Tecnológicas gastam mais de 100 milhões de euros por ano em ações de lobbying digital na UE

Comissão Europeia, Bruxelas.
Comissão Europeia, Bruxelas. Direitos de autor Olivier Matthys/Copyright 2022 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Olivier Matthys/Copyright 2022 The AP. All rights reserved
De  Mared Gwyn Jones
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

O lobbying das empresas tecnológicas em Bruxelas aumentou para 113 milhões de euros por ano, à medida que se intensificam os esforços para influenciar a política digital da UE, de acordo com novos dados publicados na segunda-feira pelas ONGs Corporate Europe Observatory (CEO) e LobbyControl.

PUBLICIDADE

Os últimos números revelam que 651 empresas e associações gastam coletivamente mais de 113 milhões de euros por ano em lobbying digital na UE, um aumento de 16,5% em relação aos 97 milhões de euros em 2021.

As 10 maiores empresas digitais representam sozinhas mais de um terço da despesa total em lobbying, com 40 milhões de euros.

A legislação histórica da UE para limitar o poder das grandes empresas de tecnologia - a Lei dos Mercados Digitais (DMA) e a Lei dos Serviços Digitais (DSA) - e a aprovação pelo Parlamento Europeu da proposta de lei para a inteligência artificial estão a levar as empresas de tecnologia a intensificar o seu poder de lóbi, dizem as ONGs CEO e LobbyControl.

Ambas as ONGs apelam a regras mais rigorosas em matéria de lobbying para fazer face à influência desproporcionada do setor tecnológico.

A análise baseia-se nas declarações anuais feitas pelas empresas no Registo de Transparência da UE. Por conseguinte, os dados apenas retratam uma parte do quadro geral, uma vez que excluem as actividades de lobbying realizadas por empresas de consultoria em nome das empresas.

"O dinheiro não deve comprar o acesso e a influência na tomada de decisões da UE, mas parece ser exatamente isso que estes gigantes digitais pretendem", afirmou Bran Vranken, do Corporate Europe Observatory.

"O seu lobbying não só ameaça diluir fatalmente legislação crucial como a Lei da Inteligência Artificial, como também mina a tomada de decisões democráticas".

De acordo com Alberto Alemanno, Professor Jean Monnet de Direito da União Europeia na HEC Paris e fundador do The Good Lobby, fazer lóbi junto dos reguladores da UE está a tornar-se a "ferramenta preferida" das empresas tecnológicas para lidar com a regulamentação digital cada vez mais exigente da UE.

"O lobbying das grandes empresas tecnológicas difere do de outras empresas porque se caracteriza por gastos excessivos e táticas agressivas", afirmou Alemanno.

"Estas empresas tiram partido da sua experiência, exibindo a sua primazia epistémica - a mensagem é 'nós sabemos melhor como funciona a tecnologia, deixe-nos preocupar com ela e prometemos mantê-lo protegido'", acrescentou.

Meta tem a maior fatura de lobbying em Bruxelas

A Meta, antiga Facebook, é a empresa que mais gasta em lobbying, com 8 milhões de euros por ano, contra 5,75 milhões de euros em 2021.

É seguida de perto pela Apple, que duplicou as suas despesas com lóbi para 7 milhões de euros, contra 3,5 milhões de euros em 2021.

As 6 empresas que mais gastam em lóbi em Bruxelas são:

  1. Meta, 8 milhões de euros
  2. Apple, 7 milhões de euros
  3. Bayer, 6 milhões de euros
  4. Google, 5,5 milhões de euros
  5. Shell, 5,5 milhões de euros
  6. Microsoft, 5 milhões de euros

A Meta também tem o maior número de lóbistas no terreno em Bruxelas, com 17,05 equivalentes a tempo inteiro (ETI), seguida pela Huawei (11 ETI), Intel (10 ETI) e IBM (7,25 ETI).

A Google, a Amazon e a Apple também aumentaram a sua força de trabalho de lobbying em Bruxelas desde 2021.

De todas as empresas que fazem lóbi junto da UE em matéria de política digital, 20% estão sediadas nos EUA, enquanto menos de 1% têm a sua sede na China ou em Hong Kong. Embora as empresas tecnológicas chinesas TikTok (900 000 euros) e Alibaba (600 000 euros) estejam a investir em lobbying na UE, os seus orçamentos continuam muito aquém dos das suas congéneres americanas.

Duas empresas com sede na UE também entraram este ano no top 10 das que mais gastam em lobbying. A espanhola Telefonica aumentou a sua despesa anual desde 2021 de 1,5 milhões de euros para 2 milhões de euros, enquanto a alemã Deutsche Telekom duplicou a sua despesa de 1 milhão de euros para 2 milhões de euros.

De acordo com as ONGs, o crescimento das despesas globais com lobbying e o aumento da concentração do mercado para a indústria tecnológica são preocupantes.

PUBLICIDADE

"As grandes empresas tecnológicas, em particular, têm um número desproporcionado de oportunidades para influenciar a política a seu favor, devido aos seus enormes recursos", afirmou Verena Leyendecker, do LobbyControl.

"Precisamos de regras mais rigorosas para o lobbying em Bruxelas, mas também de uma aplicação ambiciosa da Lei dos Mercados Digitais (DMA) e da Lei dos Serviços Digitais (DSA) da UE. O DMA e o DSA oferecem formas de limitar o poder da Amazon & Co.", acrescentou.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Implicações da nova Lei dos Mercados Digitais

"Estado da União": Escândalos políticos "aquecem" campanha eleitoral

Lei da "influência estrangeira" afasta Geórgia da UE, alerta Charles Michel