Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Estudantes protestam contra cortes na educação

Estudantes protestam contra cortes na educação
Tamanho do texto Aa Aa

Em defesa da educação, mais de 100 cidades brasileiras encheram as ruas com gritos de protesto.

Pela segunda vez em maio, os estudantes manifestaram-se contra os cortes na educação. Um congelamento de cerca de 5 mil e 800 milhões de reais, mais de mil e 300 milhões de euros, que leva quase um terço do orçamento para o ensino superior.

Por motivos ideológicos, o governo de Bolsonaro começou por aplicar uma redução de 30% a três destes estabelecimentos de ensino. Depois de uma onda de críticas, os cortes estenderam-se a todas as universidades federais.

Na manifestação do Rio de Janeiro, uma estudante explica por que teme pelo futuro.

"Há um impacto nas bolsas, a gente precisa de bolsas de alimentação, bolsas de permanência e de incentivo à pesquisa. As universidades brasileiras produzem muita pesquisa científica e esse tipo de recorte impacta o desenvolvimento das pesquisas dentro da universidade", afirma.

A fundação que promove a investigação científica no país e está vinculada ao Ministério da Educação, anunciou no início do mês a suspensão de quase 3500 bolsas de estudo para estudantes em regime de pós-graduação. De acordo com o mesmo organismo, a medida é temporária e destina-se aos novos candidatos.

De cartaz em punho, nos protestos em São Paulo, outro manisfestante lamenta: "É uma área prioritária, uma área estratégica. Todos os países investem em educação, porque é uma área estratégica e aqui o Brasil vai no caminho contrário".