UE arrisca-se a ser cúmplice da morte de migrantes devido à inação da Frontex, alerta Provedora de Justiça Europeia

A Frontex não tem independência para reagir a situações de emergência no Mediterrâneo, alerta a Provedora de Justiça no seu novo relatório.
A Frontex não tem independência para reagir a situações de emergência no Mediterrâneo, alerta a Provedora de Justiça no seu novo relatório. Direitos de autor Panagiotis Balaskas/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
De  Jorge Liboreiro
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

A Frontex deve retirar-se dos países que não resgatam migrantes no mar ou que violam os direitos fundamentais. Caso contrário, a UE corre o risco de se tornar "cúmplice" das mortes, alertou Provedora de Justiça Europeia num novo relatório.

PUBLICIDADE

As conclusões, divulgadas na manhã de quarta-feira, oferecem um olhar mais atento sobre a relação muitas vezes difícil entre a agência de fronteiras da UE e os 27 Estados-Membros.

O inquérito da Provedora de Justiça foi aberto em resposta ao naufrágio do Adriana em junho de 2023, quando uma embarcação sobrelotada se afundou ao largo da costa da Messénia, na Grécia, e deixou mais de 600 pessoas sem vida ou presumivelmente mortas.

O Observatório não conclui que a Frontex "violou qualquer das regras e procedimentos relevantes", mas observa que a sua capacidade de operar no mar é gravemente prejudicada pela sua conceção, que torna a agência dependente do consentimento e da boa vontade das autoridades nacionais. Consequentemente, a Frontex tem uma margem de manobra limitada para atuar de forma independente, mesmo em casos extremos em que a vida das pessoas está em perigo imediato.

"Existe uma tensão óbvia entre as obrigações da Frontex em matéria de direitos fundamentais e o seu dever de apoiar os Estados-Membros no controlo da gestão das fronteiras", afirmou Emily O'Reilly.

"Cooperar com as autoridades nacionais quando há dúvidas sobre o cumprimento das suas obrigações de busca e salvamento pode tornar a UE cúmplice de acções que violam os direitos fundamentais e custam vidas."

No que se refere ao naufrágio do Adriana, o relatório afirma que a Frontex estava "plenamente consciente" das preocupações que há anos assolam as autoridades gregas, incluindo acusações documentadas de reações sistemáticas. E, no entanto, apesar desse conhecimento, as regras "impediram a Frontex de assumir um papel mais ativo no incidente do Adriana".

A Provedora de Justiça lamenta a falta de directrizes internas da agência para emitir chamadas Mayday, um procedimento internacional para alertar sobre emergências com risco de vida. A Frontex não emitiu um sinal de Mayday quando detetou pela primeira vez o Adriana através de vigilância aérea.

A culpa, no entanto, não é inteiramente atribuída à agência: as autoridades gregas não responderam à mensagem da Frontex em "quatro ocasiões distintas" durante a tragédia e recusaram a oferta da agência de enviar um avião adicional para a área, diz o relatório - Atenas abriu vários inquéritos para esclarecer as circunstâncias do sucedido.

Com base neste e em outros episódios semelhantes, a Provedora de Justiça recomenda que a Frontex "encerre, retire ou suspenda as suas actividades" nos Estados-Membros que persistentemente não cumprem as suas obrigações de busca e salvamento ou violam os direitos fundamentais.

A cooperação da Frontex com a Grécia, que envolve cerca de 500 gabinetes e pessoal do corpo permanente no continente e nas ilhas do mar Egeu, tem sido um tema quente de conversa desde o naufrágio do Adriana. No rescaldo da tragédia, o responsável pelos direitos fundamentais da agência apelou à suspensão das actividades, mas o seu diretor executivo, Hans Leijtens, atenuou a sugestão, afirmando que a decisão tinha de ser "equilibrada".

No seu relatório, Emily O'Reilly adverte que, se a Frontex continuar a trabalhar com os países da linha da frente sem sofrer "mudanças significativas", o compromisso da UE com a proteção de vidas humanas será posto em causa. O'Reilly insta, por isso, o bloco a alterar o mandato legal da agência e a garantir um maior grau de independência.

"A Frontex inclui 'guarda costeira' no seu nome, mas o seu atual mandato e missão estão claramente aquém disso", diz. "Se a Frontex tem o dever de ajudar a salvar vidas no mar, mas faltam-lhe os instrumentos para o fazer, então esta é claramente uma questão para os legisladores da UE".

Além disso, a Provedora de Justiça apela à criação de uma comissão de inquérito independente que possa analisar o elevado número de mortes no Mediterrâneo e a responsabilidade das autoridades nacionais, da Frontex e das instituições da UE.

De acordo com a Organização Internacional para as Migrações (OIM), o número de mortes e desaparecimentos de migrantes no Mediterrâneo tem aumentado de forma constante nos últimos anos: 2.048 em 2021, 2.411 em 2022 e 3.041 até ao final de 2023.

A Frontex estima ter resgatado 43.000 pessoas no mar e devolvido 39.000 migrantes ao seu país de origem em 24 operações em 2023, o ano em que se registaram "os níveis mais elevados de migração irregular desde 2016".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Salvini julgado por recusar desembarque de migrantes: "Orgulhoso do que fiz"

A crise dos migrantes na fronteira franco-italiana

Mais de 1500 migrantes foram resgatados em quatro dias nas costas italianas