EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Ozempic e Wegovy podem reduzir o risco de doença cardíaca e ajudar a manter o peso durante 4 anos

O medicamento injetável Ozempic é apresentado, a 1 de julho de 2023, em Houston.
O medicamento injetável Ozempic é apresentado, a 1 de julho de 2023, em Houston. Direitos de autor AP Photo/David J. Phillip, File
Direitos de autor AP Photo/David J. Phillip, File
De  Lauren Chadwick
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Novas investigações de um grande estudo apresentado no Congresso Europeu de Obesidade mostraram os claros benefícios do popular medicamento para perder peso.

PUBLICIDADE

O medicamento vulgarmente vendido sob as marcas Ozempic e Wegovy reduziu os eventos cardiovasculares, como acidentes vasculares cerebrais e ataques cardíacos, em adultos com doença pré-existente, independentemente da perda de peso. Também ajudou as pessoas a manterem o peso a um nível baixo durante pelo menos quatro anos.

É o que revelam duas novas conclusões de um grande estudo apresentado no Congresso Europeu de Obesidade, em Veneza, na segunda-feira.

O semaglutido é o principal ingrediente ativo dos populares comprimidos para perda de peso Ozempic e Wegovy. Imita a hormona GLP-1, que pode dar o sinal de que o corpo está cheio.

As conclusões do estudo SELECT, que incluiu mais de 17 600 adultos de 41 países entre outubro de 2018 e março de 2021, com doenças cardiovasculares pré-existentes e com excesso de peso ou obesidade, foram analisadas.

Foi financiado pela Novo Nordisk, a empresa farmacêutica dinamarquesa por trás do medicamento.

Os doentes de "uma população geográfica e racialmente diversa" tomaram semaglutide ou um placebo uma vez por semana durante uma média de 3,3 anos durante o ensaio.

O estudo revelou uma redução de 20% nos "principais acontecimentos cardiovasculares adversos", tais como acidentes vasculares cerebrais, ataques cardíacos e morte cardiovascular. Esta conclusão foi publicada no New England Journal of Medicine em 2023.

Os investigadores afirmam que esses benefícios cardiovasculares também foram independentes da perda de peso, o que sugere "mecanismos alternativos de melhoria dos resultados cardiovasculares", de acordo com uma nova análise do ensaio.

John Deanfield, professor da University College London, disse numa conferência de imprensa no congresso sobre obesidade que todos os pacientes com um índice de massa corporal (IMC) superior a 27 tinham benefícios cardiovasculares "independentemente dos seus níveis iniciais [de peso]".

"Claramente, algo mais está a acontecer que beneficia o sistema cardiovascular", disse Deanfield. Acrescentou que o medicamento proporcionou um "benefício incremental" para além da terapia que os doentes já estavam a tomar, como as estatinas.

"Penso que se trata de uma descoberta muito importante", afirmou Deanfield, acrescentando que esta classe de medicamentos poderia, tal como as estatinas, "transformar igualmente muitas doenças crónicas".

Nova análise centra-se na perda de peso

A outra nova análise do ensaio, publicada esta semana na revista Nature Medicine e apresentada no congresso, mostrou que os doentes que tomaram semaglutide "perderam significativamente mais peso do que os que receberam placebo".

O medicamento produziu uma "perda de peso clinicamente significativa" e reduziu o tamanho da cintura durante pelo menos quatro anos em adultos com excesso de peso ou obesos, mas que não tinham diabetes.

Donna Ryan, autora principal da análise do Centro de Investigação Biomédica de Pennington, nos EUA, disse numa conferência de imprensa que o estudo mostrou que "os doentes que tomam semaglutide têm muito mais hipóteses de deixar de ter obesidade após o tratamento com este medicamento".

Dois anos depois, cerca de 68% dos doentes que tomaram o medicamento registaram uma perda de peso igual ou superior a 5% e 44% registaram uma perda de peso igual ou superior a 10%.

Em comparação, 21% dos que tomaram o placebo registaram uma perda de peso igual ou superior a 5% e quase 7% registaram uma perda de peso igual ou superior a 10%.

Ryan acrescentou que se registaram "menos acontecimentos adversos graves nos doentes tratados com semaglutide do que com placebo, devido principalmente a uma redução dos acontecimentos cardiovasculares e a uma redução das infeções".

PUBLICIDADE

Os autores afirmaram que o ensaio tinha algumas limitações, como o facto de não terem sido incluídas pessoas com excesso de gordura corporal mas com um índice de massa corporal (IMC) normal.

Os autores do estudo afirmaram que a análise apoia o uso alargado do medicamento uma vez por semana para prevenir o AVC ou o ataque cardíaco em indivíduos com excesso de peso e obesos com doença cardiovascular pré-existente.

"Poderá este tratamento ser útil na prevenção primária - reduzindo o risco não só de eventos cardiovasculares, mas também de muitas outras doenças em pessoas com excesso de peso ou obesas, mas que (ainda) não tiveram doenças cardiovasculares?", pergunta Martin Landray, diretor executivo da organização sem fins lucrativos Protas, que não esteve envolvido nas análises.

"Para responder a esta pergunta, serão necessários estudos de grande dimensão, inclusivos e a longo prazo. As respostas poderão mudar a forma como tratamos a obesidade, da mesma forma que a nossa abordagem da hipertensão e do colesterol evoluiu nas últimas décadas", afirmou Landray num comunicado.

Os problemas de peso e a obesidade estão a aumentar nos países da UE, estimando-se que 52,7% da população adulta da UE tenha excesso de peso em 2019, de acordo com o gabinete de estatísticas do bloco, o Eurostat.

PUBLICIDADE

A obesidade é considerada um grave problema de saúde pública, uma vez que aumenta o risco de doenças crónicas, como as doenças cardiovasculares e a diabetes.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Homem que recebeu o primeiro transplante de rim de porco do mundo morre dois meses após a cirurgia

Doente de Parkinson volta a mover-se livremente após o primeiro transplante de células cerebrais cultivadas em laboratório

"Dia da vergonha": inquérito critica "sucessivos governos" pelo escândalo do sangue infetado no Reino Unido