Última hora
This content is not available in your region

Vitória de Orbán dificulta refundação europeia, sobretudo na migração

Vitória de Orbán dificulta refundação europeia, sobretudo na migração
Direitos de autor
REUTERS/Leonhard Foeger
Tamanho do texto Aa Aa

A retumbante vitória do ultranacionalista Viktor Orbán nas eleições legislativas na Hungria, em que a extrema-direita surgiu como segunda força politica, complica as relações com a União Europeia, que atravessa um processo de refundação, particularmente em relação à gestão dos fluxos migratórios.

"A migração foi tornada uma arma para alimentar o euroceticismo, misturando tudo num cocktail anti-sistema"

Paul Taggart Analista político, Universidade de Sussex

O primeiro-ministro reeleito recebeu as felicitações de outros partidos ultraconservadores e de Manfred Weber, líder do Partido Popular Europeu, família politica a que o Fidesz pertence no Parlamento Europeu. Mas Weber alertou para a necessidade de respeitar os valores europeus, tendo o líder dos liberais, Guy Verhofstadt, feito a mesma advertência.

A política de asilo será muito difícil de reformar na União com líderes como Orban, que mandou construir vedações e que defende grandes restrições na entrada de pessoas.

"A crise migratória de 2015 mudou o panorama, aumentado a politização desse tema que, até então não tinha sido um problema aproveitado pelos populistas nessa região da Europa. A migração foi tornada uma arma para alimentar o euroceticismo, misturando tudo numa espécie de cocktail anti-sistema político, que combina fatores internos e externos", explicou, à euronews, Paul Taggart, analista político e professor na Universidade de Sussex (Reino Unido).

Apesar de França, Holanda e Alemanha terem conseguido travar a onda nacionalista nas suas mais recentes eleições, esta vitória na Hungria vem reforçar o círculo de países que querem impor essa agenda, incluindo República Checa e Áustria.

"O paradoxo é que o populismo se impôs utilizando as preocupações políticas internas, existentes no coração do país. Às vezes, essa agenda pode ser vista como estando contra a União Europeia e a a sua maior integração, mas não nasceu, necessariamente, como um projeto antieuropeu", refere o analista.

A Hungria é um das vozes mais dinâmicas do grupo de Visegrado que é composto, ainda, por Polónia, República Checa e Eslováquia. Um bloco pouco permeável ao projeto europeu mais federalista promovido pelo presidente francês, Emmanuel Macron.

"O fenómeno Macron é típico do sistema politico francês, mas há o risco de se tentar ver esse fenómeno como uma resposta geral para toda a Europa. Mas o facto é que há muitas questões especificamente francesas, ligadas à política interna, que permitiram o sucesso de Macron. Em segundo lugar, Macron foi muito bem-sucedido no processo para ser eleito, mas temos de ver quão bem-sucedido sera no seu governo", adverte Paul Taggart.

A Hungria é alvo de pressão por parte do Parlamento Europeu para que se aplique o artigo 7º do Tratado da União Europeia por violação do Estado de direito.

"Há um debate político que talvez seja mais importante do que qualquer ação legal. Magoa-nos muito o facto de, nos últimos três anos, as instituições europeias não terem feito o suficiente para gerar um debate sobre valores europeus e sobre a necessidade de serem cumpridos por todos os Estados-membros", referiu, à euronews, Laszlo Andor, economista húngaro e ex-comissário europeu .

Apesar de sucessivas manifestações populares nas ruas contra Orban por causa do afastamento dos valores europeus e de suspeitas de envolvimento em casos de corrupção com fundos comunitários, a oposição de centro-esquerda revelou-se um fracasso nas urnas.

A Hungria segue, assim, os passos da Polónia no desafio a Bruxelas, mas será que o contágio vai continuar?

"O facto de a Hungria e da Polónia se terem desviado, de forma similar, do sistema europeu estabelecido e entrado deliberadamente em confrontação com as instituições da União Europeia ao nível das políticas, regras e valores europeus, não significa que essa atitude se vá espalhar como uma epidemia noutros países. Penso que houve outros países que enfrentaram crises sem que tal tivesse levado a um profunda mudança constitucional, tal como aconteceu na Hungria e se está, também, a passar na Polónia", afirmou Laszlo Andor.

A Comissão Europeia vai apresentar, em breve a proposta de orçamento para 2021-2027 e tem havido discussões sobre sancionar os países que se desviam dos valores europeus através do corte nos fundos comunitários.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.