EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Onde ficam as estações de comboio mais bonitas da Europa?

Gare do Oriente em Lisboa, Portugal.
Gare do Oriente em Lisboa, Portugal. Direitos de autor Canva
Direitos de autor Canva
De  Angela Symons
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

De uma "catedral ferroviária" a uma exposição de arte subterrânea, estas são as mais belas estações de comboio na Europa.

PUBLICIDADE

Pode sentir-se tentado a planear a sua próxima aventura ferroviária em torno das muitas novas rotas ferroviárias que estão a surgir por toda a Europa. Mas e se lhe dissermos que pode experimentar o glamour das viagens de comboio sem sequer sair da estação?

Desde uma histórica "catedral ferroviária" a uma exposição de arte subterrânea, estas são as estações de comboio mais bonitas da Europa para visitar durante as suas viagens.

Antwerpen-Centraal em Antuérpia, na Bélgica: Um templo dos transportes

Antwerpen-Centraal em Antuérpia, na Bélgica.
Antwerpen-Centraal em Antuérpia, na Bélgica.Canva

A principal estação ferroviária de **Antuérpia**é um dos mais importantes centros de transportes da Bélgica, com serviços de alta velocidade para Amesterdão, Paris e Marselha.

Está instalada num edifício eclético concebido pelo arquiteto belga Louis Delacenserie no final do século XIX, que se inspirou no estilo neo-renascentista, art nouveau e barroco.

A vasta cúpula sobre a sala de espera valeu à estação a alcunha de Spoorwegkathedraal ["catedral dos caminhos-de-ferro"].

Mármore, colunas imponentes e intrincados trabalhos em ferro enquadram o relógio da estação, dando lugar aos corredores dos comboios com tetos de vidro alto, que foram originalmente concebidos para dissipar o fumo das locomotivas a vapor.

Estação de Hungerburg em Innsbruck, Áustria: Uma maravilha alpina

Estação Hungerburg em Innsbruck, na Áustria.
Estação Hungerburg em Innsbruck, na Áustria.Canva

Partindo do centro de Innsbruck até ao início do teleférico Seegrube, o funicular de Hungerberg passa por quatro estações desenhadas pelos arquitetos londrinos Zaha Hadid Architects.

A futurista estação de Hungerburg destaca-se contra o pano de fundo natural do Parque Alpino Karwendel, oferecendo uma porta de entrada para os trilhos para caminhadas, pistas de esqui e montanhas da Áustria. O seu telhado de vidro curvo parece flutuar no local, com a sua superfície fluida e gelada a imitar as montanhas ao longe.

Estação de Atocha em Madrid, Espanha: Uma selva tropical

Estação de Atocha em Madrid, Espanha.
Estação de Atocha em Madrid, Espanha.Canva

A estação de comboios mais movimentada de Espanha é imponente, mas não é especialmente notável do lado de fora. É o interior que traz o fator "uau", graças a uma estufa tropical.

Antes de se dirigir ao moderno terminal ao lado para apanhar um comboio de alta velocidade para Barcelona, Málaga ou Alicante, tome um café e maravilhe-se com o exuberante jardim que preenche a parte antiga abandonada da estação.

Com milhares de plantas e flores de todos os cantos do mundo, este jardim dar-lhe-á uma sensação de serenidade ao embarcar na sua viagem.

Gare do Oriente em Lisboa, Portugal: Uma maravilha modernista

Gare do Oriente em Lisboa, Portugal.
Gare do Oriente em Lisboa, Portugal.Canva

Desde as ruas sinuosas de Alfama até às bancas de comida de fazer crescer água na boca do Time Out Market, Lisboa está pronta para ser explorada.

Mas aqueles que chegam à capital portuguesa de comboio irão experienciar um espetáculo menos conhecido: a Gare do Oriente.

Desenhado pelo arquiteto espanhol Santiago Calatrava, o centro de transportes intermodais foi construído a tempo da feira mundial Expo 98. Com a sua grelha de vidro e metal, a estrutura modernista é devidamente apelativa.

Alberga uma estação de metro de Lisboa, linhas de comboio de alta velocidade e linhas regionais, uma estação de autocarros e um centro comercial.

PUBLICIDADE

Estação King's Cross em Londres, Inglaterra: Uma lição de restauro

Estação King's Cross em Londres, Ingalterra.
Estação King's Cross em Londres, Ingalterra.Canva

A estação de King's Cross, em Londres, está classificada no grau I, o que assinala a sua excecional importância arquitetónica e histórica. Este facto tornou a sua transformação moderna ainda mais desafiante - e impressionante.

Um espetacular telhado em forma de onda cobre o átrio ocidental. Foi revelado juntamente com a fachada original meticulosamente restaurada a tempo dos Jogos Olímpicos de 2012.

O projeto desencadeou a regeneração de toda a área na última década, assegurando que a estação é conhecida como mais do que uma porta de entrada para o norte e a casa da plataforma 9 ¾ de Harry Potter.

Estação de Toledo em Nápoles, Itália: Arte por baixo das ruas da cidade

Estação de Toledo em Nápoles, Itália.
Estação de Toledo em Nápoles, Itália.Canva

Um mar cintilante de mosaicos azuis nas profundezas de um antigo bairro de Nápoles, em Itália, injetou criatividade na zona.

PUBLICIDADE

Com acesso por uma escada rolante de 40 metros, a estação de metro de Toledo faz parte do projeto Stazioni dell'Arte da cidade, que viu arquitetos e designers de renome internacional deixarem a sua marca nas estações de metro da Linha 1.

Antes de chegar às profundezas da estação, inspiradas no oceano, passa-se por mosaicos da história da cidade e por ecrãs amarelos.

São Bento no Porto, em Portugal: Azulejo deslumbrantes

São Bento no Porto, em Portugal.
São Bento no Porto, em Portugal.Canva

Portugal é conhecido pelos seus bonitos azulejos - alguns dos mais impressionantes podem ser encontrados na estação de comboios de São Bento, no Porto.

Cerca de 22 mil azulejos compõem os seus painéis de 551 metros quadrados, que retratam cenas da história portuguesa e da vida rural. Foram desenhados e pintados pelo famoso artista e ceramista Jorge Colaço, e inaugurados em 1903.

PUBLICIDADE

Estação Centraal em Roterdão, nos Países Baixos: Um centro sustentável

Estação Centraal em Roterdão, nos Países Baixos.
Estação Centraal em Roterdão, nos Países Baixos.Canva

Depois de ter sido destruída por bombardeamentos na Segunda Guerra Mundial, Roterdão, nos Países Baixos, lançou-se de cabeça no futuro e abraçou o design moderno.

A última encarnação da Estação Centraal, revelada em 2014, apresenta uma imponente fachada de vidro e metal que dá lugar a um interior de madeira quente e acolhedor.

As plataformas - que albergam comboios de alta velocidade para Amesterdão, Bruxelas e Paris - são inundadas de luz a partir de tetos de vidro que estão equipados com um dos maiores projetos de energia solar no telhado da Europa. A estação oferece estacionamento para mais de 5 mil bicicletas para completar o quadro sustentável.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Comboio noturno liga quatro capitais europeias da Bélgica à Chéquia

Sobre carris: Qual é o país da Europa onde se viaja mais de comboio?

Atrasos e cancelamentos de voos devido à falha da Microsoft: chegue cedo ao aeroporto, pedem as companhias aéreas