A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

"Brexit" destroi barreiras ideológicas no Reino Unido

"Brexit" destroi barreiras ideológicas no Reino Unido
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

No sábado, 20 de fevereiro, após ter concluído o acordo com os homólogos europeus, David Cameron fixou, finalmente, a data do referendo sobre a continuidade do Reino Unido na União Eurpeia, para o dia 23 de junho.

Dois dias depois, na Câmara dos Comuns, as divisões ampliam-se e, sobretudo, quebram-se as tradicionais barreiras políticas entre a direita e a esquerda.

O líder trabalhista, Jeremy Corbyn, com uma certa ambiguidade, limitou-se a saudar o referendo, sem verdadeiramente se posicionar contra o “Brexit”.

No campo do partido conservador, do primeiro-ministro, é a confusão total.

O presidente da câmara de Londres, Boris Johnson, em total desprezo pelo acordo e acossado pelo amigo “David”, surge como a figura de proa dos partidários do “Brexit”.

Outros grandes nomes do partido assumem a dissidência e sentem-se livres para fazer campanha pela saída do país da União. Entre eles, vários membros do governo de Cameron, particularmente o ministro do Emprego, Priti Patel, o líder da Câmara dos Comuns, Chris Grayling e o ministro da Justiça, Michael Gove, bem como a ministra para a Irlanda do Norte, Theresa Villiers.

Cria-se, assim, uma divisão, bastante atípica, com o primeiro-ministro a fazer campanha pelo “In”, ao lado de membros da oposição.

“Temos muitos temas de desacordo com os Trabalhistas, os Liberais, Os Verdes e outros, mas a verdade é que todos apoiamos a ideia de a Grã-Bretanha permanecer numa União Europeia reformada e temos uma grande equipa por detrás desta campanha”, afirmou Cameron.

Depois de um longo silêncio, o líder trabalhista, Jeremy Corbyn, lançou formalmente um apelo aos britânicos para votarem a favor da manutenção do país na União Europeia, afirmando:
“Não se pode construir um mundo melhor, a menos que nos envolvamos nele – que façamos aliados e participemos na mudança. A União Europeia, com todas as suas rugas, provou ser a melhor estrutura para fazê-lo. É por isso que apoiamos a manutenção da Grã-Bretanha na Europa”.

Mais convicta e, há mais tempo, a primeira-ministra escocesa e líder do Partido Nacional Escocês, Nicola Sturgeon, lançou também um apelo ao voto massivo dos britânicos para manterem o país na União Europeia.