EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Desinformação sobre as eleições está a deixar Europa "ansiosa". O que pode ser feito para limitar a interferência estrangeira?

Aumentam as preocupações de que atores estrangeiros como a Rússia ou a China possam tentar desestabilizar o processo democrático na Europa em junho
Aumentam as preocupações de que atores estrangeiros como a Rússia ou a China possam tentar desestabilizar o processo democrático na Europa em junho Direitos de autor Canva
Direitos de autor Canva
De  Anna Desmarais
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A semanas das eleições europeias, foram muitos os casos públicos de interferência estrangeira. Eis o que está a ser feito para limitar o seu impacto.

PUBLICIDADE

De acordo com especialistas em segurança, os russos estão a tentar desestabilizar uma Europa "ansiosa", interferindo nas eleições europeias, à medida que se aproxima a votação de 6 a 9 de junho.

De acordo com Rolf Nijmeijer, assistente de investigação e perito em desinformação russa do Observatório Europeu dos Meios de Comunicação Digitais (EDMO), a interferência externa russa não é nova, mas a guerra na Ucrânia sim.

A invasão começou em 22 de fevereiro de 2022, pelo que não foi um fator nas últimas eleições europeias.

"Temos uma Europa mais ansiosa devido aos conflitos que a rodeiam neste momento e à perceção de que o mundo é atualmente caótico e irrealista", afirmou Nijmeijer.

"Existe um foco de conflito que os atores estrangeiros estão muito interessados em influenciar para fazer avançar os seus objectivos estratégicos".

A quatro semanas das eleições europeias, já há muitos exemplos públicos de interferência estrangeira liderada pela Rússia: tudo, desde a interferência recorde de sinais de GPS, a subornos pró-Kremlin a políticos em Bruxelas e um site falso a pedir aos soldados franceses para se alistarem na invasão ucraniana em curso.

De onde vem esta interferência, que forma assume e o que está a ser feito para limitar a sua propagação?

Uma "ameaça em rápida expansão"

O Serviço Europeu para a Ação Externa (SEAE) descreve a interferência estrangeira como um padrão de comportamento manipulador e coordenado por parte de Estados ou atores não estatais que "ameaça ou tem o potencial de afetar negativamente valores, procedimentos e processos políticos".

A interferência estrangeira, embora sempre tenha existido, foi descrita como uma "ameaça em rápida expansão" para a UE e a segurança internacional na estratégia do SEAE para 2030.

As novas tecnologias e a Internet estão a alterar o seu "âmbito, natureza e alcance".

"Estamos a unir forças e a intensificar os esforços para nos protegermos, porque se trata de uma ameaça às nossas sociedades tal como as conhecemos", afirmou Peter Stano, porta-voz principal para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança do SEAE.

Segundo Nijmeijer e o SEAE, os russos e os chineses são os principais atores no que se refere à interferência estrangeira na União Europeia.

Joseph Borrell Fontelles, Alto Representante da União Europeia para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança, escreveu no relatório de janeiro do SEAE sobre a interferência estrangeira antes das eleições que os russos estão a fazer isso como uma ferramenta de muitas "para justificar a sua guerra" contra a Ucrânia em todo o mundo.

A revelação, pelas forças francesas, em fevereiro, de uma rede de desinformação russa chamada Portal Kombat, que visava sites europeus, o pagamento de funcionários de Bruxelas para difundir propaganda pró-Kremlin e as perturbações nos voos nos países bálticos devido ao bloqueio do GPS, são alguns exemplos de suspeitas de interferência russa antes das eleições.

De acordo com Jakub Kalensky, diretor-adjunto do Centro Europeu de Excelência para o Combate às Ameaças Híbridas (Hybrid CoE), os russos não intensificaram a sua interferência apenas nestas eleições.

Só em 2016, há provas de que os russos interferiram nas eleições norte-americanas, na votação do Brexit no Reino Unido e nos referendos nos Países Baixos e em Itália, afirmou Kalensky.

Mas Jamie Shea, membro sénior da Friends of Europe e funcionário reformado da NATO, disse que não há "provas conclusivas" de que a interferência russa altera o resultado de uma eleição.

"Será que só ela explica porque é que o [ex-presidente dos EUA Donald] Trump foi eleito em 2016? Não", disse Shea.

PUBLICIDADE

"É importante não falar demasiado sobre isto, dizer que os políticos ganharam ou perderam por causa da Rússia. Quanto mais se fala nisso, mais se mostra a Putin que ele é poderoso".

Os chineses prosseguem as campanhas de desinformação que visam dar uma melhor imagem da China em todo o mundo. Durante estas eleições, Nijmeijer afirmou que também estão a visar ativamente as instituições que são céticas em relação à China, "utilizando uma retórica semelhante à dos russos".

