EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

A política de Ursula von der Leyen: Demasiada direita para a esquerda e demasiada esquerda para a direita?

Ursula von der Leyen está a tentar um novo mandato de cinco anos no topo da Comissão Europeia, a instituição mais poderosa do bloco...
Ursula von der Leyen está a tentar um novo mandato de cinco anos no topo da Comissão Europeia, a instituição mais poderosa do bloco... Direitos de autor Virginia Mayo/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Virginia Mayo/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Jorge Liboreiro
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Ursula von der Leyen presidiu aos anos mais transformadores da União Europeia de que há memória. Mas depois de ter enfrentado uma série de crises extraordinárias, a sua ideologia pode ter-se perdido pelo caminho.

PUBLICIDADE

Von der Leyen tem tido poucos dias calmos desde que se mudou para Bruxelas. Apenas três meses depois de ter assumido o cargo de primeira mulher presidente da Comissão Europeia, o seu executivo viu-se confrontado com uma pandemia mundial que matou milhões de pessoas, paralisou a economia e deixou os governos ricos a braços com dificuldades em obter material médico básico.

O teste transformou a Presidente numa gestora de crises, uma posição com que inicialmente se debateu, mas que mais tarde pareceu regozijar-se. Foi-lhe então confiada a tarefa de guiar o bloco através da invasão russa da Ucrânia, de uma dolorosa crise energética, de um aumento constante da migração irregular, de uma China combativa, de ameaças online omnipresentes e da devastação crescente causada pelas alterações climáticas.

Agora, após quase cinco anos de emergências, von der Leyen quer uma segunda oportunidade no topo: candidata-se como principal candidata, ou Spitzenkandidat, da sua família política, o Partido Popular Europeu (PPE), de centro-direita, para presidir à Comissão por mais um mandato. Com o PPE projetado para sair vitorioso nas eleições de junho, as probabilidades estão a favor de von der Leyen.

À medida que a campanha se intensifica, aumenta também o escrutínio sobre o seu legado e as suas políticas ambiciosas. Terá cumprido as suas promessas ou tê-las-á quebrado? Será que se pode confiar nela? Estas são questões legítimas para uma candidata que pretende governar a instituição mais poderosa do bloco. Mas o escrutínio estende-se inevitavelmente a uma questão mais enigmática em torno de von der Leyen: Será ela ainda uma conservadora?

No seu discurso durante o congresso do PPE, em março, von der Leyen fez referência à Segunda Guerra Mundial e abordou uma série de temas, como os valores da família, a segurança, o controlo das fronteiras, o crescimento económico, a competitividade e os agricultores, temas que tendem a ter um bom eco junto dos eleitores de direita.

No entanto, a intervenção apenas mencionou uma vez a Democracia Cristã. A palavra "conservador" não foi encontrada em lado nenhum.

Mais notável ainda foi a carta mordaz que a delegação francesa do PPE enviou antes do congresso de Bucareste, opondo-se à nomeação de von der Leyen. Les Républicains (LR) criticou a alemã pela sua "deriva tecnocrática", "políticas de decrescimento" e incapacidade de controlar a "migração em massa".

"Candidata de Macron (presidente francês) e não da direita, tem deixado a maioria europeia à deriva para a esquerda", lê-se na carta.

Alguns dias antes, os socialistas tinham-se reunido em Roma para o seu próprio congresso, durante o qual Iratxe García Pérez, presidente dos Socialistas e Democratas (S&D), foi questionada sobre se o seu grupo apoiaria von der Leyen, a indiscutível candidata da frente, para um segundo mandato.

García Pérez disse que o seu grupo estava aberto a negociações, mas insistiu que não apoiaria um candidato "que não aceitasse as nossas políticas". De seguida, denunciou extensivamente o PPE por ter abandonado a corrente dominante e abraçado os pontos de discussão da extrema-direita. "Isto é um perigo real", disse aos jornalistas.

Consenso vs ideologia

Com a direita e a esquerda a endurecerem as suas posições antes das eleições, as realizações de von der Leyen parecem estar no meio.

Nos últimos cinco anos, a Comissão concebeu políticas que agradam à direita, incluindo uma reforma radical para acelerar os procedimentos de asilo, penas mais duras para os traficantes de seres humanos, acordos com os países vizinhos para travar a migração irregular, planos para impulsionar a indústria da defesa e uma caixa de ferramentas para fazer face às alterações demográficas.

Por outro lado, o executivo de von der Leyen liderou iniciativas calorosamente saudadas pela esquerda, como um esquema de 100 mil milhões de euros para manter o emprego durante a pandemia, novas regras para melhorar as condições dos trabalhadores das plataformas, normas para garantir salários mínimos adequados, uma lei pioneira para proteger os jornalistas da interferência do Estado, a primeira estratégia LGBTIQ de sempre e, mais crucialmente, o Pacto Ecológico Europeu, um vasto conjunto de políticas destinadas a tornar o bloco neutro em termos climáticos até 2050.

Mas a classificação das suas propostas numa esfera ideológica não dá uma imagem completa do verdadeiro credo de von der Leyen. As propostas de von der Leyen não são suficientes para dar uma imagem completa. Pelo contrário, servem para recordar a natureza particular da Comissão Europeia, uma instituição que, de acordo com os Tratados, é independente e tem como objetivo promover o interesse geral do bloco.

Ao negociar constantemente com o Parlamento e os Estados-membros, a Presidente não tem outra opção senão privilegiar o consenso em detrimento da ideologia, afirma Fabian Zuleeg, diretor executivo do Centro de Política Europeia (CPE).

