EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

2023 deverá ser o ano mais quente de que há registo: A que velocidade os países europeus estão a aquecer?

Um homem deita água sobre si próprio durante uma vaga de calor em Turim, Itália, a 25 de agosto de 2023.
Um homem deita água sobre si próprio durante uma vaga de calor em Turim, Itália, a 25 de agosto de 2023. Direitos de autor REUTERS/Massimo Pinca
Direitos de autor REUTERS/Massimo Pinca
De  Lottie LimbServet Yanatma
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A Europa está a aquecer quase duas vezes mais depressa do que a média global, cerca de 2,2ºC acima da era pré-industrial.

PUBLICIDADE

Os cientistas confirmaram esta semana que o verão de 2023 foi, largamente, a estação mais quente que o mundo alguma vez viu.

"É extremamente pronunciado no gráfico e deixa-me muito nervosa em relação ao que está para vir", diz Samantha Burgess, diretora-adjunta do Serviço Europeu de Monitorização das Alterações Climáticas do Copernicus (C3S).

O verão boreal (hemisfério norte) de junho-julho-agosto registou uma temperatura média de 16,77°C - 0,66°C acima da média para esta época do ano.

C3S/ECMWF
Temperaturas médias globais do ar à superfície para os 30 verões boreais mais quentes (junho-julho-agosto). Fonte: ERA5C3S/ECMWF

"Este é um dos desafios que enfrentamos enquanto cientistas do clima", explica. O novo recorde não está fora do que os cientistas previram para este período, embora se situe no "limite exterior" desse intervalo.

Mas, acrescenta, "o que me deixa nervosa é a dinâmica que podemos ver no sistema".

Para começar, o oceano nunca esteve tão quente. "Se olharmos para o gráfico do calor do oceano, pergunto-me onde vai parar, porque não estamos na altura do ano em que deveria estar no máximo", diz.

C3S/ECMWF
Temperatura global diária da superfície do mar, calculada em média no domínio 60°S–60°N traçado como uma série temporal para cada ano de 1 de janeiro 1979 a 31 de agosto 2023C3S/ECMWF

Em segundo lugar, estamos num ano de El Niño, que tem um impacto de aquecimento nas temperaturas globais.

"Também sabemos que cada El Niño é diferente e que nenhum outro El Niño começou com um oceano tão quente. Por isso, ainda não sabemos quão forte vai ser o evento e estamos a observar com muita atenção nos próximos meses."

2023 está a caminho não só de bater recordes do verão mais quente, mas também de ser o ano mais quente que o mundo alguma vez viu. Atualmente, está 0,01 graus atrás de 2016 para o mesmo período, explica Burgess.

A menos que tenhamos um inverno e um outono extremamente frios, 2023 será o ano mais quente que já tivemos.

"Com este calor no oceano global, 2023 - a não ser que tenhamos um inverno e um outono muito frios - será o ano mais quente que alguma vez tivemos", afirma à Euronews Green.

Mas este verão "o mais quente da nossa vida" poderá ser recordado como um dos mais frios se as emissões não forem urgentemente controladas.

"Com o desenvolvimento do El Niño, é provável que 2024 seja o mais quente de sempre", diz Burgess.

O aquecimento global está a provocar mais fenómenos extremos, como demonstra o verão de um país europeu. A Grécia sofreu incêndios e inundações numa rápida sucessão. No início desta semana, numa região caiu quase o dobro da sua precipitação média anual em dois dias.

Os investigadores descobriram que a cada grau Celsius que a atmosfera aquece aumenta em 7% a quantidade de vapor de água que pode conter.

A Europa está a aquecer mais rapidamente do que a média global

Quando falamos em evitar alterações climáticas descontroladas, limitando o aquecimento global a 1,5ºC - como previsto no Acordo de Paris - o que conta é a média global. Atualmente, o mundo está cerca de 1,2ºC acima dos níveis pré-industriais e, como diz Burgess, "cada fração de um grau é importante".

A Europa está a aquecer mais rapidamente do que a média global, com cerca de 2,2ºC acima da época pré-industrial (cerca de 1850-1900). Este verão, a temperatura média do continente foi de 19,63°C, ou seja, 0,83°C acima da média, o que a torna a quinta estação mais quente do verão.

A nossa proximidade com o Ártico - que está a aquecer cerca de 3-4 vezes mais do que a média global - explica em parte esta diferença. A perda de gelo marinho em torno do Pólo Norte afeta o albedo da região (a sua capacidade de refletir a luz solar), com repercussões também na Europa. Mas há um grande número de razões por detrás das variações globais do aumento da temperatura.

Qual é a diferença entre a temperatura do solo e a temperatura do ar?

O objetivo do Acordo de Paris de manter o aquecimento global em 1,5ºC refere-se à temperatura global do ar.

PUBLICIDADE

Esta "temperatura do ar próxima da superfície" é registada dois metros acima do solo, segundo instruções rigorosas da Organização Meteorológica Mundial (OMM).

Esta temperatura é mais fria do que a temperatura do solo, uma vez que o solo absorve muito mais radiação. A terra também está a aquecer mais rapidamente do que o oceano.

