Suécia constrói a primeira estrada onde os veículos eléctricos se carregam a circular

Estrada sueca
Estrada sueca Direitos de autor WSP/Trafikverket
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Suécia está a construir a primeira estrada electrificada permanente do mundo para que os veículos eléctricos possam carregar enquanto circulam. A Suécia pretende criar mais 3000 km de estradas eléctricas no país até 2045.

PUBLICIDADE

Com a aprovação pela UE, no mês passado, de uma lei histórica que exige que todos os automóveis novos vendidos tenham zero emissões de CO2 a partir de 2035, os países europeus estão a apressar-se a preparar as infraestruturas necessárias para uma mobilidade sem combustíveis fósseis.

E a Suécia está agora a transformar uma auto-estrada numa estrada electrificada permanente - a primeira deste tipo no mundo.

Numa estrada eléctrica, os automóveis e camiões podem recarregar enquanto circulam.

Os especialistas dizem que o carregamento dinâmico permite percorrer distâncias mais longas com baterias mais pequenas e evitar esperas nas estações de carregamento.

O país escandinavo foi pioneiro em estradas electrificadas através de vários projectos-piloto, incluindo a primeira estrada eléctrica temporária do mundo.

"Pensamos que a solução de electrificação é o caminho a seguir para descarbonizar o sector dos transportes e estamos a trabalhar com uma série de soluções", disse Jan Pettersson, Director de Desenvolvimento Estratégico da Trafikverket, a administração sueca dos transportes, à Euronews Next.

A auto-estrada escolhida, a estrada europeia E20, liga os centros logísticos entre Hallsberg e Örebro, localizados no meio das três maiores cidades do país, Estocolmo, Gotemburgo e Malmö.

Como é que funciona?

O projecto está actualmente em fase de adjudicação e prevê-se que seja construído até 2025.

O método de carregamento do E20 ainda não foi decidido, mas existem três tipos de carregamento: sistema de catenária, sistema indutivo e sistema condutor.

O sistema de catenária só pode ser utilizado para veículos pesados. Porque utiliza fios aéreos para fornecer electricidade a um tipo especial de autocarro ou eléctrico.

Em 2018, a Trafikverket inaugurou o primeiro carril de carregamento do mundo para veículos eléctricos em estradas públicas, como teste-piloto, entre o aeroporto de Arlanda, em Estocolmo, e uma área de logística em Rosersberg.

Ao longo de um troço de 2 km, foi fresado no asfalto um carril eléctrico sobre o qual os camiões eléctricos baixam um braço móvel que recebe energia.

O carregamento condutivo funciona como um carregador para smartphones. Em vez de se ligar a um carregador, estes veículos eléctricos especiais têm uma almofada ou placa na estrada e, quando o veículo está em cima dela, a almofada carrega o veículo sem fios.

O sistema de carregamento indutivo utiliza equipamento especial enterrado debaixo da estrada que envia electricidade para uma bobina no veículo eléctrico. A bobina do veículo utiliza então essa electricidade para carregar a bateria.

Em 2020, construiu uma estrada eléctrica sem fios para camiões e autocarros pesados na cidade insular de Visby.

Potenciais benefícios para veículos particulares

Pettersson afirma que o mundo está a enfrentar um "desafio especial" para manter os veículos pesados carregados.

"Se a solução for apenas o carregamento estático de baterias completas para veículos pesados, teremos veículos com uma enorme quantidade de baterias que os veículos têm de transportar", afirmou.

Embora grande parte do Sistema Rodoviário Eléctrico (ERS) se centre nos camiões, um estudo recente sugere que os automóveis particulares também podem beneficiar.

PUBLICIDADE

O estudo simulou os padrões de movimento de 412 automóveis particulares em partes das estradas nacionais e europeias suecas e concluiu que a combinação do carregamento doméstico com o carregamento dinâmico pode reduzir o tamanho da bateria até 70%.

Os investigadores responsáveis pelo estudo afirmam ainda que nem todas as estradas da Suécia precisam de ser eletrificadas; para que o sistema funcione, apenas 25% das estradas seriam eficientes.

Esta foi a primeira tentativa de simular o sistema rodoviário elétrico (ERS) com padrões de condução reais.

Investigadores salientam limites do ERS

"A melhor autonomia exigida com o ERS difere entre as residências urbanas e rurais, o que significa que os condutores que vivem perto do centro da cidade terão baterias mais pequenas porque estão mais próximos do ERS e ganharão mais", disse à Euronews o doutor Washim Shoman, investigador da divisão de Teoria dos Recursos Físicos da Universidade de Tecnologia de Chalmers.

Shoman afirma que a diferença na autonomia das baterias entre estes dois tipos de residentes pode chegar aos 20%.

PUBLICIDADE

O estudo pressupõe determinadas condições e a tecnologia ainda está a amadurecer.

"Mas, com desenvolvimento suficiente, penso que poderão atingir essas propriedades", acrescentou.

Outros países, como a Itália, o Reino Unido, os Estados Unidos e a Índia, estão a apostar na construção de sistemas ERS.

Complanos de expansão de mais 3000 km de estradas elétricas até 2045, a Suéciaestabeleceu uma parceria com a Alemanha e a França para trocar experiências através de colaborações entre autoridades e investigação sobre estradas elétricas.

A Alemanha e a Suécia dispõem de instalações de demonstração em estradas públicas há vários anos e a França planeia adquirir um troço piloto com uma estrada elétrica.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Estado da União": UE está a "amarrar-se" aos combustíveis fósseis?

Quais os bancos europeus que financiam a extração de combustíveis fósseis?

Hidrogénio ecológico é solução ou ficção para os transportes?