"A Presidente tem sido, em muitos casos, uma gestora de crises. Certamente com a COVID-19 e com a Ucrânia. Não se tratou tanto, em primeira instância, de ideologia. Tratava-se de reagir. Mas, é claro, certas preferências surgiram. Mas isso tem-se verificado muito na interação com os Estados-Membros", disse Zuleeg numa entrevista.

"De uma perspetiva europeia, o pragmatismo é o nome do jogo. É preciso ter compromissos pragmáticos, para que se possa conseguir o suficiente para fazer passar as coisas".

Ursula von der Leyen fomentou laços estreitos com líderes de todo o espetro político, incluindo Pedro Sánchez, um proeminente socialista.
Ursula von der Leyen fomentou laços estreitos com líderes de todo o espetro político, incluindo Pedro Sánchez, um proeminente socialista.Bernat Armangue/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.

Algumas das ações emblemáticas de von der Leyen, como a redução dos riscos em relação à China, o controlo das grandes empresas de tecnologia, o apoio financeiro à Ucrânia, o relançamento do alargamento e a aquisição conjunta de vacinas, tornam ainda mais confusa a questão, uma vez que podem agradar a ambos os lados do espetro.

PUBLICIDADE

Em vez de tratar estas questões sensíveis através de uma lente partidária que arrisca a polarização e a discórdia, von der Leyen enquadra-as como "desafios europeus" que requerem "soluções europeias", uma formulação vaga mas cativante que emprega frequentemente para defender as suas intervenções políticas e manter-se acima da polémica.

"O que tem sido muito mais caraterístico do seu mandato é o facto de ela ter insistido muito nesta ideia de soluções europeias para todas estas questões", observa Zuleeg. "E, em alguns casos, é realmente muito difícil dizer quando se olha para os pormenores: Isto é realmente de esquerda ou de direita? Não creio que se possa distinguir facilmente entre as duas".

Rainha Úrsula

O pragmatismo cuidadoso de Von der Leyen só contribui para aumentar o mistério em torno das suas convicções políticas, apesar do elevado perfil e da cobertura mediática que acumulou nos últimos cinco anos.

Nathalie Tocci, directora do Istituto Affari Internazionali (IAI), identifica três princípios ideológicos que podem ser associados a von der Leyen: um forte empenhamento na integração europeia, um forte empenhamento na aliança transatlântica e um forte empenhamento em Israel, o último dos quais responde à sua origem alemã.

"Não consigo imaginar um mundo em que ela abdique dessas convicções", disse Tocci à Euronews. "Penso que o resto está realmente em aberto."

PUBLICIDADE

Von der Leyen, diz Tocci, tem estado disposta a reformular a sua agenda e narrativa "por conveniência". Quando ela enfrentou o Parlamento em 2019 para uma votação de confirmação de roer as unhas, ela apostou alto no Acordo Verde, invocando o movimento climático que na época estava fazendo manchetes. Quatro anos depois, apressou-se a propor isenções ao Pacto Ecológico, numa tentativa de acalmar os protestos dos agricultores.

A migração é outro domínio em que a Presidente oscilou entre uma perspetiva humanista, falando com simpatia sobre a situação dos requerentes de asilo, e uma abordagem de linha dura, apelando a controlos mais rigorosos e assinando acordos com regimes autoritários.

"Dependendo da tendência política do dia, ela pode ser relativamente aberta e liberal em relação à migração ou pode ser um pouco conservadora", diz Tocci. "Estas são coisas em que não acho que ela tenha convicções muito firmes."

Um funcionário da UE, que pediu o anonimato para falar com franqueza, expressou uma opinião semelhante, dizendo que von der Leyen alterna entre "posições ideológicas de forma oportunista, alinhando com o que mais lhe convém e interessa no momento".

"A implementação coerente das políticas tem estado visivelmente ausente, com acções que parecem mais orientadas para aproveitar oportunidades fotográficas do que para abordar questões substantivas", disse o funcionário, falando de "ambiguidade política".

PUBLICIDADE

Estas queixas são comuns em Bruxelas. Embora von der Leyen tenha sido amplamente elogiada pela sua liderança determinada, visão ambiciosa e retórica enérgica - competências que são úteis para enfrentar as crises -, tem sido repetidamente criticada por fazer avançar o ciclo legislativo com pouca ou nenhuma consulta para além do seu círculo de conselheiros, alguns dos quais trouxe diretamente de Berlim.

A sua propensão para a centralização, o seu caráter arredio e o facto de evitar assuntos controversos granjearam-lhe a alcunha de "Rainha Úrsula" em Bruxelas, que a sua calculada campanha "nem muito à direita, nem muito à esquerda" está destinada a reforçar.

"Ela foi progressista em relação ao clima porque precisava dos votos verdes para ser eleita", disse Tocci. "Este foi, de certa forma, o preço a pagar. Quer isto dizer que ela não acreditava de todo nisto? Não, não necessariamente. Mas será que isso significa que ela acredita firmemente nisso? Também não necessariamente".

"Ela não está ideologicamente comprometida", prosseguiu Tocci. "Portanto, se ela agora precisa que os conservadores votem nela - bem, então ela será conservadora."

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Pieper demite-se e põe em causa o processo de nomeação de von der Leyen

Oposição na Hungria apela à realização de eleições antecipadas

O que une e o que divide diferentes fações de extrema-direita na UE?