EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

UE enviou verbas para Tunísia, apesar de Presidente recusar "caridade"

A Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, deslocou-se pessoalmente à Tunísia e encontrou-se com o Presidente Kais Saied para finalizar o memorando.
A Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, deslocou-se pessoalmente à Tunísia e encontrou-se com o Presidente Kais Saied para finalizar o memorando. Direitos de autor Italian Premier Office/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Italian Premier Office/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Jorge Liboreiro
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A Comissão Europeia confirmou a transferência de 60 milhões de euros de apoio orçamental para o Governo tunisino, apesar de o Presidente Kais Saied ter afirmado publicamente que rejeita o dinheiro da "caridade".

PUBLICIDADE

O desembolso faz parte de um envelope financeiro de 127 milhões de euros anunciado no mês passado, com base no memorando de entendimento assinado entre a União Europeia e a Tunísia, em meados de julho.

Os fundos estão divididos em duas vertentes: 60 milhões de euros para apoiar a economia em dificuldades da Tunísia e cerca de 67 milhões de euros para reforçar a gestão das fronteiras e impedir a partida de navios de imigrantes.

Saied, que é conhecido por fazer comentários controversos, rejeitou a oferta, terça-feira, dizendo que era "irrisória" e contrária ao memorando.

"A Tunísia, que aceita a cooperação, não aceita nada que se assemelhe a caridade ou favor, porque o nosso país e o nosso povo não querem simpatia e não a aceitam quando não é respeitada", afirmou Saied, de acordo com um comunicado de imprensa da presidência.

"Consequentemente, a Tunísia recusa o que foi anunciado nos últimos dias pela UE", acrescentou.

As declarações contundentes foram amplamente divulgadas pelos meios de comunicação social e causaram surpresa em Bruxelas, onde o memorando com a Tunísia foi apresentado como um modelo para futuros acordos com países vizinhos para conter os fluxos migratórios.

Na quarta-feira, a Comissão Europeia tentou esclarecer as coisas e confirmou que 60 milhões de euros de apoio orçamental tinham sido pagos à Tunísia sem qualquer indicação de recusa ou reembolso.

"Podemos confirmar que, no início desta semana, a Comissão processou efetivamente o pagamento de 60 milhões de euros em subvenções ao Tesouro tunisino, na sequência de um pedido apresentado pelo Governo tunisino a 31 de agosto", afirmou Ana Pisonero, porta-voz da Comissão Europeia para a Vizinhança e o Alargamento.

O pedido efetuado pelo governo tunisino centrava-se exclusivamente nos 60 milhões de euros que foram posteriormente transferidos, explicou a porta-voz. O dinheiro, no entanto, não provém dos fundos prometidos no âmbito do memorando, mas de um plano previamente aprovado para a recuperação pós-coronavírus.

Comissão Europeia reafirma ajuda

"Tomámos nota do comunicado da presidência tunisina. Penso que compreenderão obviamente que a UE conduz as suas relações com os parceiros através de contactos directos e é exatamente isso que estamos a fazer", disse Pisonero aos jornalistas.

Relativamente aos 67 milhões de euros destinados à gestão da migração, o porta-voz disse que 13 milhões de euros e 8 milhões de euros foram contratados com a Organização Internacional para as Migrações (OIM) e a Agência das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), respetivamente, para ajudar no "regresso voluntário" dos migrantes aos seus países de origem.

"Não há prazo. Estamos a tentar trabalhar o mais rapidamente possível no terreno para cumprir todos os pontos e todos os setores abrangidos pelo memorando. É claro que isto é feito em estreita cooperação com as autoridades tunisinas", disse Pisonero.

A polémica em torno dos comentários de Saied é o mais recente revés no que tem sido até agora uma difícil implementação do memorando de entendimento, que tem apenas quatro meses.

Desde a sua assinatura, o acordo tem sido alvo de intensas críticas por parte do Parlamento Europeu e de organizações humanitárias, que alertaram para os abusos alegadamente cometidos pelas autoridades tunisinas contra os migrantes subsarianos, incluindo casos de expulsões coletivas para a fronteira com a Líbia.

No mês passado, a Provedoria de Justiça Europeia pediu formalmente esclarecimentos sobre o memorando e a inclusão, ou não, de salvaguardas adicionais para garantir o pleno respeito dos direitos humanos.

Saied tem sido fortemente condenado pelas suas opiniões racistas sobre os negros africanos, que descreveu como fazendo parte de um "plano criminoso para alterar a composição da paisagem demográfica da Tunísia". Saied foi ainda mais criticado depois de ter recusado a entradaa cinco deputados do Parlamento Europeu e, semanas mais tarde, ter adiado uma visita oficial de uma delegação da Comissão Europeia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Tunísia devolveu 60 milhões de euros de ajuda da UE

Filhos de presos políticos pedem ao TPI que investigue governo da Tunísia

Migração: UE transfere 127 milhões de euros para a Tunísia