Última hora

Ghosn preso até ao primeiro dia de 2019

Ghosn preso até ao primeiro dia de 2019
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Carlos Ghosn , o ex-presidente da Renaut e da aliança Renaut Nissan, vai permanecer preso até ao dia 1 de janeiro de 2019.

A decisão de prolongar a pena foi anunciada este domingo pelo tribunal japonês.

O empresário franco-brasileiro foi detido dia 19 de novembro, por alegada fraude fiscal. Ghosn terá provocado perdas de investimento no valor de 16 mil milhões de dólares depois de alegadamente ter prestado falsas informações nos relatórios e contas da empresa.

Carlos Ghosn esteve 19 anos à frente da Nissan, duas décadas que o tornaram um dos homens mais respeitadas no mundo empresarial japonês por ter evitado que a empresa fosse à falência.

Agora, enfrenta acusações de "má conduta financeira" dentro do império automóvel que ajudou a erguer.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.