos pressionado as autoridades iranianas para que o libertem", disse Borell aos jornalistas, enquanto participava numa reunião ministerial em Cádis, Espanha.

"Sempre que tivemos uma reunião diplomática, a todos os níveis, colocámos a questão em cima da mesa. Temos trabalhado incansavelmente pela liberdade do Sr. Floderus. E continuaremos a fazê-lo em estreito contacto com a família, respeitando a sua vontade, e certamente com o governo sueco".

"Isto está muito presente na nossa agenda, no nosso coração, e não vamos parar até que Floderus seja libertado", acrescentou.

De acordo com o New York Times, Floderus já tinha visitado o Irão na sua qualidade de funcionário da UE, mas encontrava-se numa viagem turística privada com amigos no dia em que foi detido.

Floderus foi acusado de "espionagem", uma acusação que pessoas que conhecem o sueco negaram veementemente.

Em declarações ao jornal, a família declarou: "Nós, a família de Johan, estamos profundamente preocupados e desesperados. Johan foi subitamente e sem motivo privado da sua liberdade durante uma viagem de férias e está numa prisão iraniana há mais de 500 dias".

O relatório do New York Times segue-se a uma série de episódios em que o Irão prendeu cidadãos com dupla nacionalidade, com base em acusações criminais amplamente contestadas, e só aceitou libertá-los depois de obter determinadas concessões dos governos ocidentais.

No final de maio, Olivier Vandecasteele, um trabalhador humanitário belga que tinha sido condenado a 40 anos de prisão, foi libertado no âmbito de uma troca de prisioneiros entre a Bélgica e o Irão.

As Nações Unidas descreveram a detenção e o tratamento de Vandecasteele como uma "violação flagrante do direito internacional".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Europa enfrenta diplomacia de reféns no Irão

Ucrânia: bombardeamento em Kherson faz pelo menos dois mortos

Sérvia: Vučić acusa os países ocidentais de quererem atrasar a adesão à UE