EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

É provável que Zaporíjia não expluda, mas a Europa continua a preparar-se para o pior

Um trabalhador de emergência ucraniano com um fato de proteção contra a radiação participa num curso de formação em Zaporizhzhia, Ucrânia, quinta-feira, 29 de junho de 2023
Um trabalhador de emergência ucraniano com um fato de proteção contra a radiação participa num curso de formação em Zaporizhzhia, Ucrânia, quinta-feira, 29 de junho de 2023 Direitos de autor AP Photo/Evgeniy Maloletka
Direitos de autor AP Photo/Evgeniy Maloletka
De  Alessio Dell'Anna
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em italiano

Os ataques à maior central nuclear da Europa, atualmente ocupada pela Rússia, são preocupantes. Mas os especialistas excluem o risco de uma catástrofe

PUBLICIDADE

Enviar drones kamikaze para a central nuclear de Zaporíjia foi uma "loucura", diz à Euronews Robert E. Kelley, antigo inspetor-chefe nuclear da AIEA, a Agência Internacional de Energia Atómica, e antigo cientista do Laboratório Nacional de Los Alamos, no Novo México - o mesmo mencionado no filme Oppenheimer.

No entanto, este tipo de ataques "não tem implicações em termos de segurança. Não há qualquer possibilidade de os reatores explodirem desta forma", afirma.

A AIEA confirmou que não observou quaisquer danos estruturais desde o último incidente, a 7 de abril, mas condenou veementemente o ataque à central.

Zaporíjia pode explodir se houver um apagão prolongado?

No passado, alguns ataques resultaram em cortes de eletricidade.

Isto é muito perigoso, porque sem energia, os reatores nucleares não são arrefecidos, sobreaquecem e podem explodir, como no caso de Chernobyl.

Mas, para Kelley, as hipóteses de acontecer algo semelhante à catástrofe de 1986 "são essencialmente nulas".

"A situação em Chernobyl era muito diferente. Não se tratou de uma explosão nuclear, mas de uma enorme explosão de vapor. O reator foi subitamente ligado à potência máxima. A água no seu interior evaporou-se numa fração de segundo e fez explodir o edifício".

"Os reatores actuais são construídos de uma forma totalmente diferente, com uma tecnologia diferente. Nunca poderá haver um resultado destes".

Vista aérea da central nuclear de Chernobyl, na Ucrânia, local do pior desastre nuclear do mundo, alguns dias após a explosão mortal de 26 de abril de 1986
Vista aérea da central nuclear de Chernobyl, na Ucrânia, local do pior desastre nuclear do mundo, alguns dias após a explosão mortal de 26 de abril de 1986AP Photo

Há dois outros fatores que parecem reduzir o risco em relação a 1986.

Em primeiro lugar, durante os apagões anteriores, o fluxo de energia para arrefecer Zaporíjia provinha de outras fontes, como a vizinha central elétrica a carvão - a maior central térmica da Ucrânia - ou de geradores a diesel.

Além disso, todos os reatores da central de Zaporíjia estão atualmente desligados, ao contrário do reator que explodiu em Chernobyl, que estava totalmente operacional.

A Europa está preparada para uma catástrofe nuclear?

A resposta parece ser afirmativa. Jan Johansson, especialista em planeamento de emergência da Agência Sueca de Segurança Radiológica, disse à Euronews que a cooperação entre os diferentes países aumentou muito desde o desastre de Fukushima, em 2011, onde "reinou a confusão na coordenação da resposta internacional".

O organismo europeu que se ocupa da partilha de procedimentos de segurança entre os diferentes países é o Hercha, o chefe das Autoridades Europeias Competentes em matéria de Proteção Radiológica.

O Hercha tem estado muito ativo em relação à Ucrânia, tentando harmonizar e discutir o plano a aplicar em caso de acidente nuclear", afirma Johansson.

Um soldado russo guarda uma área da central nuclear de Zaporíjia, em território sob controlo militar russo, no sudeste da Ucrânia, 1 de maio de 2022
Um soldado russo guarda uma área da central nuclear de Zaporíjia, em território sob controlo militar russo, no sudeste da Ucrânia, 1 de maio de 2022AP

No entanto, as diretrizes de segurança são geralmente estabelecidas a nível internacional pela AIEA e depois implementadas por cada Estado.

Desde 2007, a UE dispõe de uma organização denominada Grupo Europeu de Reguladores da Segurança Nuclear (EMSREG), que é responsável por verificar a aplicação das normas de segurança. Contudo, em caso de acidente, a resposta inicial cabe sempre ao país onde este ocorre.

Como funciona um plano de segurança para um acidente nuclear?

A resposta a um acidente começa mesmo antes do acidente efetivo. De facto, a preparação é a parte mais importante, diz Johansson.

"O que quer que aconteça, mesmo uma fusão, levará algum tempo a acontecer. Geralmente, se alguma coisa correr mal, ficamos a saber antes de haver uma libertação real de radiação."

PUBLICIDADE

No pior cenário possível, ou seja, uma explosão com libertação de radiação, a área em redor da zona onde ocorre o acidente - denominada Zona de Ação de Precaução - é completamente evacuada num raio de cinco quilómetros.

Uma vez detetado o perigo, toda a população num raio de 25 quilómetros - a Zona de Planeamento de Ação de Proteção Urgente - é alertada através de um sistema de alarmes e sirenes. Todos recebem também uma mensagem de texto, caso não consigam ouvir os alarmes.

Os alarmes soam tanto na rua como nas casas. Todas as casas próximas de uma central nuclear, pelo menos na Suécia, estão equipadas com um recetor de rádio que toca em caso de perigo.

Todas as pessoas num raio de 25 quilómetros devem refugiar-se num local fechado, na sua própria casa, no trabalho ou numa escola, por exemplo.

Uma casa normal deve ser segura, diz Johansson, "mesmo no caso de um grande derrame radioativo". Não há necessidade de ir para um bunker.

PUBLICIDADE

Todos os cidadãos estão também na posse de um comprimido de iodo, que bloqueia a absorção da radiação pela glândula tiroide, evitando assim o risco de cancro da tiroide.

Uma mulher mostra um pacote de comprimidos de iodo antes de os distribuir aos residentes de uma escola em caso de fuga de radiação em Zaporíjia, Ucrânia, 2 de setembro de 2
Uma mulher mostra um pacote de comprimidos de iodo antes de os distribuir aos residentes de uma escola em caso de fuga de radiação em Zaporíjia, Ucrânia, 2 de setembro de 2AP

O comprimido é enviado para casa de cada cidadão de cinco em cinco anos. Mas pode não ser necessário tomá-lo. Depende da quantidade de material radioativo derramado durante o acidente.

Depois de se refugiar num local fechado, é essencial ligar a televisão, a rádio ou seguir as redes sociais das autoridades para obter informações em direto.

Na Suécia, os meios de comunicação social locais também estão treinados para distribuir este tipo de informação.

"Os passos seguintes dependem da quantidade de material radioativo derramado, bem como de fatores meteorológicos", afirma.

PUBLICIDADE

"Praticamos várias vezes durante o ano. Acreditamos que temos um sistema bastante eficaz e que as autoridades sabem o que fazer."

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ataques em Zaporíjia: "Estamos perigosamente perto de um acidente nuclear"

Chéquia quer apostar na energia nuclear e deixar carvão até 2033

Rússia diz que Ucrânia atingiu central de Zaporíjia. Kiev nega, ONU critica ataque imprudente