Entre 2013 e 2022, as temperaturas terrestres europeias aumentaram cerca de 2,04 a 2,10°C, de acordo com a Agência Europeia do Ambiente (AEA).

Como é que o aquecimento europeu varia entre países?

O aquecimento global a nível nacional também varia na Europa. A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) publicou recentemente estatísticas sobre as alterações de temperatura na terra, que nos permitem comparar as tendências entre os países europeus.

Neste caso, a base de referência é diferente, uma vez que as estatísticas medem a alteração da temperatura em relação à média de 1951-1980 e não à época pré-industrial.

PUBLICIDADE

Em 2022, a temperatura anual global em terra foi 1,39°C mais quente do que a média de 1951-1980. A Europa registou o maior aumento de temperatura (2,23°C) de todos os continentes no ano passado.

Em 22 dos 41 países europeus incluídos nos dados, as temperaturas subiram mais de 2°C. Em termos de temperatura do ar, o verão de 2022 foi o mais quente de que há registo na Europa, devido a um número significativo de ondas de calor.

França registou o maior aumento da temperatura terrestre em 2022

Em 2022, a variação anual da temperatura em terra, em comparação com o valor de referência de 1951-1980, variou entre 1,04 °C na Grécia e 2,93 °C em França e no Luxemburgo.

A Bélgica, a Suíça, os Países Baixos e a Alemanha também registaram aumentos da temperatura terrestre superiores a 2,5°C.

Porque é que há tanta variação de temperatura ao longo dos anos?

A variabilidade natural do sistema significa que a dimensão da variação anual da temperatura varia todos os anos em cada país.

PUBLICIDADE

Enquanto o aumento da temperatura terrestre foi de 2,26°C na UE em 2022, foi de apenas 1,54°C em 2021. A França esteve abaixo da média da UE em 2021, enquanto registou o maior aumento em 2022.

Mas a tendência a longo prazo é muito clara.

Temperaturas têm vindo a aumentar há 38 anos consecutivos em Itália

O número de anos consecutivos em que a temperatura em terra foi superior à média de 1951-1980 tem vindo a aumentar em cada país. Este facto é preocupante para os cientistas do clima.

Em 2022, variou entre 12 anos no Reino Unido, Suécia, Noruega, Irlanda e Dinamarca e 38 anos em Itália e Malta. Em Portugal e Espanha a temperatura tem vindo a subir há 29 anos.

A maioria dos países registou o seu último declínio anual de temperatura em 1996 ou 1997. A temperatura do solo tem vindo a aumentar em todos os 41 países europeus selecionados desde 2011.

PUBLICIDADE

Em 2022, a Europa registou o sexto ano da última década com aumentos do aquecimento da terra superiores a 2°C, em média.

Maiores subidas e descidas das temperaturas terrestres anuais na Europa

Analisando as alterações registadas nas últimas quatro décadas, o aumento anual da temperatura da terra ultrapassou os 3°C em sete países. Esta situação verificou-se sobretudo nos países da Europa de Leste em 2020, quando uma grande vaga de calor assolou o continente.

A Rússia registou a maior variação de temperatura, com 3,69°C, seguida da Estónia (3,63°C) e da Letónia (3,55°C).

"A era da ebulição global chegou": Quando é que 1,5°C será ultrapassado?

De acordo com o C3S, o mês de julho de 2023 foi 1,5°C mais quente do que a média pré-industrial. Com base nestes dados, o secretário-geral da ONU , António Guterres, declarou que "a era do aquecimento global terminou" e que "a era da ebulição global chegou".

Embora o limiar global de 1,5ºC tenha sido temporariamente ultrapassado, o Painel Intergovernamental sobre as Alterações Climáticas (IPCC) deixa claro, no seu último relatório de avaliação, que uma quebra significativa será medida em anos e não em meses.

PUBLICIDADE

Os modelos climáticos indicam que é provável que atinjamos 1,5ºC durante um ano inteiro no início da década de 2030. Passados cerca de 20 anos, os cientistas poderão afirmar com segurança que as nossas hipóteses de limitar o aquecimento global a este limiar crítico foram goradas.

Isto deve-se ao facto de as concentrações de gases com efeito de estufa na atmosfera terem aumentado de tal forma que temos agora "um cobertor de gases com efeito de estufa" à volta da Terra que está a reter o calor, diz Burgess.

"Quanto mais cedo os decisores políticos de todo o mundo perceberem que têm de tomar medidas para mitigar os impactos futuros, melhor será o planeta, não só para as pessoas da nossa geração, mas também para as gerações vindouras."

As estatísticas da FAO baseiam-se nos dados disponíveis publicamente Global Surface Temperature Change_, distribuídos pelo_Goddard Institute for Space Studies da NASA_(NASA-GISS)._

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Outubro bate recorde de calor e coloca 2023 na rota para ser o ano mais quente de sempre

Espanha registou 22 mil mortes relacionadas com o calor nos últimos oito anos. Como é que um novo mapa pode ajudar?

Abril bate recordes de temperatura global pelo 11º mês consecutivo. Qual o papel do El Nino?