EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Von der Leyen apresenta plano para proteger a UE da interferência estrangeira, se for reeleita

A candidata principal do PPE e Presidente cessante da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen
A candidata principal do PPE e Presidente cessante da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen Direitos de autor Aurelien Morissard/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Aurelien Morissard/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
De  Mared Gwyn Jones
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

Ursula von der Leyen anunciou a intenção de criar um Escudo Europeu da Democracia para proteger a UE de interferências estrangeiras perigosas, caso consiga um segundo mandato à frente da Comissão.

PUBLICIDADE

O discurso surge num momento em que o bloco se prepara para uma potencial onda de desinformação na corrida para as eleições europeias de junho, e no meio de receios de que não esteja profundamente preparado para enfrentar novas formas de guerra híbrida.

Num discurso proferido na Cimeira da Democracia de Copenhaga, na manhã de terça-feira, von der Leyen afirmou estar "preocupada" com o aumento da desinformação e da interferência estrangeira na Europa, alertando para o facto de os "princípios fundamentais da nossa democracia" estarem a ser atacados.

Falando na sua qualidade de candidata principal do Partido Popular Europeu (PPE), de centro-direita, que lidera as sondagens pan-europeias, von der Leyen prometeu criar um Escudo Europeu da Democracia para reforçar as capacidades do bloco na luta contra a influência estrangeira, caso consiga um segundo mandato como Presidente da Comissão.

O Escudo terá como missão detetar e eliminar a desinformação em linha - com base no trabalho do regulamento digital da UE, a Lei dos Serviços Digitais (DSA) - e "inocular" o bloco contra influências perigosas, permitindo que os europeus reconheçam as ameaças.

A eurodeputada de 65 anos referiu-se à proliferação de notícias falsas e de deep-fakes gerados por inteligência artificial, bem como aos relatos de que governos estrangeiros estão a "comprar influência e a causar o caos" nos parlamentos europeus, como algumas das suas maiores preocupações.

Desde o mês passado, está em curso uma vasta investigação sobre as alegações de que um número indefinido de deputados europeus - incluindo membros do partido de extrema-direita Alternativa para a Alemanha (AfD) - recebeu dinheiro de atores apoiados pelo Kremlin para divulgar propaganda russa.

O caso aumentou os receios de que o Kremlin esteja a tentar desestabilizar ativamente as sociedades europeias no período que antecedeu a votação de junho.

"Vimos políticos de extrema-direita e candidatos à liderança da AfD na Alemanha nos bolsos da Rússia", disse von der Leyen na terça-feira. "Eles estão a vender as suas almas em canais e vídeos de propaganda russa".

O bloco está atualmente a preparar sanções contra quatro entidades pró-Kremlin suspeitas de difundir propaganda no bloco, como parte do seu 14º pacote de sanções contra a Rússia.

A Voz da Europa é a entidade mediática sancionada pelas autoridades checas no final de março, depois de ter sido apanhada como uma operação de propaganda russa com acesso regular aos eurodeputados com assento no Parlamento Europeu, predominantemente do grupo de extrema-direita Identidade e Democracia (ID) ou de membros não inscritos.

Também no mês passado, um assessor de um deputado europeu do partido AfD foi detido por suspeita de espionagem a favor da China. O caso está atualmente nas mãos do Ministério Público Federal da Alemanha.

Von der Leyen criticou a manipulação maligna como um meio de "dar cobertura e encorajamento aos extremos mais perigosos das nossas sociedades".

Von der Leyen manifestou também a sua preocupação com a série de ciberataques perpetrados contra países europeus nas últimas semanas. Só nos primeiros dias de maio, Berlim revelou que as contas de correio eletrónico do chanceler Olaf Scholz foram comprometidas por piratas informáticos russos, no ano passado, e o Parlamento Europeu também alertou para uma violação de dados de candidatos a emprego.

Surgiram também relatos de que a Rússia está a perturbar os sistemas de navegação por satélite necessários para os voos civis na Europa, o que é também conhecido como "GPS jamming". A Rússia tem sido a principal transportadora aérea da Finlândia, tendo obrigado a Finnair a suspender os voos para a cidade estónia de Tartu durante um mês, devido a uma interrupção persistente do GPS.

O próprio site da campanha de Von der Leyen foi alvo de um ataque orquestrado por bots a 7 de maio.

Von der Leyen afirmou que estes ataques coordenados fazem parte de um plano mais alargado para enfraquecer a "resiliência" da Europa e o seu empenho em apoiar a Ucrânia.

A Europa não está preparada

O Escudo Europeu foi também concebido para colmatar uma lacuna evidente nas capacidades da Europa para enfrentar novas formas de guerra híbrida, incluindo campanhas de desinformação.

Enquanto a França e a Suécia têm agências nacionais mandatadas para monitorizar e proteger contra a interferência estrangeira, a UE é vista como profundamente impreparada para lidar com campanhas de desinformação destinadas a promover a divisão e a alimentar o sentimento anti-europeu.

PUBLICIDADE

Fontes do PPE afirmam que nem a UE nem os seus Estados-Membros estão preparados devido a uma significativa falta de investimento e de recursos.

O braço diplomático do bloco, o Serviço Europeu para a Ação Externa (SEAE), tem como objetivo liderar os esforços da UE para combater a manipulação e a interferência de informações estrangeiras, visando especificamente as campanhas de propaganda russas.

Mas os esforços do SEAE destinam-se principalmente a identificar essas campanhas e não propõem medidas para combater e desmantelar as operações, para além de uma mera "caixa de ferramentas" para os Estados-Membros.

Von der Leyen afirmou que a próxima iniciativa da Comissão Europeia irá basear-se no trabalho realizado no âmbito do DSA para obrigar as plataformas a eliminar as notícias falsas e a proporcionar mais transparência na publicidade política.

Apesar dos esforços da nova lei europeia sobre a inteligência artificial (AI Act), o bloco precisa de "reforçar" a sua abordagem para combater as "deep-fakes", frequentemente utilizadas para fabricar conteúdos áudio e vídeo de figuras políticas.

PUBLICIDADE

A eurodeputada portuguesa afirmou ainda que o reforço da literacia mediática e a sensibilização dos europeus para as operações de propaganda, ou "pre-bunking", serão uma prioridade.

"Em vez de tratar uma infeção depois de esta se ter instalado, que é a desinformação, é melhor vacinar, para que o nosso corpo seja inoculado", explicou.

"Porque a desinformação depende do facto de as pessoas a transmitirem aos outros, é essencial que as pessoas saibam qual é a influência da informação maligna e quais são as suas técnicas. À medida que esse conhecimento aumenta, as nossas hipóteses de sermos influenciados diminuem. E isso cria a resiliência social de que necessitamos".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Desinformação sobre as eleições está a deixar Europa "ansiosa". O que pode ser feito para limitar a interferência estrangeira?

Facebook e Instagram investigados sobre a forma como lidam com a desinformação

Eleições europeias: dicas para evitar a desinformação