Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Poluição industrial mata na cidade italiana de Taranto

Poluição industrial mata na cidade italiana de Taranto
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

"Chegámos ao último destino da nossa viagem por Itália, que termina em Taranto. O destino da cidade é marcado pelos teares do "monstro de aço". É assim que as pessoas aqui chamam a" Ilva, a maior fábrica de aço da Europa. Estima-se que as emissões poluentes já tenham causado a morte de milhares de trabalhadores e habitantes, mas o encerramento da fábrica está no centro de um dilema entre perda de empregos e proteção da saúde ".

Somos recebidos na casa de Carla e Angelo, que nos leva ao quarto do filho de 15 anos, Giorgio. O jovem faleceu em janeiro vítima de um sarcoma dos tecidos moles. Os pais procuraram todo o tipo de tratamentos, em todo o país, mas nada funcionou.

"Estamos no inferno, não há outra metáfora que se possa usar. Eu pergunto-me o que será o futuro se as fontes de poluição não forem desligadas? Talvez o melhor seja não deixar as crianças nascerem, porque se elas tiverem de passar por o que ele passou, é inexplicável ... eu não desejo isto a ninguém", afirma Carla Luccarelli, a mãe de Giorgio di Ponzio.

Carla e Angelo criaram uma associação para apoiar os pais de Taranto que estão a passar pelo mesmo pesadelo. Segundo o instituto nacional de saúde, em Taranto as probabilidades de cancro em idade infantil são 54% maiores do que no resto do país.

Cada chaminé industrial polue o equivalente a 400 incineradoras: Segundo a imprensa italiana, que cita as autoridades judiciais, em sete anos morreram 11.550 pessoas de doenças cardiovasculares e respiratórias, devido à emissões.

"Estas colinas foram confiscadas pelos carabinieri porque contêm altos níveis de dioxina, mas a coisa mais intrigante é que estão mesmo junto a uma escola primária", testemunha a nossa repórter, Elena Cavallone.

As crianças deste bairro permanecem frequentemente em casa. As escolas estão fechadas quando o vento traz a poeira tóxica vinda da Ilva. Em 2012, os procuradores ordenaram o encerramento da fábrica e a detenção dos seus administradores por graves violações ambientais. Em 2017, a Arcelor Mittal comprou a fábrica e comprometeu-se a restaurá-la. Os moradores - no entanto - mostram-se decepcionados com o Movimento de 5 Estrelas, que prometeu fechar a fábrica e não o fez.

"Olhe, eu cheguei a um ponto que, aos 51 anos, com cancro duas vezes, já não acredito no estado italiano. Não confio em ninguém", desabafa Cosimo Briganti, residente na cidade.

O caso Ilva chegou a Bruxelas, onde a Comissão Europeia abriu dois processos por infracção contra a Itália, um dos quais por violação das normas europeias sobre emissões industriais. Antonia Battaglia luta há anos na capital europeia pedindo mais pressão sobre o governo italiano: "A questão ambiental ainda está em curso e esperamos que a Comissão Europeia possa ser um apoio para a cidade de Taranto e possa ajudar na resolução dessa questão que permanece sem solução e ainda é crítica".

Até lá, cada pôr do sol sobre Taranto continuará a ser turvado pelo fumo.