EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Camiões de água e águas residuais reutilizadas: como os países da UE combatem a seca?

É visível terra rachada no reservatório de Sau, a norte de Barcelona, Espanha, a 18 de abril de 2023\.
É visível terra rachada no reservatório de Sau, a norte de Barcelona, Espanha, a 18 de abril de 2023\. Direitos de autor AP Photo/Emilio Morenatti
Direitos de autor AP Photo/Emilio Morenatti
De  Graham Keeley
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Espanha, Itália e França estão a ser afetadas pela seca e estão a utilizar vários métodos para aliviar o stress hídrico dos residentes e dos agricultores.

PUBLICIDADE

Os espanhóis têm um ditado que diz que, durante as secas, as árvores correm atrás dos cães.

No entanto, em L'Espluga de Francoli, são as pessoas que estão desesperadas por qualquer sinal de água.

Tal como muitas outras localidades espanholas, este município nas colinas da Catalunha está sujeito a restrições de água desde agosto do ano passado.

Espanha registou o início de ano mais seco desde que há registos na década de 1960, sendo a Catalunha e a região sul da Andaluzia as mais afetadas.

À semelhança de muitos outros países europeus que se debatem com a falta de água, Espanha investiu na forma de enfrentar este problema, com um programa de 12 mil milhões de euros destinado a reutilizar mais água, a construir instalações de dessalinização e a melhorar as infraestruturas hídricas.

"Precisamos de respostas estruturais e de um investimento constante", afirmou a ministra do Ambiente de Espanha, Teresa Ribera, depois de anunciar o pacote de ajuda na semana passada.

As várias vagas de calor que se fizeram sentir em Espanha e em outras partes da Europa este verão aumentaram a evaporação da água e o consumo aumentou.

Os reservatórios em Espanha caíram para 37% dos níveis normais, de acordo com as últimas estatísticas do governo.

Orações, garrafas e camiões de água

Em L'Espluga, o padre Antonio Rosario chegou a pedir ajuda divina para que os céus se abrissem numa cerimónia especial que data do século XVIII. Mas as suas preces ainda não foram atendidas.

As torneiras da cidade estão fechadas entre as 22h00 e as 7h00, tornando impossível limpar, lavar pratos ou tomar um banho. Como muitos espanhóis comem tarde, isto afeta o seu modo de vida.

Durante o dia, as aldeias recolhem água em garrafas ou baldes para terem o suficiente para as necessidades diárias.

Por dia, cerca de dez camiões, cada um com entre 12 e 29 mil litros de água, trazem alívio a uma cidade onde os aquíferos estão a secar.

"Estamos sujeitos a restrições desde agosto do ano passado. O problema é que os lençóis de água subterrâneos estão a secar, pelo que as pessoas que se abastecem nos seus próprios poços serão em breve afetadas", disse Pep Morató, porta-voz da câmara municipal de L'Espluga de Francoli, à Euronews.

As autoridades da Catalunha declararam um "estado de exceção" devido à falta de água. As cidades e aldeias sujeitas a restrições tiveram de baixar o seu consumo por pessoa para 230 litros por dia, contra 250 litros por dia, que era o nível introduzido no que as autoridades chamaram de situação de "pré-alerta."

A água para consumo humano ainda não foi limitada, mas as restrições significam que a rega para fins agrícolas será, em grande medida, proibida e que a utilização para fins industriais e recreativos deve diminuir 25%.

Atualmente, as reservas caíram para 22%, um pouco mais do que em 2008 (20,5%), quando foram enviados para Barcelona navios com água para aliviar a crise.

Constanza Saavedra, do departamento de ação climática do governo catalão, disse que Barcelona não terá de enviar água em barcos, como aconteceu durante a seca de 2008.

"Em comparação com a seca de 2008, geramos mais água dessalinizada, que é aproximadamente o mesmo que um reservatório cheio", disse à Euronews.

PUBLICIDADE

Águas residuais e soluções digitais

Em França, o governo está a planear aumentar a utilização das águas residuais para reduzir o consumo público de água.

O ministro do Ambiente francês, Christophe Béchu, alertou para o facto de a crise da água "ainda não ter passado."

Numa entrevista ao jornal “Libération" publicada na semana passada, Béchu afirmou que, apesar do aumento da precipitação em algumas zonas do país durante o verão, quase dois terços dos lençóis freáticos continuam abaixo das médias sazonais.

Segundo ele, 62% das fontes de água subterrânea estão abaixo das médias sazonais e 18% estão "muito baixas.” De acordo com o Governo, cerca de 1022 comunas em França foram designadas "zonas de catástrofe natural" devido à seca.

As comunas são maioritariamente abastecidas por camiões de água ou por água engarrafada porque a água da torneira não é potável ou as torneiras secaram.

PUBLICIDADE

As zonas mais afetadas foram a bacia mediterrânica, o vale do Ródano e a Bretanha.

Em março, o presidente francês Emmanuel Macron apresentou um plano de poupança de água de 180 milhões de euros para reduzir o consumo em 10% até 2030 e aumentar a reutilização das águas residuais de 1% para 10%. Parte do plano consiste em reparar as fugas que desperdiçam 20% do abastecimento todos os anos.

Em Itália, os agricultores estão a recorrer a técnicas antigas e novas para poupar a produção de produtos básicos como o azeite e o prosecco.

No ano passado, o país sofreu a pior seca dos últimos 70 anos, mas 2023 foi marcado por outro verão sufocante, interrompido apenas por tempestades de granizo no norte.

Andrea Ronca, que cultiva cereais na exploração pecuária da sua família em Mântua, no norte de Itália, utiliza imagens de satélite para saber onde a sua terra é mais seca.

PUBLICIDADE

"Posso ajustar a irrigação a qualquer altura, mesmo a partir do meu smartphone, evitando qualquer desperdício", disse Ronca à Reuters.

A percentagem de terras cultivadas com recurso a ferramentas digitais aumentou para 8% em 2022, face a 6% no ano anterior, enquanto as despesas com tecnologia por parte dos agricultores e dos governos aumentaram para 2,1 mil milhões de euros, face a apenas cem milhões de euros em 2017, de acordo com o Observatório Agroalimentar Inteligente do Politécnico de Milão e da Universidade de Brescia.

Os produtores de vinho estão a utilizar sensores para monitorizar o ar e o solo para medir a temperatura e a evaporação das folhas. Isto ajuda as vinhas a resistir à seca.

Simone Rech, que produz cerca de 250 mil garrafas de vinho espumante Prosecco em Treviso, perto de Veneza, disse que a água da chuva e as águas residuais da lavagem da adega são recolhidas, purificadas e reutilizadas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

2023 deverá ser o ano mais quente de que há registo: A que velocidade os países europeus estão a aquecer?

#TheCube - Desmontar negacionismo sobre a seca

Aumentam preocupações com as propostas económicas dos partidos antes das eleições francesas