EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Euro2024: milhares de profissionais da indústria do sexo chegaram à Alemanha

Prostituição
Prostituição Direitos de autor Silvia Izquierdo/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Silvia Izquierdo/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O torneio impulsionou a economia alemã. Um pouco por todo o país, empresas como hotéis e restaurantes beneficiaram com o aumento do número de visiantes - e a indústria do sexo não foi exceção. Acredita-se que mais de 100.000 prostitutas tenham chegado à Alemanha durante o Euro2024.

PUBLICIDADE

O Euro2024 termina no domingo, com a final entre a Inglaterra e a Espanha, mas a competição impulsionou a economia alemã nas últimas semanas, em todos os sectores: um pouco por todo o país, empresas como hotéis e restaurantes beneficiaram com o aumento do número de visitantes - e a indústria do sexo não foi exceção.

Estima-se que mais de 100.000 prostitutas tenham chegado à Alemanha durante o Euro2024 e o o serviço erótico Erobella calculou que quase 14.000 trabalhadores do sexo se delocaram para a Alemanha especificamente para o torneio de futebol.

Gerhard Schönborn, assistente social, diz que as prostitutas "chegam de países como a Bulgária, Roménia, Eslováquia, Chéquia e Polónia. Vendem-se aqui simplesmente por causa da pobreza".

Com 26 anos de experiência, Janne Valentin, prostituta, afirma que "a maioria dos clientes está no centro de Berlim. Os hóspedes dos hotéis compram serviços de acompanhantes quando querem companhia para jantar, ou telefonam e pedem uma rapariga para o seu quarto".

Na Alemanha, a prostituição foi legalizada em 2002. A lei também prevê a exploração de bordéis e, segundo as novas diretrizes, qualquer estabelecimento deste género terá de ser registado e licenciado.

No entanto, de acordo com a Global Network of Sex Work Projects (NSWP) os testes de VIH e de DST não são obrigatórios neste tipo de negócio.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

SEF desmantela rede de prostituição romena em Portugal

Prostituição forçada no Nepal: uma investigação fotográfica

Amesterdão: novo modelo de negócio para a prostituição entra em vigor em maio