Última hora
This content is not available in your region

EUA ponderam participação no Conselho de Direitos Humanos da ONU

EUA ponderam participação no Conselho de Direitos Humanos da ONU
Tamanho do texto Aa Aa

A administração de Donald Trump informou, formalmente, que está a avaliar a participação dos Estados Unidos da América no Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas.

A embaixadora norte-americana na ONU, Nikki Haley, pediu a saída voluntária da Venezuela daquele órgão e exortou o Conselho a rever a sua posição sobre Israel.


“Ser membro deste conselho é um privilégio e nenhum país que viole os Direitos Humanos deve ter assento nesta mesa. É difícil aceitar que este conselho nunca tenha considerado uma resolução relativa à Venezuela e, no entanto, adotou cinco resoluções tendenciosas, em março, contra um único país – Israel. É essencial que este conselho aborde a sua tendência crónica contra Israel, se quer ter alguma credibilidade”, avisa Haley.

Os Estados Unidos são o principal aliado de Israel. O Conselho de Direitos Humanos da ONU tem tomado posições fortes contra a persistência de Telavive em continuar com a construção de colonatos em território palestiniano.

A embaixadora apelou ainda ao Conselho para adotar “resoluções, as mais fortes possíveis, sobre as situações críticas de Direitos Humanos na Síria, na República Democrática do Congo, na Eritreia, na Bielorrússia e na Ucrânia”, bem como para acompanhar e prevenir “novas violações e abusos dos direitos humanos” nesses países.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.