A Rússia e a China não são os únicos atores a tentarem interferir nas eleições europeias: o SEAE afirma que há 80 outros países envolvidos, bem como alguns grupos não estatais, como o Grupo Wagner.

Impacto "não pode ser ignorado"

Embora os funcionários dos serviços secretos conheçam as ameaças, todos concordam que é extremamente difícil avaliar o impacto da interferência russa ou de outros países nas eleições, mas também nas convicções do público em geral.

"É como combater a covid sem saber quantas pessoas estão vacinadas", disse Kalensky.

PUBLICIDADE

Uma das únicas pistas, de acordo com Kalensky, é ver como o público responde às perguntas das sondagens que utilizam pontos de discussão comuns sobre a desinformação russa.

É como lutar contra a covid sem saber quantas pessoas estão vacinadas
Jakub Kalensky
Vice-diretor, Centro Europeu de Excelência para o Combate às Ameças Híbridas

Um terço dos eslovacos concorda com a mentira de que o Ocidente provocou a guerra contra a Ucrânia - uma narrativa fabricada pelos russos - de acordo com uma série de sondagens recentes.

O número é quase tão elevado na Bulgária, com 26%, e na Hungria, com cerca de 18%. Em Itália, 17% dos inquiridos atribuem a culpa do conflito à NATO.

Os números podem ser ainda mais elevados na Alemanha: duas sondagens indicam que 18% ou 40% da população concorda ou concorda parcialmente que o Ocidente é o culpado pela guerra na Ucrânia.

"As campanhas de desinformação não atingem 50% da população, mas 20% é suficiente para eleger um primeiro-ministro na Eslováquia.

PUBLICIDADE

O efeito a longo prazo da desinformação, segundo Nijmeijer, é a "erosão da confiança" nas instituições políticas e na forma como o conhecimento está a ser criado.

A interferência estrangeira pode significar apatia por parte dos eleitores, disse Nijmeijer. Apesar disso, as eleições europeias de 2019 registaram uma afluência às urnas de 50,6%, com uma grande percentagem de jovens e estreantes.

"As pessoas podem perder completamente o interesse pela política porque acreditam que é tudo mentira e que não há nada a ganhar... ou que os processos eleitorais são fúteis porque o sistema é corrupto", disse Nijmeijer.

A interferência externa russa também afeta os países de forma diferente, disse Kalensky.

Kalensky disse que o impacto pode ser menor nos países bálticos, na Polónia e nos países nórdicos porque todos eles têm "experiência histórica" com campanhas de influência russa e uma forte confiança nas instituições públicas e nos meios de comunicação social tradicionais.

PUBLICIDADE

Mudança das tácticas dos serviços secretos

O SEAE é o organismo europeu que coordena a resposta à interferência estrangeira do Kremlin com a NATO e os Estados-Membros.

Em 2015, o SEAE criou um grupo de trabalho East StratCom que iria expor os ataques à UE através da "sensibilização" para a desinformação pró-Kremlin.

Uma parte fundamental do grupo de trabalho é a base de dados EUvsDisinfo: uma compilação de mais de 16.500 casos de interferência estrangeira russa ou campanhas de desinformação.

O SEAE está também a trabalhar com um Sistema de Alerta Rápido (RAS) que permite às instituições da UE e aos Estados-Membros coordenar e partilhar informações sobre a interferência estrangeira e a desinformação.

O relatório de janeiro do SEAE sobre as ameaças de interferência estrangeira refere que a atividade irá "intensificar-se gradualmente" à medida que o dia da votação se aproxima.

PUBLICIDADE

Stano, do SEAE, afirmou que a maior batalha será travada no terreno, nos Estados-membros da UE, onde se desenrola a maior parte da atividade pró-Kremlin: na língua local, fazendo referência ao debate político local e com representantes locais.

"A dimensão do desafio é tão grande que nunca haverá trabalho suficiente para o contrariar... mas estamos a unir forças e a intensificar os esforços para nos protegermos".

Há também algumas técnicas que os chefes de Estado podem utilizar.

Shea, dos Amigos da Europa, afirmou que existe atualmente uma vontade por parte dos chefes de governo de divulgar informações que normalmente seriam confidenciais.

E apontou o exemplo dado pelas autoridades francesas ao dizerem publicamente que fecharam um falso site russo que encorajava cerca de 200.000 cidadãos a alistarem-se na guerra da Ucrânia.

PUBLICIDADE

Esta é uma técnica que Kalensky descreve como "nomear e envergonhar" os russos.

Ele acredita que essa estratégia, se usada corretamente, pode convencer os russos de que sua interferência tem menos efeito do que esperam.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Eleições europeias: dicas para evitar a desinformação

Chatbots mais populares de IA fornecem desinformação "não intencional" aos utilizadores antes das eleições europeias

Parlamento Europeu quer colocar desinformação russa na agenda da sessão plenária em Bruxelas