Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Trump reconhece soberania de Israel sobre Montes Golã

Trump reconhece soberania de Israel sobre Montes Golã
Direitos de autor
REUTERS/Carlos Barria
Tamanho do texto Aa Aa

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinou esta segunda-feira o decreto no qual reconhece de forma oficial a soberania de Israel sobre os Montes Golã, justificando a medida com as “agressivas ações” do Irão e de grupos “terroristas” contra Israel.

“Isto é algo que já devia ter sido feito há muitas décadas”, disse Trump ao rubricar o decreto na Casa Branca, ao lado do primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu.

O documento altera a política seguida há mais de meio século pelos Estados Unidos e contraria o consenso internacional expresso em várias resoluções das Nações Unidas (ONU).

Para os analistas, este foi um apoio de peso de Trump a Netanyahu para as próximas eleições legislativas israelitas, marcadas para 09 de abril, em que o primeiro-ministro tenta a reeleição apesar das suspeitas de corrupção que o envolvem nos últimos meses.

"Na longa história judaica houve um punhado de proclamações de líderes não-judeus em nome do nosso povo sobre as nossas terras - Ciro, o grande Rei Persa, Lorde Balfour, o Presidente Harry S. Truman e o Presidente Donald Trump", afirmou Netanyahu após a assinatura do decreto na Casa Branca.

Israel ocupou o território sírio dos Montes Golã em 1967, na Guerra dos Seis Dias, e anexou-o em 1981. Uma decisão que nunca foi reconhecida pela comunidade internacional.

A medida de Donald Trump mereceu já a censura de Síria, Rússia e Turquia, que temem o aumento da instabilidade no Médio Oriente.

Também as Nações Unidas vieram alertar que a posição dos EUA em nada altera o estatuto internacional dos Montes Golã.

A ONU tem uma missão de paz no terreno desde 1974, encarregada de manter o cessar-fogo entre Israel e Síria.

Essa anexação nunca foi reconhecida pela comunidade internacional, e o Conselho de Segurança aprovou em 1981, por unanimidade, uma resolução que declarava “nulas” e “sem efeito jurídico internacional” as decisões de Israel de impor as suas leis e a sua administração nesse território.