EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

As noites mal dormidas podem minar a alegria e aumentar o risco de ansiedade

A falta de sono pode ser prejudicial para o nosso humor e saúde emocional
A falta de sono pode ser prejudicial para o nosso humor e saúde emocional Direitos de autor Canva
Direitos de autor Canva
De  Luke Hurst
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A simples perda de uma ou duas horas de sono pode ter um impacto negativo nas emoções, segundo os investigadores.

PUBLICIDADE

É bem sabido que a falta de sono não só nos deixa cansados, como também pode ter um impacto físico negativo no nosso corpo.

Mas um novo estudo revelou que essas noites mal dormidas estão a ter um resultado ainda mais sombrio - minam a alegria e aumentam o risco de ansiedade.

Numa análise de mais de 50 anos de investigação sobre a privação de sono e o humor, os investigadores quiseram descobrir o impacto psicológico daquilo a que chamaram a nossa "sociedade largamente privada de sono".

Publicando os resultados na revista Psychological Bulletin, os investigadores analisaram dados de 154 estudos realizados ao longo de cinco décadas.

Em todos os estudos, havia mais de 5.000 participantes cujo sono foi perturbado durante uma ou mais noites. Alguns foram mantidos acordados durante longos períodos de tempo, enquanto outros tiveram períodos de sono mais curtos do que o normal.

Um outro grupo de participantes foi acordado periodicamente durante a noite.

Os estudos mediram pelo menos uma variável emocional após a interrupção do sono, com os participantes a auto-relatarem o seu estado de espírito e a responderem a estímulos emocionais, bem como a serem medidos quanto a sintomas de depressão e ansiedade.

Os investigadores descobriram que os três tipos de perturbação do sono provocavam menos emoções positivas, incluindo alegria, felicidade e contentamento. Também aumentaram os sintomas de ansiedade, como o ritmo cardíaco acelerado e o aumento dos níveis de preocupação.

Verificaram-se alguns resultados para os sintomas de depressão, mas estes foram mais pequenos e menos consistentes. Foram encontrados resultados semelhantes para um aumento das emoções negativas, como a tristeza, a preocupação e o stress.

"Na nossa sociedade, em grande parte privada de sono, quantificar os efeitos da perda de sono nas emoções é fundamental para promover a saúde psicológica", afirmou a autora principal do estudo, Cara Palmer, da Montana State University.

"Este estudo representa a síntese mais abrangente da investigação experimental sobre o sono e as emoções até à data e fornece fortes indícios de que os períodos de vigília prolongada, a duração reduzida do sono e os despertares noturnos influenciam negativamente o funcionamento emocional humano".

Palmer acrescentou que os efeitos negativos ocorreram "mesmo após curtos períodos de perda de sono", incluindo ficar acordado uma ou duas horas mais tarde do que o normal.

"Descobrimos também que a perda de sono aumenta os sintomas de ansiedade e diminui a excitação em resposta a estímulos emocionais", afirmou.

"Sociedade em grande parte privada de sono"

Os investigadores observaram que uma limitação do estudo foi o facto de a maioria dos participantes serem jovens adultos com uma idade média de 23 anos.

Uma amostra de idades mais diversificadas em investigações futuras poderia permitir uma melhor compreensão do efeito da privação de sono nas emoções.

Os investigadores também gostariam de examinar os efeitos da perda de sono em diferentes culturas, uma vez que a maior parte da investigação neste estudo foi efetuada nos Estados Unidos e na Europa.

"A investigação revelou que mais de 30 por cento dos adultos e até 90 por cento dos adolescentes não dormem o suficiente", afirmou Palmer.

"As implicações desta investigação para a saúde individual e pública são consideráveis numa sociedade largamente privada de sono. As indústrias e os setores propensos à perda de sono, como os socorristas, os pilotos e os condutores de camiões, devem desenvolver e adotar políticas que deem prioridade ao sono para atenuar os riscos para o funcionamento e o bem-estar durante o dia".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Quais são os países mais afetados pela crescente crise da obesidade?

"Estigma e ignorância históricos": Porque é que é difícil diagnosticar o défice de atenção e hiperatividade em adultos na Europa?

"Sentia vergonha": Ex-pacientes de cancro falam sobre "reconstrução" de vida após a doença