EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Candidatos para presidir à Comissão Europeia vão a debate - mas os olhos estão postos em Ursula von der Leyen

Ursula von der Leyen lançou a sua campanha sob o lema: “Mais do que uma União. A nossa casa.”
Ursula von der Leyen lançou a sua campanha sob o lema: “Mais do que uma União. A nossa casa.” Direitos de autor Jean-Francois Badias/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Jean-Francois Badias/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
De  Jorge Liboreiro
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Os principais candidatos à presidência da Comissão Europeia enfrentam-se esta segunda-feira.

PUBLICIDADE

O debate terá início às 19:00 em Maastricht, Países Baixos - menos uma hora em Lisboa -, e marcará a primeira vez que os principais candidatos, ou Spitzenkandidaten, confrontam os projetos uns dos outros antes das eleições para o Parlamento Europeu no início de junho. 

Ursula von der Leyen, está praticamente garantido, será o centro das atenções do evento, já que os aspirantes à sua direita atacam as políticas do Pacto Ecológico e os aspirantes à sua esquerda denunciam a aliança cada vez mais estreita do seu partido com as forças mais dura e da extrema-direita.

Para um presidente em exercício, um debate presidencial será uma espécie de novidade: nos últimos cinco anos, von der Leyen manteve-se firmemente presa à sua superioridade como chefe da Comissão para promover “soluções europeias” para os “desafios europeus”, que podem ser abraçados pelos principais partidos em todo o espectro.

Isto transformou-a numa figura pragmática e ideologicamente flexível, que conseguiu aprofundar os laços tanto com líderes de direita como de esquerda, desde o grego Kyriakos Mitsotakis até ao espanhol Pedro Sánchez, para fazer avançar a sua ambiciosa agenda, a grande maioria da qual já alcançou a linha de chegada.

Como resultado, von der Leyen evitou recorrer ao estilo fragmentado e sem barreiras que tradicionalmente define a política partidária. Na verdade, os eurodeputados reclamaram muitas vezes sobre a forma como a presidente sai das sessões plenárias a meio do caminho e deixa um dos seus comissários para responder a perguntas urgentes.

Mas, com a campanha a todo o vapor, não tem escolha senão deixar-se em aberto.

Na sexta-feira, a equipa eleitoral de von der Leyen, liderada de forma controversa pelo seu chefe de gabinete, que está de licença sem vencimento, revelou o slogan oficial - “Mais do que uma União. A nossa casa” - e novas fotos da candidata sob as palavras “Ursula 2024" entre estrelas amarelas.

As imagens foram imediatamente partilhadas em todas as contas de redes sociais do seu partido, o Partido Popular Europeu (PPE), de centro-direita. Notavelmente, a equipa não vai recorrer ao TikTok, a aplicação chinesa de partilha de vídeos que se tornou um fenómeno entre os adolescentes e uma dor de cabeça de segurança entre os decisores políticos.

A iconografia é uma tentativa indisfarçada de personalizar fortemente a campanha e colocar von der Leyen na vanguarda dos esforços do PPE para continuar a ser o maior grupo do Parlamento, mesmo que ela não concorra a um lugar no hemiciclo.

Apesar do seu papel dominante em Bruxelas, que as sondagens prevêem que ficará intocado, o PPE continua a lutar para liderar um dos principais estados-membros. A partir de hoje, o maior país do bloco governado por um político do PPE é a Polónia, na sequência da vitória eleitoral do ano passado de Donald Tusk. Os chamados “Big Four” - Alemanha, França, Itália e Espanha - estão nas mãos de partidos concorrentes.

A falta de poder fez de von der Leyen o rosto mais reconhecível do PPE no partido, como reflete agora a campanha “Ursula 2024". A posição central contrasta, no entanto, com a oposição que algumas das suas políticas emblemáticas, incluindo a proibição gradual do motor a combustão, a Lei de Restauração da Natureza e uma proposta agora extinta para reduzir o uso de pesticidas, desencadearam entre as fileiras do PPE.

Ainda assim**,** sem uma alternativa clara à vista, a formação de centro-direita aposta em von der Leyen para um segundo mandato, que deverá focar-se na competitividade e na defesa, que tendem a jogar bem com o eleitorado conservador.

“Prosperidade. Segurança. Democracia. É com isso que as pessoas se preocupam nestes tempos difíceis. E é isso que o PPE vai propor nesta eleição”, diz von der Leyen, numa citação incluída no media kit da campanha.

A nomeação do presidente da Comissão Europeia é acordada primeiro pelo Conselho Europeu e depois confirmada pelo Parlamento Europeu, um complicado processo em duas etapas que exige que os contendores passem de agente partidário para construtor de consensos.

Para além das suas fortes relações com as capitais, essenciais para o aval do Conselho Europeu, von der Leyen também está a beneficiar do perfil pouco conhecido dos seus outros concorrentes.

O mais destacado na corrida é Nicolas Schmit, o comissário europeu do Emprego e dos Direitos Sociais, que representa o Partido dos Socialistas Europeus (PES). Até agora, Schmit evitou ataques diretos contra a atual chefe e, em vez disso, concentrou-se na “normalização” do PPE dos pontos de discussão de extrema-direita.

O debate de Maastricht, co-organizado pelo Politico Europe e pelo Studio Europa, contará ainda com Marie-Agnes Strack-Zimmermann (Partido Aliança dos Liberais e Democratas pela Europa), Bas Eickhout (Partido Verde Europeu), Anders Vistisen (Partido da Identidade e Democracia), Walter Baier (Partido da Esquerda Europeia), Maylis Roßberg (Aliança Livre Europeia) e Valeriu Ghh Ilețchi (Movimento Político Cristão Europeu) em palco.

Após o evento, von der Leyen retomará a sua viagem pelos estados-membros, com a República Checa, a Polónia e a Itália como os próximos destinos. Dadas as barreiras linguísticas, espera-se que a sua presença na campanha sirva de ato de apoio aos partidos nacionais que disputam lugares no Parlamento.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Nomeação feita por Von der Leyen causa controvérsia e pode impactar eleições europeias

A política de Ursula von der Leyen: Demasiada direita para a esquerda e demasiada esquerda para a direita?

Irlanda reconhece oficialmente o Estado da Palestina