Última hora

Cartas de Boris Johnson deixam Brexit num impasse

Cartas de Boris Johnson deixam Brexit num impasse
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Selada, entregue, mas sem assinatura. Foi assim que o presidente do Conselho Europeu recebeu a carta com o pedido de adiamento do Brexit, enviada pelo primeiro-ministro britânico.

Boris Johnson não deixou margem para dúvidas. O envio não se tratou de um lapso, o gesto foi mesmo intencional. Numa segunda carta, desta vez já assinada, o chefe de governo afirma que adiar a saída do Reino Unido da União Europeia é um erro.

Ao contrário do que afirmou no parlamento, Boris Johnson estava obrigado pela chamada Lei de Benn a solicitar a extensão do prazo para o Brexit, depois de os deputados britânicos terem adiado, este sábado, a votação do tema.

Isto porque, de acordo com a maioria dos deputados, é necessário aprovar legislação para aplicar o acordo, antes de o aprovar.

A atitude de Johnson deixou a oposição descontente. Em entrevista à BBC, o deputado Trabalhista Keir Starmer acusou o primeiro-ministro britânico de estar a ser "infantil". "A lei é muito clara. De acordo com a lei, ele devia ter assinado a carta. Está a ser infantil. E se - não acredito que vá acontecer - mas se sairmos em desgraça por causa do que ele fez com as cartas, no espaço de 11 dias e sem acordo, ele será pessoalmente responsável por isso".

Os Conservadores continuam, no entanto, a acreditar na saída ainda este mês. "Vamos sair a 31 de outubro, Temos os meios e capacidade para fazê-lo. E tivemos pessoas que votaram para uma extensão do prazo, que votaram para tentar frustrar este processo e arrastá-lo. Acho que a vontade deste país é muito clara e que a determinação do primeiro-ministro é absoluta. E nisto estou com ele, temos de sair a 31 de outubro", afirmou, em entrevista à Sky, o deputado Conservador Michael Gove.

Enquanto os líderes dos 27 Estados-Membros estão a ser consultados sobre o próximo passo da União Europeia, o Reino Unido permanece tão ou mais dividido do que antes.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.