Do fabrico às emissões ao longo da vida, até que ponto os veículos elétricos são mais ecológicos?

Os automóveis eléctricos estão a ter um grande aumento nas vendas, mas será que são realmente melhores no que diz respeito à sua pegada de carbono?
Os automóveis eléctricos estão a ter um grande aumento nas vendas, mas será que são realmente melhores no que diz respeito à sua pegada de carbono? Direitos de autor Canva
De  Geraldine Herbert
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Os fabricantes de automóveis estão a investir milhares de milhões no desenvolvimento de veículos elétricos supostamente ecológicos, mas o seu fabrico não é isento de carbono. Como é que se comparam com os veículos a combustão interna?

PUBLICIDADE

Os fabricantes de automóveis estão a prometer milhares de milhões para desenvolver novos veículos elétricos a bateria (VEB), na expectativa de que mais de 30 milhões deles circulem nas estradas europeias até 2030.

Os automóveis elétricos podem não gerar emissões de gases com efeito de estufa, mas o fabrico dos veículos e das baterias continua a contribuir para as emissões de carbono.

Então, até que ponto os VEB são limpos e como se comparam aos automóveis tradicionais com motor de combustão interna (ICE) que funcionam a gasolina ou gasóleo?

Qual é o impacto ambiental do processo de produção de um VEB?

As emissões do ciclo de vida são as que resultam da produção, utilização e eliminação de um produto. Assim, no caso de um automóvel elétrico, é necessário ter em conta tudo, desde as matérias-primas e as fontes de energia das baterias até à reciclagem e reutilização do veículo no fim da sua vida útil.

A extração, o refinamento, o transporte e o fabrico de baterias de iões de lítio é um processo muito intensivo em termos energéticos, o que significa que as emissões são mais elevadas na fase de produção dos automóveis elétricos a bateria do que num automóvel a combustão interna.

Embora o processo de fabrico dos automóveis com motor de combustão interna possa não ser tão elevado, continua a ter uma pegada de carbono significativa.

A Reuters noticiou no início do ano que a Volkswagen e a Toyota tinham como objetivo ser neutras em termos de carbono até 2050, enquanto o Hyundai Motor Group afirmou que a Hyundai Motor e a Kia estavam a "acelerar os esforços" para se tornarem neutras em termos de carbono.

Todos os novos veículos da Mercedes-Benz serão neutros em termos de carbono ao longo de toda a cadeia de valor até 2039 e a General Motors (GM) planeia ser neutra em termos de carbono até 2040 nos seus produtos e operações globais.

Em contrapartida, a empresa sueca Polestar tem como objetivo ambicioso produzir um automóvel com emissões líquidas nulas até 2030, identificando e eliminando todas as emissões de carbono, desde a extração de matérias-primas, passando pela produção, até ao tratamento em fim de vida.

A diferença de emissões de carbono entre os veículos VEB e os veículos a combustão pode ser significativa quando um veículo é vendido pela primeira vez, mas durante a sua vida útil na estrada, os veículos a combustão continuam a emitir CO2, enquanto os veículos elétricos não emitem quaisquer emissões, exceto partículas dos pneus e dos travões.

De acordo com um estudo realizado pela Transport & Environment (T&E), o organismo de cúpula das organizações não-governamentais europeias que promovem a sustentabilidade, um automóvel elétrico médio da União Europeia é quase três vezes melhor, em termos de emissões de carbono, do que um automóvel equivalente movido a gasolina ou gasóleo - e essa diferença continua a aumentar.

As vantagens dos VEB só aumentarão à medida que a rede elétrica se tornar mais ecológica, mas mesmo um VEB conduzido na Polónia, com uma bateria produzida na China, emite menos 37% de CO2 do que a gasolina.

É possível obter uma redução de 83% com um automóvel elétrico com uma bateria produzida na Suécia e conduzido na Suécia. Prevê-se também que os automóveis elétricos comprados em 2030 reduzam quatro vezes as emissões de CO2 graças a uma rede elétrica da União Europeia cada vez mais baseada em energias renováveis.

Mas e a bateria?

As matérias-primas utilizadas na produção das baterias são um dos principais fatores do preço dos VEB e da razão pela qual continuam a ser mais caros do que os veículos equivalentes com combustão interna.

À medida que a tecnologia das baterias for melhorando, surgirão novas alternativas à química padrão do ião de lítio. Estão também a ser exploradas potenciais alternativas a estas matérias-primas, como o desenvolvimento de uma nova bateria de iões de sódio pela CATL, um gigante chinês das baterias.

A BYD, o maior fabricante mundial de veículos eletrificados, reconhece a importância de reduzir a utilização de minerais raros na tecnologia das baterias, e a sua unidade Blade Battery é produzida sem a utilização de cobalto.

Entretanto, mais poderia ser feito para ajudar a reduzir o impacto ambiental da exploração mineira. Reinvestir os lucros nas comunidades locais para apoiar a educação e a formação proporcionaria oportunidades que muitas vezes estão fora do alcance das pessoas nos países em desenvolvimento.

Um passo importante para reduzir as emissões do ciclo de vida dos automóveis elétricos é a reciclagem ou reutilização da bateria.

PUBLICIDADE

A regulamentação proposta pela Comissão Europeia para as baterias é a primeira lei mundial sobre baterias sustentáveis, que procura não só garantir técnicas de extração éticas, mas também reduzir a procura de extração através de uma reciclagem mais eficaz das matérias-primas.

Em julho, o Conselho Europeu adotou um novo regulamento que estabelece requisitos de fim de vida, incluindo objetivos e obrigações de recolha, objetivos de recuperação de materiais e responsabilidade alargada do produtor. Esta medida contribuirá para a promoção de uma economia circular.

Quando atingem o seu fim de vida nos VEB, as baterias podem não ser adequadas para serem reutilizadas nos automóveis, mas isto cria uma enorme oportunidade para as reconfigurar para uma "segunda vida" - incluindo o armazenamento de eletricidade na rede - e assim reduzir a pegada de carbono global da produção de baterias.

Outra solução é reutilizar o que já temos, uma vez que a escassez de matérias-primas está a impulsionar o investimento na reciclagem de baterias. No entanto, ainda não se sabe até que ponto isto será sustentável do ponto de vista ambiental ou económico, uma vez que o processo de reciclagem também tem uma elevada pegada de carbono.

Há provas irrefutáveis de que, ao longo do seu tempo de vida, os VEB geram menos emissões de carbono do que os veículos a motor de combustão e, por conseguinte, são melhores para o ambiente.

PUBLICIDADE

A tecnologia e as técnicas de fabrico de baterias mais avançadas continuarão a melhorar o tempo de vida das baterias, o que resultará também num aumento do tempo de vida dos veículos elétricos.

Todo o ciclo de vida dos VEB é marcado por desafios substanciais, mas vale a pena lembrar que o impacto ambiental da extração de petróleo para combustível é muito maior.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Chinesa BYD ultrapassa Tesla na venda de elétricos pela primeira vez

Setor automóvel europeu pede menos legislação e mais estratégia

Cientistas suecos descobrem um novo e "promissor" avanço na reciclagem de baterias de veículos elétricos