Zelenskyy pede ajuda a Bruxelas para crise com agricultores polacos

O primeiro-ministro polaco, Donald Tusk, à esquerda, e o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, conversam durante a sua reunião em Kiev, na Ucrânia, na segunda-feira, 22 de janeiro de 2024.
O primeiro-ministro polaco, Donald Tusk, à esquerda, e o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, conversam durante a sua reunião em Kiev, na Ucrânia, na segunda-feira, 22 de janeiro de 2024. Direitos de autor AP/Ukrainian Presidential Press Office
Direitos de autor AP/Ukrainian Presidential Press Office
De  Mared Gwyn JonesJorge Liboreiro
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskyy, apelou à Comissão Europeia para intervir no litígio com a Polónia sobre importações agrícolas, que levou a bloqueios na fronteira entre os dois países.

PUBLICIDADE

Enquanto os agricultores polacos bloqueavam, pela segunda semana, a fronteira com a Ucrânia, em protesto contra a concorrência desleal, o presidente ucraniano pediu à Comissão Europeia para intervir na crise, alertando que a Rússia poderá tirar partido das relações tensas entre os dois países.

Volodymyr Zelenskyy instou o primeiro-ministro polaco, Donald Tusk, a participar numa eunião sobre o bloqueio da fronteira, acrescentando que também tinha convidado um representante da Comissão Europeia.

"Temos de preservar a unidade da Europa. Isto é fundamentalmente do interesse da União Europeia", afirmou Zelenskyy, quarta-feira, numa declaração em vídeo.

"Já estamos fartos da presença de Moscovo nas nossas terras. Já tivemos mal-entendidos suficientes. Não nos devemos humilhar uns aos outros, não devemos humilhar os agricultores ucranianos ou polacos", acrescentou.

"Precisamos de unidade. Precisamos de soluções - entre nós, Ucrânia e Polónia, e ao nível de toda a Europa", disse, ainda.

A Comissão Europeia ão confirmou se tinha recebido um convite formal do governo ucraniano, mas um porta-voz admitiu que a situação era "complexa" e "em evolução" e sublinhou que as negociações entre a Ucrânia e os países fronteiriços eram a única forma de encontrar uma solução duradoura. A última reunião técnica teve lugar na terça-feira.

"Estamos a tentar encontrar uma solução que satisfaça, por um lado, o compromisso da Comissão de continuar a apoiar a economia da Ucrânia, incluindo o seu setor agroalimentar, que é de importância sistémica para a sua economia", disse o porta-voz.

"Por outro lado, estamos a tentar encontrar soluções para proteger setores sensíveis do mercado da UE quando há provas de perturbação do mercado. É esse o equilíbrio que estamos a tentar encontrar", acrescentou.

O ministro polaco da Agricultura, Czesław Siekierski, disse ao canal de televisão TVN24 que as conversações em curso com os seus homólogos ucranianos são "muito difíceis" e que se centram em potenciais quotas para a importação de produtos alimentares ucranianos.

"Se a Comissão Europeia não se envolver na resolução deste problema, se este problema não for abordado estrategicamente, a Polónia irá isolar-se dos produtos da Ucrânia, mas estes chegarão ao mercado da Europa Ocidental", afirmou Kołodziejczak.

Disputa de longa data sobre os cereais

As tensões sobre as importações ucranianas têm vindo a crescer na Polónia e noutros Estados-membros do leste da UE, desde abril do ano passado.

A UE levantou os direitos aduaneiros e as quotas sobre uma vasta gama de produtos ucranianos, incluindo produtos agro-alimentares, numa tentativa de ajudar o país a aumentar as suas receitas.

Mas os agricultores de cinco países vizinhos - Polónia, Hungria, Eslováquia, Roménia e Bulgária - queixaram-se de que a medida tinha provocado um excesso de produtos alimentares ucranianos baratos nos seus países, baixando os preços para os produtores locais, ocupando os armazéns e apertando o cinto às famílias das comunidades rurais.

As queixas levaram os governos de Varsóvia e de outras capitais a proibir unilateralmente a venda interna de cereais ucranianos para proteger os agricultores, o que inicialmente provocou indignação em Bruxelas.

Mas com o descontentamento dos agricultores a ameaçar minar a solidariedade da UE para com a Ucrânia e com o voto rural a ser considerado fundamental nas eleições europeias de junho, a Comissão chegou a um acordo temporário que permitia que quatro produtos ucranianos - trigo, milho, colza e sementes de girassol - transitassem pelos países vizinhos, mas sem permanecerem nos seus mercados para consumo interno ou armazenamento.

O acordo chegou ao fim em setembro. No entanto, a Polónia, a Hungria e a Eslováquia desafiaram o consenso europeu e mantiveram as suas proibições, que não são coordenadas e abrangem outras mercadorias para além dos quatro produtos acima referidos.

Donald Tusk, que se tornou primeiro-ministro da Polónia em meados de dezembro, herdou as dificuldades do anterior governo nacionalista para manter a demonstração de apoio à Ucrânia e, ao mesmo tempo, apaziguar os agricultores e os camionistas, que dizem que a sua subsistência foi afetada pela demonstração de solidariedade para com Kiev.

Até à data, o governo de Tusk tem mantido as restrições, causando frustração em Bruxelas. No entanto, a recente onda de protestos de agricultores em toda a Europa despertou o descontentamento, uma vez que os produtores polacos pedem que a proibição de cereais seja alargada à fruta, aos legumes e ao açúcar ucranianos, que, segundo eles, também estão a fazer baixar os seus preços.

PUBLICIDADE

Uma proposta de regulamento da UE, que ainda está a ser discutida, permitiria aos Estados-membros aplicar "medidas corretivas" às importações ucranianas em caso de perturbação do mercado a nível local. O novo regulamento permitiria, igualmente, a reintrodução automática de direitos aduaneiros em caso de aumento dos fluxos comerciais de três "produtos sensíveis" - aves de capoeira, ovos e açúcar.

A Comissão Europeia espera que este novo sistema seja suficiente para convencer a Polónia, a Hungria e a Eslováquia a levantarem as suas proibições unilaterais. Caso contrário, poderá ser intentada uma ação judicial.

"A Polónia mantém o seu bloqueio unilateral às importações da Ucrânia. E é preciso perguntar se isso está a funcionar como previsto", disse um porta-voz da Comissão.

O conflito sobre os cereais, que dura há meses, ameaça afetar gravemente as relações entre os países vizinhos e outros aliados ocidentais. Varsóvia tem apoiado firmemente os esforços de Zelenskyy para resistir à invasão russa e acolheu mais refugiados ucranianos em fuga da guerra do que qualquer outro país da UE.

Mas à medida que o impasse se agrava, o líder ucraniano intensificou a sua retórica. Na sua mensagem de vídeo, Zelenskyy criticou os agricultores polacos que, segundo ele, "despejaram de forma flagrante" cereais ucranianos nas manifestações das últimas semanas.

PUBLICIDADE

"São os cereais que os nossos agricultores e camponeses cultivam com grande dificuldade, apesar de todas as dificuldades causadas pela agressão brutal da Rússia", afirmou Zelenskyy.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Bloqueio de autoestrada na Polónia torna-se permanente

Agricultores polacos bloqueiam centenas de passagens na fronteira ucraniana, Kiev ameaça retaliação

Agricultores polacos voltam à fronteira com a Ucrânia