EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Alemanha testa semana de trabalho de 4 dias, face à escassez de mão-de-obra

A Alemanha acaba de iniciar um grande ensaio de uma semana de trabalho de quatro dias que envolve 45 empresas.
A Alemanha acaba de iniciar um grande ensaio de uma semana de trabalho de quatro dias que envolve 45 empresas. Direitos de autor AP Photo/Jenny Kane, File
Direitos de autor AP Photo/Jenny Kane, File
De  Giulia Carbonaro
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A Alemanha espera que uma semana de trabalho mais curta torne os trabalhadores mais produtivos, numa altura em que o país regista uma escassez crónica de mão de obra.

PUBLICIDADE

A Alemanha deu início a uma experiência de seis meses com uma semana de trabalho de quatro dias, que permitirá aos trabalhadores de 45 empresas de todo o país trabalhar menos um dia por semana com o mesmo salário.

A iniciativa, que envolve apenas empresas cujo trabalho pode ser adaptado a uma semana de trabalho mais curta, é liderada pela empresa de consultoria de gestão Intraprenör, sediada em Berlim, com a colaboração da organização sem fins lucrativos "4 Day Week Global (4DWG)".

Os defensores da semana de trabalho mais curta esperam que trabalhar quatro dias por semana torne os trabalhadores mais felizes e mais produtivos, numa altura em que a Alemanha se debate com um crescimento mais lento da produtividade e com a falta de mão de obra.

A produtividade é normalmente calculada dividindo a produção económica pelas horas trabalhadas.

Menos um dia por semana, aumenta a motivação dos trabalhadores

Depois de atingir um máximo histórico de 105,20 pontos em novembro de 2017, a produtividade da Alemanha tem vindo a diminuir de forma constante, de acordo com dados do Deutsche Bundesbank, embora continue a ser superior à de outras grandes economias da Europa. Em novembro de 2023, os últimos dados disponíveis, a produtividade desceu de 96,79 pontos no mês anterior para 95,80 pontos.

De acordo com os defensores da semana de trabalho de quatro dias e com a maioria dos trabalhadores que já a testaram, trabalhar menos um dia por semana aumentaria o bem-estar e a motivação dos trabalhadores, tornando-os mais produtivos.

Trabalhar menos horas por semana também poderia convencer aqueles que não estão dispostos a trabalhar uma semana inteira a entrar no mercado de trabalho, ajudando a reduzir a atual escassez de mão-de-obra que afeta os países industrializados em todo o mundo.

Escassez de Mão-de-Obra

A Alemanha debate-se atualmente com a falta de trabalhadores em setores qualificados e de elevado crescimento.

Em novembro passado, a Câmara de Comércio e Indústria DIHK afirmou que metade das empresas alemãs tinha dificuldade em preencher vagas.

Os milhares de postos de trabalho por preencher na economia alemã fizeram com que o país perdesse mais de 90 mil milhões de euros no ano passado, mais de 2% do PIB alemão, de acordo com o diretor executivo adjunto da DIHK, Achim Dercks.

Embora não seja claro se a semana de trabalho mais curta irá resolver este problema de alguma forma, os alemães parecem entusiasmados em experimentá-la.

Um inquérito da Forsa revelou que 71% das pessoas que trabalham no país gostariam de ter a opção de trabalhar apenas quatro dias por semana. Pouco mais de três quartos dos inquiridos afirmaram que apoiavam que o Governo explorasse a possibilidade de introduzir uma semana de quatro dias. Entre os empregadores, mais de dois em cada três apoiam esta ideia.

Uma maioria substancial (75%) acredita que uma semana de quatro dias seria desejável para os trabalhadores, sendo que a maioria (59%) considera que também deveria ser possível para os empregadores.

Quase metade dos empregadores (46%) afirmou considerar "viável" a experimentação de uma semana de quatro dias no seu próprio local de trabalho.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Crise de emprego na UE: Candidatos não têm as competências adequadas

Soluções para os principais desafios dos mercados de trabalho globais debatidas em Riade

As melhores universidades do mundo: Quais os países que se classificam como os melhores para 2025