EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Trudeau enfrenta a Justiça

Trudeau enfrenta a Justiça
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Segundo o relatório, divulgado na quarta-feira pelo comissário federal de Ética, Justin Trudeau "violou a lei de conflito de interesses"

PUBLICIDADE

É o primeiro chefe do governo canadiano a quebrar as regras de ética federais.

Justin Trudeau violou a lei quando pressionou a antiga ministra da Justiça a favorecer a maior empresa de construção do país. A conclusão é do relatório divulgado esta quarta-feira pelo comissário federal de Ética,

Trudeau assume a responsabilidade e diz que apenas tentou defender os empregos dos canadianos. 

“Assumo toda a responsabilidade. A responsabilidade é do primeiro-ministro. Assumo a responsabilidade por tudo o que aconteceu no meu gabinete. Isto é importante. Porque realmente penso que o que aconteceu no ano passado não deveria ter acontecido. Temos de fazer melhorias no nosso sistema".

As pressões de Trudeau foram confirmadas pela antiga ministra da Justiça, que se demitiu em fevereiro.

Jody Wilson-Raybould diz que o primeiro-ministro queria um acordo, a ser proposto pelo Ministério Público, para evitar a penalização da SNC-Lavalin com a exclusão dos contratos públicos durante dez anos.

Segundo Wilson-Raybould, quando o Ministério Público recusou propor o acordo foi pressionada para obrigar os procuradores a mudar de decisão. Um pedido que recusou

As acusações contra o primeiro-ministro e as demissões de Wilson-Raybould e da antiga ministra do Tesouro causaram uma crise no governo do Canadá.

O escândalo pode ser um problema para o primeiro-ministro, dois meses antes das eleições gerais.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Justin Trudeau celebra vitória nas eleições canadianas mas não foi o único

União Europeia e Canadá criam Aliança Verde

Canadá promete mais 450 milhões de euros em armamento à Ucrânia