Prisão perpétua para o terrorista do Museu Judaico de Bruxelas

Prisão perpétua para o terrorista do Museu Judaico de Bruxelas
Direitos de autor  REUTERS/Yves Capelle
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Mehdi Nemmouche, o jihadista que assassinou quatro pessoas no Museu Judaico de Bruxelas, em 2014, foi condenado a prisão perpétua.

PUBLICIDADE

Após oito horas de deliberações, a justiça belga condenou o autor do atentado no Museu Judaico de Bruxelas, a prisão perpétua.

A sentença seguiu o requisito da acusação que apresentou Mehdi Nemmouche como um verdadeiro "psicopata", "egocêntrico e narcisista", que nunca lamentou o que aconteceu às vítimas.

Para as famílias das vítimas foi o fim de um calvário de cinco anos. Vincent Bodson, um dos advogados, afirma: "Estas penas parecem-me completamente justas, e como você diz, em conformidade com os dois meses de julgamento e com as personalidades muito diferentes dos dois acusados".

O co-autor do ataque, Nacer Bendrer, foi condenado a 15 anos de prisão, após ter mostrado arrependimento e vergonha por se ter cruzado com Nemmouche que apelida de "monstro".

As provas não deixaram dúvidas: Nemmouche apoiou no gatilho; Brender ter-lhe-à fornecido as armas do ataque - um revolver e uma metrelhadora automática do tipo kalasnikov.

Mehdi Nemmouche entrou no Museu Judaico de Bruxelas ao princípio da tarde de 24 de maio de 2014 e disparou sobre quem encontrou no caminho. Quatro pessoas foram assassinadas: Miriam e Emmanuel Riva, Alexandre Strens, e Dominique Sabrier.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Arranca novo julgamento dos quatro egípcios acusados de matar estudante italiano Giulio Regeni

Londres avalia pedido de recurso contra extradição de Assange

Madeira. Arguidos saem em liberdade com termo de identidade e residência