Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

A explicação das reparações de guerra exigidas pela Grécia à Alemanha

A explicação das reparações de guerra exigidas pela Grécia à Alemanha
Tamanho do texto Aa Aa

As relações entre a Grécia e a Alemanha deterioraram-se significativamente desde a eleição de Alexis Tsipras e o partido Syriza. Um dos pontos-chave do mal-estar são as reparações da II Guerra Mundial exigidas por Atenas a Berlim.

Mas porque é que os gregos querem ser compensados?

O primeiro argumento diz respeito à compensação pelos crimes de guerra. Durante a II Guerra Mundial, na primavera de 1941, a Alemanha e a Itália conquistaram a Grécia. Para lá das baixas militares, cerca de 20 mil civis (não existe acordo sobre os números exatos) foram mortos e povoações inteiras foram dizimadas pelas tropas alemães.

O segundo argumento diz respeito aos custos financeiros diretos e indiretos sofridos pela Grécia. Durante a guerra, a convenção de Haia, em vigor desde 1907, previa que os Estado ocupado devia pagar o custo de vida e de manutenção das tropas ocupantes.

No entanto, o tesouro grego foi submetido a custos de 476 milhões de reichsmarks, mais do que o máximo acordado pelos alemães e os italianos. Os submetidos governo grego não outra escolha senão entregar o dinheiro que foi usado para as campanhas nazis no norte de África.

O que foi acordado depois da guerra?

Depois da derrota dos Nazis, os tratados de Paris de 1946 definiram as reparações de guerra que os diferentes países envolvidos tinham que pagar.

A Grécia recebeu 105 milhões de dólares da Itália (um pouco mais do que a União Soviética) e 45 milhões de dólares da Bulgária. Mas a Alemanha apenas honrou este acordo a partir de 1990, pois tinha sido dividida – a República Federal Alemã (RFA) e a República Democrática Alemã (RDA).

No entanto, o Acordo de Compensação de Paris estabeleceu que a Grécia devia receber 2,7% em dinheiro, do total das compensações pagas pela Alemanha, e 4,35% das industrias de transporte, navios e outro tipo de pagamentos. De facto, isto significava 7,1 milhões de dólares nos valores de 1938, cerca de metade do que a Grécia tinha exigido.

Em fevereiro de 1953, foi assinado um outro pacto, conhecido como o Acordo de Londres, que cobria as dívidas gerais da derrotada Alemanha aos vencedores – os Aliados.

A dívida do pré-guerra foi cortada em cerca de metade e o tempo que a Alemanha tinha para pagar for prolongado para os 30 anos. A dívida de Guerra, em si, foi determinada separadamente por cada país.

Depois de 1952, a RFA concluiu vários acordos para avançar com compensações adicionais. Em 1960, a Alemanha concordou pagar à Grécia 115 milhões de marcos a indivíduos gregos, vítimas da ocupação alemã.

No total, a Alemanha pagou cerca de 72 mil milhões de euros em reparações de guerra, segunda a agência de notícias Reuters.

O que pretedem agora os gregos?

De acordo com um artigo da revista alemã Der Spiegel, estima-se que a Alemanha deve à Grécia 108 mil milhões de euros para reconstruir as infraestruturas danificadas e 54 mil milhões pelo empréstimo forçado da ocupação.

O montante total de 162 mil milhões de Euros representaria 80 por cento do Produto Interno Bruto (PIB) atual e uma larga fatia dos 240 mil milhões de Euros do resgate financeiro dado à Grécia pela União Europeia e o Fundo Monetário Internacional.

Mas em abril de 2015, o vice-ministro grego das Finanças, Dimitris Mardas, afirmou que a Berlim devia quase 279 mil milhões de euros em reparações de guerra, de acordo com o Serviço Geral de Contabilidade grego.

Oficialmente, o governo alemão afirma que o tema está encerrado desde os acordos “2 mais 4” de 1990, após a reunificação das duas Alemanhas. Em torno da mesa os 4 países “vencedores” da guerra, firmavam um documento em que renunciavam aos direitos sobre os países vencidos. Um acordo aprovado também por Atenas que, no entanto, exigia a assinatura de um Tratado de Paz para poder ter direito a aceder a compensações de guerra.

Dois turistas alemães reembolsam a sua quota parte das indemnizações

A “dívida histórica” alemã, reclamada pela Grécia, poderá não cobrir a totalidade do empréstimo europeu ao sobre-endividado país, mas no confronto recente entre as duas capitais, a perspetiva de uma indemnização pode ajudar Tsipras a, pelo menos, obter até ao final da semana um fundo de emergência reclamado ao Eurogrupo. Uma forma inteligente em Berlim e Atenas, de pôr em prática a solidariedade europeia por entre a inflexibilidade alemã, nem que seja com um pretexto de há 70 anos.

E enquanto o governo alemão hesita, dois cidadãos do país não hesitaram em dar “o primeiro passo”. Ludwig Zacaro e Nina Lahge, dois turistas alemães de visita ao país, não hesitaram em reunir-se com o presidente da câmara de Nfplion, na semana passada, para pagar a sua “quota-parte” das reparações de guerra – 875 euros – o valor alegadamente devido por cada cidadão alemão à Grécia, pelos danos causados durante a II Guerra Mundial.