Greve por tempo indeterminado pára Liga espanhola

Access to the comments Comentários
De  Bruno Sousa
Greve por tempo indeterminado pára Liga espanhola

Ninguém nas bancadas, ninguém dentro das quatro linhas. Pela primeira vez a Liga feminina espanhola parou devido a uma greve e este fim de semana não se jogou um único encontro da nona jornada.

As jogadoras do país vizinho estão em greve por tempo indeterminado, o objetivo é conseguir um acordo com os clubes para um contrato coletivo de trabalho. Paloma Fernández, capitã do Espanyol, admite estar "triste por a situação ter chegado a este ponto".

A discórdia não está nos 16 mil euros anuais de salário mínimo mas sim no tempo parcial mínimo para as futebolistas. As jogadoras exigem pelo menos 75% de parcialidade, os clubes não querem ir além dos 50%, que na prática se traduzem em 8 mil euros anuais de salário mínimo.

Os clubes da Liga feminina argumentam não ter capacidade financeira para fazer face às pretensões das futebolistas e que se estas fossem aceites vários clubes seriam obrigados a fechar as portas.

A greve atinge apenas os encontros da Liga espanhola, as futebolistas já afirmaram que irão continuar a honrar os compromissos nas competições europeias e nos jogos da seleção.